Atletas transgénero proibidas de participar em jogos internacionais de râguebi feminino

CNN , Matias Grez
22 jun, 12:31
Alexia Cerenys, jogadora transgénero de râguebi (GAIZKA IROZ/AFP via Getty Images)

O organismo que rege o râguebi proibiu as mulheres transgénero de jogarem em jogos internacionais femininos até novo aviso.

A Liga Internacional de Râguebi (IRL) junta-se a uma crescente lista de órgãos sociais que restringiram recentemente atletas transgénero de homens para mulheres de competir em divisões femininas, incluindo a Federação Internacional de Natação (FINA) e a União Ciclista Internacional (UCI).

Em comunicado, a IRL diz que está a "continuar o trabalho de revisão e atualização das regras" e vai "procurar usar o próximo Campeonato do Mundo para ajudar a desenvolver uma política de inclusão abrangente".

A proibição entrará em vigor no Campeonato do Mundo de Râguebi, que começa em Inglaterra no dia 15 de outubro.

"Até que sejam concluídas novas investigações para permitir à IRL implementar uma política formal de inclusão de transgéneros, os jogadores homens para mulheres (mulheres trans) não podem jogar em jogos de râguebi internacional feminino sancionados", pode ler-se no comunicado.

"Ao chegar a esta posição, a IRL, que reviu pela última vez a participação transgénero na Liga Internacional de Râguebi entre janeiro e fevereiro de 2021, considerou vários desenvolvimentos relevantes no desporto mundial. Não menos importante foi a publicação pelo COI do seu Quadro de novembro de 2021 sobre Equidade, Não Discriminação e Inclusão com base na identidade de género e variações sexuais.

"O COI concluiu que cabe a cada desporto e ao seu órgão dirigente determinar como um atleta pode ter uma vantagem desproporcional em relação aos seus pares - tendo em conta a natureza diferente de cada desporto."

A mulher transgénero Caroline Layt, que jogou na elite da liga feminina de râguebi na Austrália após a transição, disse à Reuters que "é uma desilusão". "Somos seres humanos como todos os outros.”

"Só diz a crianças trans e adultos trans que não são dignos. Nem se deem ao trabalho. Nem se macem em aparecer. Para quê?"

A decisão em questão do COI levou inúmeros órgãos sociais a implementarem novos quadros de participação em termos de género nos seus desportos nos últimos meses.

Embora as novas regras da IRL prevejam a proibição generalizada de atletas transgénero de homens para mulheres de competirem em divisões femininas, a FINA e a UCI desenvolveram políticas detalhadas que restringem a participação.

No domingo, a FINA aprovou a sua nova política de "inclusão de género", que diz que os atletas transgénero de homens para mulheres só poderão competir nas categorias femininas nas competições da FINA se tiverem feito a transição antes dos 12 anos ou antes de chegarem à segunda fase da puberdade na escala de Tanner.

A política também diz que os atletas que já usaram testosterona como parte do tratamento hormonal de afirmação do sexo feminino para masculino só serão elegíveis para competir em competições femininas se a testosterona for usada durante menos de um ano no total, se o tratamento não tiver ocorrido durante a puberdade e se os níveis de testosterona no soro forem reduzidos aos níveis de pré-tratamento.

Em resposta à decisão da FINA, o COI emitiu um comunicado na segunda-feira à CNN onde diz que "os desportos nos Jogos Olímpicos são regidos pelas Federações Internacionais (FI)".

E prosseguiu: "No que diz respeito aos critérios de elegibilidade para a competição segregada por sexo, o Quadro oferece orientações às FI sem ser obrigatório. A anterior Declaração de Consenso publicada pelo COI sobre o tema da elegibilidade para atletas trans e atletas com variações sexuais em 2015 também não era vinculativa para as FI."

"O COI considera que os organismos desportivos estão bem posicionados para definir os fatores que contribuem para a vantagem de desempenho no contexto do seu próprio desporto. Estão também bem posicionados para determinar o limiar em que uma vantagem pode tornar-se desproporcionada, elaborar critérios relevantes e desenvolver os mecanismos necessários para compensar a vantagem desproporcionada quando se determina estar presente."

Em declarações à BBC, o presidente da World Athletics, Lord Coe, disse que o desporto pode seguir o mesmo caminho que a FINA tomou para limitar a participação.

Entretanto, a UCI disse na semana passada que aumentou o período de transição para a testosterona mais baixa de 12 meses para dois anos e reduziu para metade o nível máximo de testosterona.

A liga de râguebi difere da união do râguebi nas suas regras e também tem um órgão dirigente diferente.

No ano passado, o World Rugby, órgão dirigente da União de Râguebi, disse que não recomendava que as mulheres transgénero jogassem râguebi de contacto feminino "por razões de segurança a nível internacional do jogo". No entanto, o conselho do órgão dirigente não era vinculativo e permitia que as federações nacionais implementassem a sua própria política de base.

Na sua declaração desta terça-feira, a IRL disse que no "interesse de evitar o risco social, jurídico e reputacional desnecessário para as competições da Liga Internacional de Râguebi, e para aqueles que nela competem", era necessária mais investigação antes de finalizar uma política mais detalhada.

"A IRL reafirma a sua convicção de que a liga de râguebi é um jogo para todos e que qualquer um pode jogar o nosso desporto", refere o comunicado.

"É da responsabilidade da IRL equilibrar o direito do indivíduo a participar - um princípio de longa data da liga de râguebi e no seu âmago desde o dia em que foi estabelecido - contra o risco percebido para outros participantes, e garantir que todos recebem uma audição justa. A IRL continuará a trabalhar no desenvolvimento de um conjunto de critérios, com base na melhor evidência possível, que equilibrem de forma justa o direito do indivíduo a jogar com a segurança de todos os participantes."

A IRL diz que vai procurar trabalhar com as oito equipas que competem no Campeonato do Mundo de Râguebi Feminino para obter dados que ajudarão a moldar uma política de participação transgénero em 2023.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Desporto

Mais Desporto

Patrocinados