Desaparecimento da tenista Peng Shuai: Comité Olímpico acusado de conluio com autoridades chinesas

23 nov, 10:10
Peng Shuai
Peng Shuai

Desaparecimento da tenista chinesa tornou-se “uma dor de cabeça olímpica” para o governo de Pequim e para o Comité Olímpico Internacional

PUB

A entrada do presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) no escândalo Peng Shuai está a virar-se contra a organização liderada pelo alemão Thomas Bach. A divulgação pelo COI de que Bach terá falado por videoconferência com a tenista chinesa que está em paradeiro incerto - depois de ter acusado o antigo vice-primeiro-ministro do país, Zhang Gaoli, de a ter assediado sexualmente - acabou por ser vista como uma forma de passar uma esponja sobre o assunto, em conluio com as autoridades de Pequim que têm neste caso um enorme embaraço.

A porta-voz da organização não governamental (ONG) Human Rights Watch diz que a partir deste momento o COI “está a desempenhar um papel ativo na máquina de desaparecimentos forçados, coerção e propaganda do governo chinês”.

PUB

Outra ONG, a Global Athlete, que defende os direitos de atletas olímpicos e paraolímpicos de todo o mundo, foi muito dura na reação à suposta videoconferência em que Peng teria assegurado que está em casa e está bem.

“Estas declarações tornam o COI cúmplice das autoridades chinesas, da sua propaganda malévola e desvalorização de direitos humanos básicos e da justiça”, afirmou a ONG internacional constituída há dois anos.

PUB
PUB
PUB

O organismo critica a “indiferença” do presidente do COI pelo alegado desaparecimento de Peng, que não foi vista presencialmente desde que denunciou nas redes sociais o assédio de que foi alvo. “A declaração [do COI sobre a video-conferência] finge que Peng nunca fez alegações de violência sexual e não está desaparecida há mais de duas semanas”, denuncia a Global Athlete, apontando o dedo à “abominável indiferença [do COI] perante a violência sexual e o bem estar das mulheres atletas.”

Caso Shuai é dor de cabeça para a China

Se o objetivo era que a revelação da conversa por videoconferência calasse as dúvidas sobre o que aconteceu à tenista chinesa, falhou o alvo. Os meios de comunicação social por todo o mundo continuam a questionar onde está Peng Shuai, pergunta que se tornou uma hashtag viral nas redes sociais. Tom Mitchel, o chefe da delegação do Financial Times em Pequim, escreveu que este caso se tornou numa “dor de cabeça olímpica para a China”, que terá subestimado a força da reação ocidental.

PUB
PUB
PUB

Neste caso, poderá ter ainda mais força o interesse conjugado do governo de Pequim e do Comité Olímpico Internacional: a realização dos Jogos Olímpicos de Inverno no início do próximo ano.

Segundo o comunicado do Comité Olímpico, Peng “agradeceu a preocupação do COI com o seu bem-estar”, e garantiu que “está bem e segura, a viver na sua casa em Pequim”, focada nos “amigos e família”, tendo pedido “respeito pela sua privacidade neste momento”. 

Nada que sossegue a WTA, Associação de Ténis Feminino que organiza as principais competições internacionais. A organização sido uma das principais vozes a questionar as autoridades chinesas sobre o paradeiro de Peng, e continua a exigir explicações mesmo após a suposta conversa com o presidente do COI - que levantou mais questões do que deu respostas.

O jornal USA Today nota que o Comité Olímpico Internacional é um negócio, cujas receitas revertem na quase totalidade de patrocinadores e de direitos de transmissão televisiva das olimpíadas. E em 2022 há Jogos Olímpicos de Inverno… na China. Eis um caso em que o interesse das autoridades chinesas e do COI coincidem - ultrapassar a polémica e retirar a China das atenções mediáticas pelas piores razões.

PUB
PUB
PUB

A ação concertada de Pequim com COI é vista como uma tentativa de contenção de danos. Mais uma, após outras tentativas. Primeiro, os media ligados ao governo chinês divulgaram houve um suposto e-mail de Peng em que as acusações de assédio seriam desmentidas; depois, foram divulgadas fotos, supostamente da tenista num torneio no fim de semana passado, cuja autenticidade e data levantaram muitas dúvidas. A terceira investida foi a videochamada do COI.

A China e o Comité Olímpico já estavam debaixo de fogo por causa da realização dos Jogos Olímpicos de Inverno num país acusado de inúmeras violações dos direitos humanos. O caso mais gritante é o da perseguição à minoria muçulmana uigur.

Por essa razão, já há uma ameaça de boicote diplomático dos EUA em relação a estes Jogos Olímpicos. Ou seja, participam atletas norte-americanos, mas sem a presença de responsáveis políticos de Washington. As organizações de defesa dos direitos humanos têm chamado ao evento que deverá começar em fevereiro “os jogos do genocídio”.

PUB
PUB
PUB

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.

Ásia

Mais Ásia