Julgamento da morte de Ahmaud Arbery termina com três homens condenados a prisão perpétua por crime racista

Agência Lusa , NM
7 jan, 21:33
Travis McMichael, Gregory McMichael e William Bryan no julgamento da morte de Ahmaud Arbery
Travis McMichael, Gregory McMichael e William Bryan no julgamento da morte de Ahmaud Arbery

Travis McMichael, de 35 anos, autor dos disparos fatais, e o seu pai, Gregory McMichael, de 66 anos, ficam sem possibilidade de liberdade condicional, William Bryan, de 52, que participou no crime, filmando-o, poderá ser libertado após 30 anos

PUB

Três norte-americanos brancos foram esta sexta-feira condenados a prisão perpétua pelo assassínio do jovem negro Ahmaud Arbery, morto a tiro enquanto fazia desporto, em fevereiro de 2020, no sul dos Estados Unidos.

Travis McMichael, de 35 anos, autor dos disparos fatais, e o seu pai, Gregory McMichael, de 66 anos, foram condenados a prisão perpétua, sem possibilidade de liberdade condicional.

PUB

Já o vizinho destes, William Bryan, de 52, que participou no crime, filmando-o, foi condenado a prisão perpétua com a possibilidade de requerer liberdade condicional após 30 anos de prisão.

Travis McMichael (à esquerda), Gregory McMichael (ao centro) e William Bryan (à direita).

 

Ahmaud Arbery, de 25 anos, foi abatido em 23 de fevereiro de 2020, quando corria num bairro residencial de Brunswick (Geórgia), por três homens que alegaram tê-lo confundido com um ladrão ativo no bairro.

O juiz do Supremo Tribunal da Geórgia, Timothy Walmsley, pediu antes da leitura da sentença para que fosse respeitado um minuto de silêncio para “representar uma fração do tempo que Ahmaud Arbery esteve a correr em Satilla Shores”, que foi de cinco minutos, enquanto foi perseguido.

PUB
PUB
PUB

“Quando penso sobre isto. Penso de vários ângulos e continuo a revisitar o terror que se terá instalado na mente daquele jovem”, acrescentou, citado pela agência EFE.

Os pais e a irmã de Arbery também intervieram na audiência, que durou cinco horas, e pediram pena máxima para os três homens presentes na sala.

A mãe da vítima, Wanda Cooper Jones, salientou que os culpados "não demonstraram remorsos e não mereciam misericórdia".

"Não foi um caso de confusão de identidade ou erro factual. Eles decidiram atacar o meu filho porque não o queriam na sua comunidade. Eles optaram por tratá-lo de forma diferente de outras pessoas que visitam a sua comunidade com frequência e, como não conseguiram assustá-lo o suficiente, mataram-no”, vincou.

As palavras da mãe de Arbery foram citadas pelo próprio juiz quando leu a sentença.

Em 24 de novembro, um júri composto por doze pessoas, quase todas brancas e apenas um negro, considerou os três réus culpados pelo homicídio de Arbery.

McMichael e Bryan envolvidos noutro julgamento por crimes de ódio

PUB
PUB
PUB

Além deste processo judicial, McMichael e Bryan enfrentam outro julgamento federal por terem cometido crimes de ódio e por tentativa de sequestro, que está previsto começar em fevereiro.

À porta do tribunal esteve reunida uma multidão de manifestantes que comemoraram a sentença.

Embora a Constituição dos Estados Unidos proíba julgar a mesma pessoa duas vezes pelo mesmo crime, o Supremo Tribunal autoriza desde 1847 processos distintos pela justiça federal e a do estado, por se tratar “de entidades soberanas” diferentes.

Na verdade, é muito raro que ocorram dois julgamentos, porque quando uma condenação é pronunciada por um dos dois sistemas, o outro perde geralmente o interesse.

Mas isso permite aumentar a pressão em casos delicados ou retomar um caso após uma absolvição ou uma não-pronúncia. Assim, nos anos 1960, a justiça federal processou vários brancos absolvidos do assassínio de negros pela justiça de estados segregacionistas, no sul dos Estados Unidos.

Em 2020, o nome de Ahmaud Arbery ressoou pelos Estados Unidos nas enormes manifestações contra a violência sobre os negros, juntamente com os de George Floyd, sufocado por um polícia branco em Minneapolis, e de Breonna Taylor, morta a tiro pela polícia no seu apartamento em Louisville.

PUB
PUB
PUB

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados