Saiba tudo sobre o Euro aqui

Enquanto a Ucrânia prepara uma contraofensiva, a Rússia parece confusa

CNN , Análise de Nick Paton Walsh
2 mai 2023, 13:13
Soldados ucranianos perto de Bakhmut (AP)

A tão esperada contraofensiva da Ucrânia parece iminente - e a forma como cada lado se está a preparar diz muito sobre a sua prontidão.

As linhas da frente de Kiev estão a fervilhar de movimento de veículos e ataques de artilharia, com explosões regulares a atingir alvos russos vitais nas áreas ocupadas.

O seu ministro da Defesa afirmou que os preparativos estão "a chegar ao fim" e o presidente Volodymyr Zelensky garantiu que uma contraofensiva "vai acontecer", embora tenha hesitado em indicar uma data exata para o seu início.

Pode já ter começado; pode estar a semanas de distância. Não sabemos - e esse facto é uma forte medida do sucesso da Ucrânia neste início.

Moscovo, por outro lado, está na fase final da sua guerra. Depois de ter perdido Kharkiv e Kherson, teve pelo menos sete meses para preparar o próximo alvo provável do ataque ucraniano: Zaporizhzhia.

Isso aconteceu, com vastas redes de trincheiras que podem ser vistas do espaço. Este reconhecimento da sua enormidade não é necessariamente um elogio em 2023. São grandes, sim, mas também são algo que qualquer pessoa pode ver no Google. O que não é muito bom numa era de mísseis precisos e blindados rápidos.

Mas foram as últimas 72 horas que talvez mais tenham revelado a falta de prontidão da Rússia.

Primeiro, o aparente despedimento do vice-ministro da Defesa responsável pela logística, Mikhail Mizintsev. O Ministério da Defesa russo não explicou a sua demissão, limitando-se a emitir um decreto segundo o qual Aleksey Kuzmenkov ocupa agora o seu lugar.

 

Tropas ucranianas na linha da frente em Donetsk, a 24 de abril de 2023. Muhammed Enes Yildirim/Anadolu Agency/Getty Images

O "carniceiro de Mariupol", como Mizintsev é conhecido, teve certamente falhas suficientes durante a desastrosa guerra da Rússia para merecer o seu despedimento. Mas isso não responde à pergunta: porquê agora?

Ao demitir ministros importantes no momento em que o seu exército enfrenta o contra-ataque da Ucrânia, Moscovo envia uma mensagem de desordem.

E depois há a nova ronda de críticas de Yevgeny Prigozhin. O senhor da guerra, mercenário da Wagner, escolheu domingo para dar mais uma longa entrevista, na qual pôs a nu a dimensão dos problemas que os seus homens enfrentam.

De acordo com o líder da Wagner, os seus combatentes têm tão poucas munições que poderão ter de se retirar de Bakhmut - a cidade estrategicamente sem importância em que desperdiçaram milhares de vidas a tentar conquistar.

(Uma advertência: Prigozhin não é a fonte mais fiável e fornece poucas provas do que diz. Mas este tipo de discussão pública não é algo que Moscovo encoraje neste momento delicado).

A falta de provisões de munições da Rússia era conhecida há muito tempo, mas sugerir um fracasso iminente mesmo antes da contraofensiva parece ser uma grande tentativa de desviar as culpas.

O resultado final é que as horas que antecedem os movimentos da Ucrânia estão a diminuir. O que sabemos sobre o seu estado emocional, ou objetivo, é quase nulo. E a dimensão da indecisão interna, das rivalidades e da desunião de Moscovo só aumenta.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados