Suspeito de terrorismo libertado em Lisboa acaba capturado por rapto

19 out, 13:01

Vítima do rapto foi brutalmente agredida com uma exigência de resgate a rondar os 5 mil euros

O nome de Iqbal Singh, conhecido por "Shera", é considerado na Índia sinónimo de terror - pela associação ao maior grupo insurgente do Paquistão de cariz islâmico que tem por objetivo conquistar a região de Caxemira. Responde no seu país por terrorismo, associação criminosa e tráfico de heroína, mas, apanhado em Loures em julho do ano passado, foi libertado pelo Tribunal da Relação três meses depois. Gozava há um ano de liberdade na grande Lisboa, até que esta terça-feira à noite foi preso pela Polícia Judiciária, com três cúmplices, pelo rapto violento de um homem com exigência de resgate, apurou a CNN.

A investigação é da Unidade Nacional de Contraterrorismo da PJ, que nunca perdeu o rasto a Iqbal Singh. Procurado na Índia, com mandado de captura internacional, foi detetado em Loures quando pediu uma autorização de residência com recurso a um passaporte falso. Acabou identificado, detido e em prisão preventiva a aguardar uma decisão do Tribunal da Relação, que chegou em outubro de 2021: Portugal não o extraditaria, uma vez que a Índia não dava garantias consideradas suficientes de que o suspeito não seria sujeito a pena de morte ou prisão perpétua.

Mal souberam da captura de Iqbal, as autoridades indianas pediram de imediato a extradição com "a garantia soberana e irrevogável" de que o arguido não seria sujeito a pena superior a 25 anos, o limite previsto pelo Código Penal de  Portugal. Mas os juízes desembargadores não acreditaram, apesar das garantias terem chegado do próprio ministro do Interior local. No acórdão que levou à libertação do suspeito, recordaram até o caso de Abu Salem, terrorista indiano que em 2004 Portugal aceitou extraditar e acabou a cumprir pena de prisão perpétua no seu país. 

Certo é que Iqbar Singh foi libertado, à espera que eventualmente a justiça indiana venha a transferir o processo para Portugal, de modo a que seja julgado em Lisboa, mas há um ano que gozava de plena liberdade. Recentemente, terá recebido um contacto da Índia a pedir que raptasse um homem da mesma nacionalidade que decidira divorciar-se. 

A vítima foi emboscada por Iqbar e cúmplices e brutalmente agredida com uma exigência de resgate a rondar os 5 mil euros. Acabaram todos identificados e detidos pela PJ na noite desta terça-feira. Serão presentes a tribunal e arriscam prisão preventiva.

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados