Djokovic critica proibição de Wimbledon a jogadores russos e bielorrussos

CNN , Amy Woodyatt
24 mai, 20:00
Novak Djokovic. Foto: AP

A decisão de Wimbledon de banir jogadores russos e bielorrussos do torneio deste ano, após a invasão da Ucrânia pela Rússia, é "errada", disse o número 1 do mundo, Novak Djokovic, esta segunda-feira.

Wimbledon, o terceiro dos quatro torneios do Grand Slam no calendário do ténis, é sem dúvida o torneio mais famoso do mundo. Mas este ano, os torneios profissionais masculinos e femininos, juntamente com a Federação Internacional de Ténis (ITF), optaram por retirar o grand slam dos seus pontos de classificação depois da decisão dos organizadores do torneio de proibir russos e bielorrussos de jogar no evento deste ano.

"Coletivamente, estou feliz com o facto de os jogadores se terem reunido e mostrado ao grand slam que, quando está a acontecer um erro, temos de mostrar que haverá algumas consequências", afirmou Djokovic a jornalistas.

A proibição de jogadores russos impedirá que vários jogadores de alto nível compitam no icónico slam de relva.

"Acho que [a proibição de Wimbledon] foi uma decisão errada. Não apoio isso de forma alguma. Mas, nestas alturas, é um assunto delicado e o que você decidir criará muitos conflitos", acrescentou.

O All England Lawn Tennis Club (AELTC) disse em comunicado na sexta-feira que mantém a sua decisão. Os organizadores de Wimbledon disseram em abril que russos e bielorrussos não poderiam competir no torneio deste ano.

Em comunicado, a AELTC disse que continua "relutante em aceitar que o sucesso ou a participação em Wimbledon sejam usados ​​para beneficiar a máquina de propaganda do regime russo, que, por meio de sua comunicação social estatal rigorosamente controlada, tem um reconhecido histórico de usar o sucesso desportivo para apoiar uma narrativa triunfal ao povo russo.

"Desejamos, portanto, manifestar a nossa profunda deceção com as decisões tomadas pela ATP, WTA e ITF em retirar pontos de classificação para os campeonatos. Acreditamos que essas decisões são desproporcionais no contexto das circunstâncias excecionais e extremas desta situação", acrescentou o comunicado.

Os organismos dirigentes do ténis baniram a Rússia e a Bielorrússia das competições internacionais de equipas após a invasão. No entanto, jogadores individuais dos países podem competir nos circuitos ATP e WTA, mas não sob o nome ou a bandeira dos seus países.

Djokovic disse que ainda jogaria em Wimbledon este ano, mas criticou a falta de "comunicação forte" dos organizadores. “A nível pessoal, é claro, sem ter a hipótese de jogar e de defender os meus 4.000 pontos da Austrália e Wimbledon, vou abandoná-los este ano", disse. "É uma situação única e muito estranha, mas um grand slam é um grand slam", afirmou, acrescentando que Wimbledon "sempre foi o meu sonho, desde criança".

"Não vejo isto pela lente de pontos ou prémios em dinheiro, mas tem de haver alguns padrões de algum respeito mútuo", disse. "Este é um desses tipos de decisões em que haverá sempre alguém que sofre mais. É uma situação ‘perde-perde’."

Enquanto isso, a quatro vezes campeã de Grand Slam Naomi Osaka disse que não tem a certeza se jogará em Wimbledon este ano, apelidando o torneio sem pontos de "uma exibição".

"Sinto que se jogar Wimbledon, sem pontos, será mais como uma exibição. Sei que isso não é verdade, certo? Mas para o meu cérebro assim parece. Sempre que penso que algo é como uma exibição, eu simplesmente não posso estar nela a 100%.”

"Ainda nem tomei a minha decisão, mas estou mais inclinada a não jogar, dadas as circunstâncias atuais", acrescentou.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados