Acordo entre Turquia e Rússia aumenta alarme no Ocidente

6 ago, 17:43
Recep Tayyip Erdogan e Vladimir Putin (AP)

Há quem defenda sanções contra a Turquia, mas interesses económicos significativos levam a que sugestão não avance

O acordo feito pelos presidentes turco e russo está a alarmar as capitais ocidentais: esta sexta-feira, Recep Tayyip Erdoğan e Vladimir Putin acordaram o pagamento parcial do gás russo em rublos.

A cooperação económica está a preocupar o ocidente, que já alertou Erdoğan para o crescente risco do membro da NATO ser atingido por retaliação, caso ajude a Rússia a evitar sanções. Ao Financial Times, seis funcionários ocidentais adiantaram estar preocupados com a promessa feita esta sexta-feira por parte dos líderes turcos e russos de expandir a sua cooperação no comércio e energia após uma reunião de cerca de quatro horas, em Sochi. 

Os 27 estão a monitorizar a cooperação turco-russa "cada vez mais de perto", expressando preocupação de que a Turquia se esteja a tornar "cada vez mais" uma plataforma de comércio com a Rússia.

Se Washington já emitiu repetidos alertas sobre atingir países que ajudem a Rússia a evitar as sanções aplicadas, a União Europeia, por outro lado, tem sido mais cautelosa. Um alto funcionário ocidental sugeriu que os países retirassem empresas e bancos da Turquia caso Erdoğan cumpra os compromissos que estabeleceu na sexta-feira – uma ameaça altamente incomum contra um Estado-membro da NATO. O funcionário disse que as nações que impuseram sanções à Rússia poderiam agir contra Ancara levando as "empresas ocidentais a abandonar a Turquia ou a diminuir a relação com o país à luz do risco que seria criado pela Turquia ao expandir as suas relações com a Rússia”.

Esta sugestão foi, no entanto, rejeitada por vários membros ocidentais, que chegaram a questionar como seria possível avançar com a medida em termos práticos, uma vez que a Turquia está profundamente integrada no sistema financeiro ocidental e a marcas como a Coca-Cola, Ford, Bosch e BP têm operações de longa data e muitas vezes altamente lucrativas naquele país. “Existem interesses económicos muito significativos", adiantou ao Financial Times uma autoridade europeia. 

Lembre-se de que estas preocupações surgem um dia após Turquia e Rússia acordarem o pagamento parcial do gás russo em rublos.

“Na primeira fase, parte dos fornecimentos será paga em rublos. Esta é de facto uma nova fase, uma nova oportunidade, inclusive para o desenvolvimento das nossas relações monetárias e financeiras", disse o vice-primeiro-ministro da Rússia, Alexander Novak. 

Durante o encontro, o chefe de Estado russo agradeceu ao homólogo pelo papel desempenhado na negociação dos acordos para a exportação de cereais ucranianos, e disse que os europeus deveriam estar agradecidos a Erdogan pela construção do gasoduto TurkStream, “uma das mais importantes artérias de fornecimento de gás russo à Europa”.

Putin e Erdogan discutiram ainda a construção da central nuclear de Akkuyu, um projeto desenvolvido em conjunto pelos dois países e que deverá ser completado no próximo ano, e reiteraram o seu compromisso com a soberania, integridade territorial e unidade nacional da Síria e da Líbia.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados