Saiba tudo sobre o Euro aqui

Trump adota postura combativa em julgamento civil que ameaça império imobiliário

Agência Lusa , FM
6 nov 2023, 19:46
Donald Trump (AP)

“É realmente um julgamento muito injusto e espero que as pessoas vejam isso”, afirma Trump

O ex-presidente norte-americano Donald Trump adotou esta segunda-feira uma postura combativa e até ofensiva para se defender num tribunal de Nova Iorque, durante um julgamento civil de alto risco para o seu império imobiliário.

Num momento quase sem precedentes para a democracia norte-americana, e quando o magnata tenta regressar à Casa Branca, Trump compareceu pela primeira vez como testemunha num tribunal de Nova Iorque, acusado de ter inflacionado colossalmente o valor dos seus ativos imobiliários, como a Trump Tower, para conseguir, por exemplo, melhores empréstimos bancários.

O ex-presidente chegou poucos minutos antes do início da sessão, agendada para as 10:00 (hora local, 15:00 em Portugal continental), respondendo detalhadamente a cada pergunta feita pelo procurador Kevin Wallace, numa sala lotada do tribunal de Manhattan, onde prestou juramento, com a mão erguida.

Depois de duas horas, o tempestuoso bilionário acabou a lançar diversas investidas contra a procuradora-geral de Nova Iorque, Letitia James, que deu início ao caso e que classificou como “uma política mesquinha”, e contra o juiz Arthur Engoron.

“É realmente um julgamento muito injusto e espero que as pessoas vejam isso”, disse Trump, enquanto o juiz, com quem mantém uma má relação desde o início das audiências, em 02 de outubro, lhe pediu várias vezes para dar respostas mais curtas.

“Não estamos numa reunião política”, alertou o magistrado, que, desde a abertura do julgamento, já lhe aplicou duas multas, de cinco mil e 10 mil dólares (4.600  e 9.300 euros), por atacar o seu escrivão.

Neste caso, a procuradora-geral Letitia James, uma autoridade democrata eleita, abriu um processo civil contra membros da Trump Organization, acusando o magnata e os seus filhos mais velhos de terem sobrevalorizado os ativos do grupo - uma miríade de empresas que gerem arranha-céus, hotéis e residências de luxo ou campos de golfe - para obter melhores empréstimos bancários e condições de seguro mais favoráveis.

Ao chegar ao tribunal, Donald Trump, o grande favorito nas primárias republicanas para as eleições presidenciais de 2024, voltou a colocar-se como vítima de uma “guerra política” e de uma trama jurídica digna, segundo ele, de um “país do terceiro mundo e de Repúblicas das bananas".

Mas, dentro da solene sala de audiência do tribunal, Trump, de fato azul-marinho, com uma gravata a combinar, argumentou com os braços cruzados, discutindo o valor do seu império, como a sua opulenta residência em Mar-a-Lago, na Florida, e garantindo que os ativos estavam, pelo contrário, “subvalorizados” e que os bancos fizeram bons negócios ao emprestar-lhe dinheiro.

O magnata, que solidificou a sua carreira no ramo imobiliário antes de entrar na política e abalar as instituições americanas, destacou o valor da “marca Trump”. 

“Tornei-me Presidente [dos Estados Unidos] graças à minha marca”, disse, acrescentando: "É um julgamento louco”.

Esta é a primeira vez em mais de 100 anos que um ex-presidente é chamado a testemunhar em sua defesa num julgamento, desde Theodore Roosevelt na década de 1910.

Ao contrário dos outros quatro processos criminais em que é acusado, Donald Trump não enfrenta pena de prisão neste julgamento civil, mas as possíveis consequências para os seus negócios são elevadas e o caso já começou mal.

Ainda antes do início do julgamento, o juiz estimou que a Procuradoria-Geral do Estado de Nova Iorque apresentou “provas conclusivas de que, entre 2014 e 2021, os arguidos sobrevalorizaram os ativos” do grupo em 812 milhões a 2,2 mil milhões de dólares (756 milhões a 2,1 mil milhões de euros), dependendo do ano, nos valores registados nas demonstrações financeiras anuais de Donald Trump.

Como resultado de “repetidas fraudes”, o magnata republicano poderá perder o controlo de parte do seu império imobiliário, numa decisão que ainda aguarda recurso.

Este julgamento é apenas um dos primeiros testes legais que Donald Trump enfrentará. O candidato republicano deve comparecer no tribunal federal de Washington, por exemplo, a partir de março de 2024 pelas suas supostas tentativas de reverter o resultado das eleições de 2020.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Mais Lidas

Patrocinados