Pilotos ucranianos estão em base militar dos Estados Unidos para formação em F-16

CNN , Zachary Cohen, Aaron Pellish, Chloe Liu e Heather Chen
6 mar 2023, 09:00
Um caça F-16 belga participa num exercício da NATO. Kenzo Tribouillard/AFP/Getty Images

Os EUA estão a trabalhar com pilotos ucranianos, nos Estados Unidos, para determinar quanto tempo levaria a treiná-los para pilotarem caças F-16, três fontes informadas sobre o assunto disseram à CNN.

Dois pilotos ucranianos estão atualmente numa base militar norte-americana, tendo as suas competências sido testadas em simuladores de voo para ver quanto tempo precisariam para aprender a pilotar vários aviões militares, incluindo F-16.

Um responsável militar dos EUA disse aos jornalistas que viajavam com o secretário de Defesa Lloyd Austin para o Médio Oriente que os pilotos ucranianos estavam em Tucson, no Arizona, para "um evento de familiarização" que descreveu como "uma atividade de rotina parte do diálogo militar com a Ucrânia".

"O evento de familiarização é, essencialmente, uma discussão entre o pessoal da Força Aérea e uma observação de como a Força Aérea dos EUA funciona", disse o oficial.

"Este evento permite-nos ajudar os pilotos ucranianos a tornarem-se pilotos mais eficazes e aconselhá-los melhor sobre como desenvolver as suas próprias capacidades. Os pilotos não irão pilotar aeronaves durante este evento, mas utilizarão um simulador durante parte da sua visita."

O responsável acrescentou que "não há novidades a dar relativamente aos F-16 para a Ucrânia" e não há planos imediatos para aumentar o número de pilotos ucranianos em avaliação nos EUA.

Embora não haja, neste momento, qualquer indicação de que o treino de voo esteja em curso, a medida sugere que os EUA não fecharam completamente a porta ao fornecimento de F-16.

A Ucrânia tem feito pressão para que os EUA forneçam caças e os altos funcionários ucranianos intensificaram a sua campanha pública de lóbi nos últimos dias, argumentando que precisam dos aviões para se defenderem contra os ataques de mísseis e drones russos.

Mas essa pressão tem sido encarada com ceticismo pelas autoridades norte-americanas e pelos aliados, que dizem que os jatos são irrealistas porque exigem treino considerável e a Rússia tem um extenso leque de sistemas antiaéreos que poderiam facilmente abatê-los.

Quando questionado anteriormente se os EUA iriam fornecer F-16 à Ucrânia, o presidente Joe Biden respondeu com um "não" direto.

No início da guerra, os EUA também acreditavam que fornecer caças à Ucrânia poderia representar uma escalada entre a NATO e a Rússia.

Numa entrevista à ABC News em fevereiro, Biden disse que a Ucrânia "não precisa dos F-16 agora", apesar dos repetidos apelos públicos das autoridades ucranianas e da crescente pressão dos republicanos.

Autoridades norte-americanas e europeias disseram anteriormente à CNN que os caças F-16 eram impraticáveis nesta situação.

Na semana passada, a Alemanha excluiu por completo as entregas de caças à Ucrânia, enquanto responsáveis do governo britânico disseram acreditar que não era exequível enviar caças para a Ucrânia.

Os líderes holandeses e polacos também pareceram relutantes quando questionados sobre o envio de F-16.

Na terça-feira, o subsecretário de Defesa para a Política, Colin Kahl, disse ao Comité dos Serviços Armados da Câmara que demoraria 18 meses para treinar pilotos ucranianos para pilotar F-16 e argumentou que treinar pilotos durante esse período de tempo seria proibitivamente caro.

"É-me difícil dizer a qualquer membro do Congresso ou ao povo americano que a melhor utilização desse dólar gasto, neste momento, é nos F-16", disse Kahl.

A avaliação dos pilotos ucranianos foi noticiada pela primeira vez pela NBC News.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Mais Lidas

Patrocinados