Milhares de táxis europeus em manifestação em Bruxelas

Agência Lusa , AM
8 set, 11:16

Segundo o presidente da Federação Portuguesa do Táxi, o protesto é a consequência de uma investigação sobre os ficheiros da UBER

Milhares de táxis, entre os quais portugueses, estão desde cerca das 09:00 junto à sede da Comissão Europeia, em Bruxelas, para reclamar medidas da instituição na sequência do caso “Uber Files”, disse à Lusa uma fonte do setor.

“Estão aqui milhares de carros franceses, belgas, Croácia, Suíça, Suécia, Itália, Espanha, Malta e alguns portugueses. Isto não é uma manifestação corporativa, é de empresários do táxi e trabalhadores”, disse à Lusa o presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FTP).

Carlos Ramos disse que esta manifestação de taxistas europeus é a consequência de uma investigação sobre os ficheiros da UBER.

“É preciso apurar as responsabilidades dessa gente. Saber o papel da comissão, o papel da comissária, que na altura era vice-presidente do Parlamento Europeu. O relatório dos jornalistas é muito claro: houve gente que se vendeu, muita gente vendeu a alma ao diabo”, sublinhou.

Na opinião de Carlos Ramos é necessário apurar responsabilidades políticas e criminais.

“Queremos saber o que vai fazer a CE para investigar o que se passou. Por outro lado e esta é outra exigência, temos conhecimento que corre nos corredores da CE uma recomendação que tem por objetivo (…) liberalizar para acomodar as plataformas. Querem criar uma lei única que acomode táxis e plataformas e nos não queremos. Queremos continuar a ter estatuto de transporte público de passageiros e viaturas ligeiras e a UBER que trabalhe segundo as recomendações que vierem a sair do parlamento”, frisou.

O presidente da FTP destacou igualmente que o setor deve também exigir aos seus países de origem que se criem comissões.

“Já consultámos os partido com assento parlamentar e no dia 20 vamos ser recebidos por Edite Estrela”, disse.

Além da FTP estão também presentes elementos da Associação Nacional Táxis Unidos de Portugal (ANTUP) e a Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL).

O objetivo do protesto “é exigir da Comissão Europeia, Parlamento Europeu e parlamentos dos respetivos Estados-membros consequências da promiscuidade revelada - com factos - que permitiram a invasão e instalação desta multinacional na Europa”.

Pretende-se conhecer as intenções da Comissão Europeia após a divulgação do caso, exigir inquéritos parlamentares, sanções e compensações, e reivindicar que “seja claramente marcada a diferença entre o serviço de utilidade pública do táxi e as ofertas da iniciativa privada”.

A empresa norte-americana Uber concebeu uma estratégia de expansão que recorreu a lóbi político junto de governos, mas também formas ilícitas para ludibriar autoridades, revelou um trabalho do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (CIJI) divulgado em 10 de julho passado.

A investigação “Uber Files” envolveu 40 meios de comunicação em 29 países (Portugal não está nesta lista de ‘media partners’, embora o caso português tenha sido abordado), e analisou mais de 124 mil documentos. Concluiu que, entre 2013 e 2017, o então CEO da plataforma de transporte, Travis Kalanick, deu aval a uma estratégia (inclusive em Portugal) que explorava a violência contra motoristas da Uber para promover a imagem da empresa contra os taxistas e os governos que criavam problemas ao seu negócio.

O plano começou a ser desenhado em 2015, quando os estrategos da empresa norte-americana perceberam que poderiam beneficiar com os atos de violência contra os motoristas, ganhando a simpatia da opinião pública, foi referido.

A investigação citou um dos lobistas da empresa, Christian Samoilovich, numa mensagem enviada a um colega, em março desse ano, em que reconhece que a Uber poderia usar a seu favor a violência contra os motoristas, depois de um conselheiro da Comissão Europeia ter escrito na rede social Facebook que um Uber em que viajara tinha sido atacado por taxistas.

Europa

Mais Europa

Patrocinados