O 'fantasma sexual do Tinder' foi detido em Madrid

3 nov, 12:31
Polícia espanhola

Homem detido tem uma doença de pele crónica que lhe afeta o rosto - este facto dificultou a sua identificação pelas autoridades

A Polícia Nacional deteve no município de Móstolesem Madrid, um homem de 43 anos suspeito de ter violado uma mulher e de ter abusado de pelo menos outras nove em encontros às escuras. 

De acordo com o El Mundo, o agressor utilizava o Tinder para contactar as vítimas e criava perfis com fotos falsas. A proposta era sempre a mesma: encontros em locais sem luz. O objetivo, dizia, era "manter um contacto sensorial que aumentasse os sentidos e deixar-se levar". Mas, na verdade, este homem tem uma doença de pele crónica que lhe afeta o rosto e não queria que estas mulheres o vissem. 

Isto dificultou bastante o trabalho de investigação das autoridades porque não conseguiam identificar de forma clara o suspeito. No momento da detenção foram apreendidos dois telemóveis que tinham mais de 400 contactos.

Este homem, também conhecido como 'fantasma sexual do Tinder', tentava primeiro estabelecer uma relação de confiança com as vítimas e quando marcava o encontro estabelecia algumas condições. O local tinha de ser de confiança e completamente escuro. Sugeria sempre hotéis ou a casa destas mulheres, nunca em casa dele ou no município onde morava. Uma vez escolhido o local, abusava sexualmente das vítimas, chegando mesmo a agredir algumas delas. 

No caso dos hotéis, o suspeito dizia às vítimas que pagava o valor total do quarto e depois estas transferiam metade desse dinheiro. No entanto, em muitos casos, cancelava o encontro e ficava com o dinheiro. 

A investigação começou em fevereiro deste ano, depois de uma mulher ter denunciado às autoridades que tinha sido abusada duas vezes por um homem dentro da própria casa. Contou que foi este que entrou em contacto com ela, quis marcar um encontro com regras muito rígidas e tentou sempre esconder o rosto. 

A chave da investigação para as autoridades foi precisamente as condições que este homem impunha. Mesmo sem mais denúncias, a polícia nunca acreditou que fosse um caso isolado. Por isso, foi fazendo uma investigação minuciosa e acabou por conseguir localizar mais duas vítimas. Depois de cometer o crime, o agressor bloqueava o contacto das vítimas para que estas não o pudessem contactar ou identificar.

As autoridades, através dos dois telemóveis apreendidos, perceberam que havia mais de 400 perfis bloqueados. Contactaram cada uma destas mulheres e conseguiram que pelo menos sete denunciassem os seus casos. 

A este homem de nacionalidade espanhola não lhe é conhecida nenhuma atividade profissional, mas sabe-se que já tinha sido detido em 2018 pelo crime de abuso sexual. A investigação continua em aberto porque as autoridades acreditam que possam existir muitas mais vítimas. 

Europa

Mais Europa

Patrocinados