Quem é quem, o que se sabe, o que não se sabe, as polémicas e quem não vai gostar: The Crown voltou 👑👑👑

6 nov, 12:00

A penúltima temporada da série assinada por Peter Morgan deixou o Reino Unido em alvoroço e foi obrigada a ter avisos de que (afinal) qualquer semelhança com a realidade é pura ficção. Está quase a estrear-se em Portugal

A penúltima temporada da série da Netflix "The Crown" tem estreia marcada para dia 9 de novembro mas, nas últimas semanas, tem sido destaque na imprensa, principalmente britânica, pela polémica que promete trazer. Isto porque a próxima temporada vai mostrar as "fissuras" da família real britânica ao abordar uma das décadas mais conturbadas - a década de 90 - e muitas são as vozes que se têm mostrado contra o que vai ser mostrado na série de ficção. 

Perante tanta polémica gerada em volta da penúltima temporada que ainda nem se estreou, os criadores da série atenderam aos pedidos e juntaram um aviso de que se trata de uma série de ficção.  "Inspirado em eventos reais, este drama de ficção conta a história da rainha Isabel II e os episódios políticos e pessoais que marcaram o seu reinado", lê-se na legenda do vídeo no Youtube. Um aviso que deverá ser repetido na Netflix.

No entanto, os atores que dão vida aos membros da família real mostraram-se desagradados pelas críticas, que subiram de tom com a morte da rainha em setembro. Em entrevista ao Deadline, Jonathan Pryce, que dá vida ao duque de Edimburgo, mostrou-se “amargamente desapontado” que alguns "colegas artistas" tenham criticado publicamente a série e tenham exigido que a mesma tivesse um aviso sobre o facto de ser ficcional.

Imelda Staunton e Jonathan Pryce como rainha Isabel II e duque de Edimburgo [Foto Netflix/Reprodução]

“A maioria das pessoas sabe que é um drama. Estão a ver a série há quatro temporadas", afirmou Pryce, lembrando que os ataques aumentaram "por causa de uma sensibilidade aprimorada depois da morte da rainha".

Também Imelda Staunton, que dá vida à rainha Isabel II nesta temporada, lembrou que os atores que estão na série aceitaram os papéis e não consideram que a mesma "seja indigna".

"Pensamos que é honesta, verdadeira e respeitosa. O Peter Morgan tem escrito sobre a rainha desde a Helen Mirren. Ele obviamente adora esta família de várias maneiras e mostrará os dois lados das personagens, para o bem ou para o mal. Vai mostrá-los e não fará nenhum julgamento, deixará isso para o público", afirmou Imelda, que defende a série de forma veemente.

Uma série que vai retratar agora os anos mais duros da família real britânica e da qual já se levantou quase todo o véu. Mas, afinal, o que já se sabe?

Quem é quem

À semelhança das temporadas 1 e 3, o elenco da série é totalmente novo dado o avanço da história. Como já foi referido, Imelda Staunton dá vida à rainha Isabel II, substituindo Olivia Colman (que substituiu Claire Foy) e confessou estar "honrada" por se juntar a "The Crown", série que acompanha "desde a estreia". A seu lado tem Jonathan Pryce, que dá vida ao duque de Edimburgo e que substitui Tobias Menzies (que substituiu Matt Smith). 

O papel de princesa Margarida, que nas temporadas 3 e 4 coube a Helena Bonham Carter, foi entregue a Lesley Manville, que afirmou que será uma "grande alegria" dar vida à irmã da rainha Isabel II.

Elizabeth Debicki, Imelda Staunton e Dominic West como princesa Diana, rainha Isabel II e príncipe Carlos [Foto Netflix/Reprodução]

Emma Corbin, que na temporada 4 deu vida à princesa Diana, entregou o papel a Elizabeth Debicki, uma das protagonistas da nova temporada (já lá iremos) da "série magistral" que acompanha de forma "viciada desde o primeiro episódio". 

Já Dominic West substitui Josh O'Connor como príncipe Carlos, enquanto Olivia Williams substitui Emerald Fennell como Camilla Parker Bowles.

Timothee Sambor e Senan West (filho de Dominic West) dão vida ao príncipe William: enquanto Timothee interpretará o filho mais velho dos príncipes de Gales na maior parte da série, Senan aparecerá no final. Já o príncipe Harry será interpretado por Teddy Hawley.

Jonny Lee Miller será o primeiro-ministro John Major, o antigo chefe de Governo que já esteve envolvido em polémica antes de a série se estrear. Já o papel de Dodi Al-Fayed foi entregue a Khalid Abdulla, enquando Humayun Saeed dará vida a Dr. Hasnat Khan, o médico que terá sido namorado da princesa Diana.

O que se sabe

A temporada 5 vai retratar a década de 90, altura da celebração dos 40 anos de ascensão ao trono, um tempo considerado turbulento para a rainha e para os membros da família real. 

De acordo com a Vogue, os acontecimentos do annus horribilis podem ser vistos já a partir de dia 9 de novembro, até porque no trailer oficial da temporada é feita referência ao discurso de 1992 da rainha e aparecem ainda imagens do incêndio que destruiu uma das alas do castelo de Windsor, assim como dos escândalos e do fim do casamento dos príncipes Carlos e Diana.

Segundo a Netflix, a temporada vai ainda retratar a relação da rainha com o primeiro-ministro John Major.

As polémicas

Apesar de já se saber qual a década que a série vai tratar, tem sido o facto de The Crown abordar o divórcio dos príncipes de Gales que mais tem gerado polémica no Reino Unido e no seio da família real, até porque a série irá abordar não só a separação dos príncipes como também a traição do príncipe Carlos com Camilla Parker Bowles, a entrevista da princesa Diana a Martin Bashir e que foi transmitida pela BBC (pela qual a emissora pediu desculpa à família e nunca mais será emitida), assim como as perseguições por paparazzi de que a princesa de Gales foi alvo. 

Outro dos momentos que é certo que estará na nova temporada é aquele em que, após a separação, a princesa Diana usou o "vestido da vingança", em junho de 1994, na festa da Vanity Fair, no dia em que o príncipe Carlos dava uma entrevista, em canal aberto, em que admitia o affair com Camilla Parker Bowles. O vestido, preto, curto e justo, era considerado não adequado para uma princesa e fez manchete em vários jornais. 

Elizabeth Debicki na série (à esquerda) e princesa Diana em 1994 (à direita) [Netflix/Getty Images]

Outro dos momentos apontados como polémico é aquele em que Mohamad Al-Fayed e o filho Dodi foram apresentados à princesa Diana e à rainha Isabel II, em que o Deadline descreve como "capaz de fazer o rei Carlos atirar ovos cozidos à parede".

A nova temporada de "The Crown" vai ainda abordar um alegado romance entre Penny Knatchbull e o duque de Edimburgo (que morreu há um ano e meio). A socialite, de 69 anos, é casada com um sobrinho do príncipe Phillip e ao longo de várias décadas manteve uma relação muito próxima e cúmplice com o marido da rainha Isabel II. Os rumores de adultério são antigos e o príncipe Phillip chegou mesmo a desmenti-los. No entanto, as insinuações só acalmaram quando Penny e a rainha Isabel II se tornaram amigas, com Knatchbull a ser a única pessoa fora da família real convidada para assistir ao funeral do príncipe e a estar presente nas cerimónias do último adeus à rainha.

Citada pelo The Telegraph, uma amiga de longa data de Isabel II e do duque de Edimburgo garante que as insinuações "são um disparate cruel".

Polémicas da próxima temporada

É certo que a temporada cinco está envolta em polémica e que o aproximar da atualidade pode fazê-la adensar, até porque em 1997 acontece um dos momentos que mais marcaram a monarquia britânica e que mais preocupação tem gerado sobre como vai ser tratado pela série: a morte da princesa Diana. A mãe dos príncipes William e Harry morreu a 31 de agosto de 1997 num acidente no túnel da Ponte das Almas, tal como o namorado Dodi Al-Fayed, quando já estava divorciada do príncipe Carlos. 

Apesar de o momento só ir fazer parte da sexta temporada, a divulgação das imagens das filmagens da perseguição dos paparazzi pelas ruas de Paris gerou polémica e levantou questões sobre como é que o assunto iria ser tratado na última temporada de The Crown. Em comunicado, a Netflix garantiu que “o exato momento do acidente não vai ser exibido na série". No entanto, ao Deadline fonte da produção revelou que "temiam chegar a este ponto" da história. 

"A contagem decrescente é de duas semanas e, enquanto continuamos calmamente, é justo reconhecer que há uma certa ansiedade; uma sensação palpável de estarmos um pouco no limite."

Imagens das filmagens da série em Paris a 26 de outubro [Getty Images]

Mas se o momento do acidente não foi filmado, surgiram já imagens das filmagens do funeral, em que os príncipes surgem a caminhar atrás do caixão. No entanto, a Netflix ainda não se pronunciou.

O que não se sabe

Sabe-se já que a série termina antes da morte da princesa Diana, em 1997, ano em que a rainha Isabel II também celebrou as bodas de ouro com o duque de Edimburgo. Não se sabe, no entanto, se esse momento vai ser retratado na série. 

Também os divórcios do príncipe Andrew e da princesa Anne, assim como o escândalo das fotos de Sarah Ferguson em topless em agosto de 1992 em França que fizeram capas de vários jornais, marcaram a década. No entanto, não se sabe se ou como são abordados por The Crown.

Outros dos eventos que podem ser incluídos na quinta temporada são a visita de estado do presidente Nelson Mandela e a tomada de posse de Tony Blair como primeiro-ministro, em 1997.

Quem não vai gostar da série

Até agora, a família real nunca teceu comentários sobre qualquer um dos programas da Netflix. A política de longa data tem sido não comentar retratos ficcionais dos Windsor. Mas, de acordo com o Deadline, o príncipe William mostrou-se consternado com o episódio da próxima temporada que retrata a entrevista da mãe a Martin Bashir, na qual a princesa Diana fez revelações sobre o seu casamento e condenou a relação do príncipe Carlos com Camilla Parker Bowles.

Olivia Williams e Dominic West como Camilla Parker Bowles e príncipe Carlos [Foto: Netflix/Reprodução]

Em setembro, aquando a morte da rainha Isabel II, a Netflix anunciou que a primeira temporada da série tinha voltado a entrar no top 10 da plataforma, com 17,6 milhões de horas de exibição. Criada por Peter Morgan, “The Crown” já arrecadou 11 prémios nos Emmy Awards, incluindo Melhor Série de Drama em 2021. 

Só entre 9 e 11 de setembro, de acordo com dados da Whip Media citados pela Variety, as audiências da série aumentaram 800%. 

A próxima temporada

Inicialmente, a série assinada por Peter Morgan terminaria na temporada cinco. No entanto, a última temporada será a sexta, que já começou a ser filmada e cuja rodagem deve decorrer até maio ou junho do próximo ano.

“Quando começámos a discutir as histórias da quinta temporada, ficou logo claro que, para fazer justiça à riqueza e complexidade da história, deveríamos voltar ao plano original e fazer seis temporadas. Para ficar claro, a temporada seis não nos vai aproximar da atualidade, simplesmente vai permitir contar o mesmo período com mais detalhes”, afirmou Peter Morgan em julho de 2020.

Sem data de estreia anunciada, sabe-se apenas que vai retratar o final dos anos 90 e o início dos anos 2000, tendo já sido escolhidos os atores que vão dar vida ao jovem príncipe William, assim como a atriz que interpretará Kate Middleton. William será interpretado por Rufus Kampa e Ed McVey e caberá a Meg Bellamy dar vida a Kate. Quanto ao príncipe Harry, ainda não há ator escolhido.

Relacionados

Séries

Mais Séries

Patrocinados