Ucranianos não estão satisfeitos por partilharem o prémio Nobel da paz, admite conselheiro de Zelensky

CNN Portugal , HCL
11 dez 2022, 16:56

Mykhailo Podolyak queixa-se da atribuição conjunta do prémio a entidades que lutam pelos direitos humanos na Rússia, Bielorrússia e Ucrânia, em tempos de guerra

Os ucranianos estão felizes por terem ganho o seu primeiro prémio Nobel desde a independência, mas confessam que é dolorosa a partilha das luzes da ribalta com laureados da Rússia e da Bielorrússia.

Mykhailo Podolyak, conselheiro do gabinete presidencial ucraniano, queixou-se de que o prémio conjunto impulsionou a narrativa do Kremlin sobre a guerra e as reivindicações de Putin sobre a unidade dos povos russo e ucraniano.

"Premiar três organizações de direitos humanos de três países não responde à questão da protecção da paz, mas promove abertamente a tese destrutiva sobre a mesma notória 'trindade dos povos eslavos' de que a propaganda russa fala constantemente na opinião pública global", disse Podolyak ao jornal POLITICO.

O comité norueguês do Prémio Nobel procurou enviar um sinal de que o conflito na Ucrânia tem de acabar, ao partilhar o prémio da paz entre ativistas da sociedade civil de três nações envolvidas numa guerra - o prémio foi partilhado entre o ativista pelos direitos humanos bielorrusso Ales Bialiatski, o grupo de ativismo russo Memorial e o ucraniano Center for Civil Liberties.

Da perspectiva ucraniana, porém, deixa um amargo sabor que os activistas no seu país - numa trajectória política democrática muito diferente da de Moscovo e Minsk - ainda se encontram reunidos na esfera pós-soviética com ativistas que enfrentam os regimes de Vladimir Putin e de Alexander Lukashenko da Bielorrússia.

Mykhailo Podolyak, conselheiro do gabinete presidencial ucraniano, explicou ainda ao jornal que Moscovo procurou retratar os povos dos três países como querendo a paz, mas sendo impedido de alcançar uma trégua por países não eslavos. Também emitiu uma crítica de que, enquanto os ucranianos lutavam pela sobrevivência, grupos da sociedade civil na Rússia e na Bielorússia estavam em grande parte a evitar ações ativas contra a invasão.

"Esta é uma atitude extremamente insensível num momento em que russos estão a matar ucranianos com a ajuda de bielorussos", disse, por outro lado, Olga Rudenko, editora chefe do Kyiv Independent, e uma das favoritas ao prémio de paz de 2022.

Rudenko acrescentou que todos os candidatos mereciam o prémio e que os ucranianos não teriam qualquer problema se cada um deles recebesse o prémio individualmente. “O problema foi juntar os três num ano em que as nações que representam estão destroçadas por uma guerra provocada pelas ambições coloniais russas”, afirmou ao jornal POLITICO.

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados