Número de vítimas de tráfico humano na África subsaariana diminuiu

Agência Lusa , HCL
24 jan, 00:44
Crianças em África

Em comparação com outras regiões de tráfico transfronteiriço, as vítimas da África subsaariana são detetadas num número crescente de países, tanto dentro como fora da região de origem

O número de vítimas de tráfico humano detetadas na África subsaariana diminuiu ligeiramente em 12% entre 2019 e 2020, refere o Relatório Global sobre Tráfico de Pessoas das Nações Unidas, relativo a 2022 e divulgado.

Segundo o documento, elaborado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC, na sigla em inglês), as crianças continuam a representar a maioria das vítimas detetadas e se a elas se juntar as mulheres, o total de vítimas destes dois grupos populacionais traficados na África subsaariana é de 62%.

“Entre 2019 e 2020, a taxa de vítimas infantis por 1.000.000 habitantes aumentou 43%”, todavia, detalha o relatório, “são detetadas menos vítimas por 100.000 habitantes do que noutras partes do mundo”.

“Embora a exploração sexual seja historicamente uma forma de exploração noutras regiões que registam maioria de vítimas do sexo feminino, o trabalho forçado continua a ser a forma mais comum de tráfico detetada na África subsaariana, particularmente nos países da África Oriental, em que o tráfico para trabalho forçado representou 80% da forma de exploração para o total de vítimas registado em 2020”, aponta o relatório.

Segundo o relatório, 85% das vítimas detetadas em 2020 foram traficadas domesticamente e nas situações em que foram detetadas vítimas estrangeiras, a maioria era traficada dentro da região de outros países da África subsaariana, particularmente de países da África Oriental e Austral.

“Os relativamente poucos fluxos de longa distância para a África subsaariana são originários principalmente do sul e leste da Ásia. No entanto, os fluxos da África subsaariana são muito mais variados e extensos. A maioria que é traficada fora da região é detetada em países do norte de África e do Médio Oriente Médio e na Europa”, destaca o documento.

Embora os homens representem a parcela dominante dos traficantes acusados na África subsaariana, as mulheres são condenadas numa grande proporção (44%).

“Em 2020, em cada dez pessoas acusadas, duas eram mulheres. Ainda, no mesmo período, por cada dez pessoas condenadas, quatro eram mulheres”, detalha.

No texto de apresentação do relatório, a diretora-executiva do UNODC, Ghada Waly explica que o documento, que vai na sua sétima edição, “visa chamar a atenção para um problema partilhado e impulsionar a ação contra esse crime, fornecendo aos atores políticos e profissionais as informações e análises que necessitam para ajustar respostas e melhorar a prevenção”.

“Pela primeira vez, o relatório também apresenta contribuições de jovens académicos como parte dos esforços do UNODC para apoiar a próxima geração de investigadores e construir novas ligações para apoiar soluções eficazes”, acrescenta.

Ghada Wally vinca que não se pode permitir que um “crime imoral” como é o tráfico humano “seja encarado com indiferença e impunidade”.

“Aproveitemos esta oportunidade para redobrar o nosso compromisso e juntar comunidades e governos, forças da autoridade, saúde e serviços sociais, escolas, sociedade civil, universidades, ONU e todos os parceiros para fortalecer a resiliência contra a exploração e acabar com o tráfico de pessoas de uma vez por todas”, conclui.

África

Mais África

Patrocinados