Os números da ONU: 3.778 civis mortos, dos quais 251 crianças e jovens

CNN Portugal , FSC
19 mai, 05:48
A mão de um dos corpos de civis encontrados mortos em Bucha (Sergei Supinsky / AFP)

Ponto de situação sobre mortes confirmadas revela que a maioria das baixas civis foi vítima de bombardeamentos de artilharia pesada, ataques aéreos e de mísseis.

O último relatório do Gabinete do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) sobre as vítimas civis da guerra na Ucrânia contabiliza 7.964 baixas: 3.778 mortos e 4.186 feridos. 

Estes números apenas incluem dados confirmados e verificados, razão pela qual o relatório ressalva que “a ACNUDH acredita que os números reais são consideravelmente mais elevados, uma vez que a receção de informação de alguns locais onde têm ocorrido hostilidades intensas tem sido adiada e muitos relatórios ainda estão pendentes de confirmação”. Alguns dos principais palcos desta guerra não estão ainda incluídos nestes dados, destacando-se o caso da cidade de Mariupol. Também Izium (na região de Kharkiv) e Popasna (na região de Lugansk), onde há alegações de numerosas baixas civis, não entram nestes números.

Da informação já verificada, desde o início da invasão até à meia-noite de 17 de maio, destaca-se um total de 3.778 mortos. Destes, 251 eram crianças e jovens (86 raparigas, 97 rapazes e 68 crianças). A maioria das vítimas civis é do sexo masculino, mas o gabinete das Nações Unidas ressalva a existência de cadáveres de 1.179 adultos cujo sexo é ainda desconhecido.

Os feridos são 4.186 feridos, dos quais 215 jovens e 167 crianças.

Segundo o mesmo relatório, “a maioria das baixas civis registadas foi causada pela utilização de armas explosivas com uma vasta área de impacto, incluindo bombardeamentos de artilharia pesada e sistemas de foguetes de lançamento múltiplo, e ataques aéreos e de mísseis.”

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados