Depois da tragédia do Texas, não é hora de rezar. É hora de legislar (Opinião)

CNN , Opinião de James Moore
25 mai, 17:37
Tiroteio em escola do Texas (CNN)

James Moore é analista político, autor e consultor de comunicação empresarial que escreve sobre a política do Texas desde 1975. É o fundador da Big Bend Strategies e publica regularmente na “Texas to the World”. As opiniões expressas neste comentário são exclusivamente do autor.

 

Os tiroteios em massa tornaram-se tão comuns nos EUA que desenvolvemos uma patologia sobre como reagir. As famílias prejudicadas que perderam alguém que amavam são os destinatários de pensamentos e orações. A aplicação da lei é elogiada por impedir que a tragédia se torne ainda mais horrível. É oferecido aconselhamento aos sobreviventes. Os políticos vêm à cidade expressar a sua simpatia e indignação, e prometem que a comunidade recuperará e permanecerá "forte no Texas" ou "forte em Sandy Hook" ou "forte em Parkland".

Mas nada acontece para impedir outro tiroteio.

Nós rezamos. Mas não legislamos. E a oração claramente não está a parar a matança. Em todas as declarações que virão de políticos conservadores depois do tiroteio mortal de terça-feira na Robb Elementary School, em Uvalde, Texas, onde 19 crianças e dois adultos foram mortos, não espere ouvir sequer uma voz solitária a sugerir a reforma [da lei] das armas. A Segunda Emenda [da Constituição dos Estados Unidos] é sempre tratada como sendo mais importante do que a vida das crianças. Palavras como "mal" e "incompreensível" e "horrível" serão atiradas por aí e, como nos pediu o senador republicano Ted Cruz do Texas, seremos encorajados a "unir-nos como nação". Mas suspeito que nós - ou alguns de nós - já o fizemos. Alguns de nós reunimo-nos e decidimos que nenhum horror causado por armas pode ser pior do que restringir o acesso a armas.

O governador do Texas, Greg Abbott, um republicano muito conservador, colocou-se à frente das câmaras de televisão na terça-feira e disse: “Quando os pais deixam os seus filhos na escola, têm toda a expectativa de saber que poderão ir buscá-los quando o dia escolar acabar”. O governador deveria ser questionado como pode um pai ter essa garantia quando ele mesmo já disse que estava chateado porque os seus eleitores não estavam a comprar armas suficientes.

"Estou ENVERGONHADO", tweetou Abbott em 2015. "Texas número 2 no país em compras de armas novas, atrás da CALIFÓRNIA. Vamos acelerar o ritmo, texanos".

Ele ajudou o seu estado a competir naquele concurso de compra de armas com a Califórnia. No ano passado, Abbott sancionou orgulhosamente o que chamou de projeto de lei de "porte constitucional", que permitia que qualquer pessoa com mais de 21 anos carregasse uma arma sem obter licença, e fez isso após o assassinato em massa de El Paso em 2019. Há sempre a premissa falhada de que mais armas tornarão provável que um assassino seja detido por uma delas. Antes de Abbott assinar a medida, era necessário uma licença de porte de arma que requeria impressões digitais, quatro a seis horas de treino, um exame escrito e um teste de proficiência em tiro.

Mas isso acabou. As armas no Texas venceram. Os regulamentos e reforma foram perdidos. Nem foi um concurso real. O governador Abbott é rápido, no entanto, em proibir livros que ofendam as suas sensibilidades políticas, mas a posse de armas não pode ser restringida.

No entanto, quando o presidente Joe Biden falou horas depois da tragédia de Uvalde, as suas palavras foram iradas, embora principalmente aspiracionais, porque ele conhece a realidade política que confronta os defensores da reforma das armas. Tudo o que ele tem agora são palavras, os seus oponentes têm os votos. Um projeto de lei para expandir a verificação de antecedentes de compradores de armas foi aprovado na Câmara dos Representantes dos EUA há dois anos, mas não há nem de longe o número de “sins” no Senado para levá-lo à mesa do Presidente.

"Como nação", disse Biden, "temos de perguntar quando, em nome de Deus, vamos enfrentar o lobby das armas. Quando, em nome de Deus, faremos o que sabemos o que deve ser feito... Estou farto e cansado disso. Temos de agir e não me digam que não podemos produzir um impacto nesta carnificina."

Biden sublinhou que a proibição anterior de armas de assalto reduziu os assassinatos em massa, mas quando foi revogada, disse, eles triplicaram. E disse que o público e os políticos precisam de ser encorajados a enfrentar a indústria de armas e que se perguntou, durante o seu voo de 17 horas para casa da Ásia, porque os EUA são a única nação do mundo que lida com incidentes recorrentes de tiroteios em massa.

"Esses tipos de tiroteios em massa raramente acontecem noutras partes do mundo", afirmou. "Mas eles têm problemas de saúde mental. Eles têm pessoas que estão perdidas... Porque estamos dispostos a deixar isto acontecer? Onde, em nome de Deus, está nossa a coluna vertebral? É hora de transformar esta dor em ação."

Essas outras nações não têm lobbies de armas?

Os defensores dos direitos das armas parecem ter planos, enquanto os reformadores lutam contra um poderoso lobby dos fabricantes, a National Rifle Association, e com a definição sobre o quanto mais regulamentação será regulamentação demais.

Não é preciso destruir a Segunda Emenda para salvar o nosso país. A Constituição é um documento vivo. Talvez precise de ser temperada para estes tempos e ajustada de um contexto de 1776 para uma era em que há computadores que podem conversar entre si e armas que podem disparar um número surpreendente de tiros. Não há uma lei que possa ser escrita para ordenar que bases de dados estaduais e federais de saúde mental e registos criminais e compras de armas podem interagir e partilhar informações? Não somos inteligentes o suficiente, como cultura, para encontrar uma linguagem que proteja os nossos direitos fundamentais e os nossos filhos?

A era dos tiroteios em massa em que vivemos provavelmente começou no Texas no 1º de agosto de 1966, quando um atirador escalou a torre da Universidade do Texas com uma espingarda de alta potência e começou a disparar sobre as pessoas que caminhavam pelo campus. Charles Whitman matou 16 pessoas naquele dia brilhante de verão, depois de já ter assassinado a sua mulher e a sua mãe. O incidente foi o primeiro a acontecer a ser transmitido ao vivo para a cidade horrorizada de Austin. Desde então, os texanos viram certas cidades ganharem notoriedade por motivos obscuros. Assassinatos em massa em Sutherland Springs e El Paso e Santa Fe e Midland-Odessa e Dallas e o tiroteio na cafeteria em Killeen e um assassinato em massa em Fort Hood. A lista completa é ainda maior.

É difícil negar que os horrores começaram aqui. Que este seja o momento e o lugar que cria a vontade política para que o Texas seja o lugar onde tudo chega ao fim.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados