Ténis: Roger Federer anuncia fim da carreira

15 set, 14:33
Roger Federer em Wimbledon 2021 (Neil Hall/EPA)

Suíço sai de cena após a Laver Cup

Roger Federer anunciou esta quinta-feira que se vai retirar do ténis após a participação na Laver Cup, que se realiza no final do presente mês de setembro (de dia 23 a 25), em Londres.

«De todos os presentes que o ténis me deu ao longo dos anos, o maior, sem dúvida, foram as pessoas que conheci ao longo do caminho: os meus amigos, os meus adversários e, acima de tudo, os fãs», começou por escrever o suíço que nos últimos tempos tem lutado contra uma lesão no joelho direito.

«Como muitos de vocês sabem, os últimos três anos apresentaram-me desafios na forma de lesões e cirurgias. Trabalhei duro para voltar à plena forma competitiva. Mas também conheço as capacidades e os limites de meu corpo, e a mensagem que ele me enviou ultimamente é clara. Tenho 41 anos. Joguei mais de 1.500 partidas em 24 anos. O ténis tratou-me com mais generosidade do que eu imaginava, e agora tenho de reconhecer quando é hora de encerrar a minha carreira competitiva.»

Considerado por muitos como o melhor tenista de todos os tempos, o helvético garante ainda que vai continuar a jogar ténis no futuro, mas não de forma profissional.

Federer entrou pela última vez no 'court' no verão de 2021, quando foi derrotado nos quartos de final de Wimbledon por Hubert Hurkacz.

A carreira do suíço fica eternamente ligada aos 'Big Three', onde se junta a Rafael Nadal e Novak Djokovic, já que os três atletas dominaram o ténis nos últimos anos. Federer conquistou 20 títulos de Grand Slam na carreira, mas foi entretanto superado pelo espanhol (22) e pelo sérvio (21).

No currículo, o helvético coleciona seis vitórias no Open da Austrália, o Roland Garros de 2009, oito troféus em Wimbledon e cinco triunfos consecutivos no Open dos Estados Unidos, entre 2004 e 2008.

«Tive a sorte de jogar tantas partidas épicas que nunca esquecerei. Lutamos de forma justa, com paixão e intensidade, e sempre dei o meu melhor para respeitar a história do jogo. Eu sinto-me extremamente grato. Empurrámo-nos uns aos outros e, juntos, levámos o ténis a novos níveis», escreveu.

Federer ascendeu ao topo do ténis pela primeira vez aos 22 anos, quando subiu a número 1, em fevereiro de 2004, somando anos de domínio num desporto onde parecia quase imbatível. De resto, entre 2003 e 2005 arrecadou 24 vitórias seguidas contra o top-10. Já em fevereiro de 2018, aos 36 anos, tornou-se o mais velho a subir ao topo da hierarquia ATP.

Ao longo da carreira, conseguiu 1.251 vitórias no Tour, o segundo melhor registo, ficando atrás apenas de Jimmy Connors. Também ao nível de troféus no Tour, Federer só perde para o norte-americano (103 contra 109). O tenista de Basileia alcançou ainda 28 títulos ATP Masters 2000.

Assim se despede uma lenda.

Relacionados

Patrocinados