"Até à morte". Generais russos querem que comandantes "usem armas contra desertores"

4 nov, 09:37
Tropas russas na Ucrânia (AP Images)

Boletim do Ministério da Defesa do Reino Unido dá ainda conta que os generais russos querem que as posições táticas sejam mantidas "até à morte"

O último boletim do Ministério da Defesa do Reino Unido dá conta que, "dada a baixa moral e relutância em lutar", as forças russas terão começado a implementar as chamadas "unidades de bloqueio" para ameaçar os próprios soldados e obrigarem-nos a lutar na guerra na Ucrânia.

"Essas unidades ameaçam disparar contra os próprios soldados desertores para forçar ofensivas e foram usadas em conflitos anteriores pelas forças russas", lê-se na nota.

O boletim esclarece ainda que a ordem terá sido dada pelos generais russos aos comandantes, os mesmos que querem que as posições táticas sejam mantidas "até à morte".

"Recentemente, os generais russos queriam que os comandantes usassem as armas contra os desertores, incluindo autorizar disparos para matar esses militares depois de um aviso ter sido dado. Os generais quereriam também manter posições defensivas até à morte. A tática de atirar contra os desertores atestará a baixa qualidade, baixa moral e indisciplina das forças russas", pode ler-se no relatório divulgado esta sexta-feira.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro deste ano, mergulhando a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). 

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados