Taxa de juro do crédito à habitação tem maior aumento da história

ECO - Parceiro CNN Portugal , Luís Leitão
19 jan, 11:17
Casas, habitação, bairro típico, Lisboa. Foto: Tim Graham/Getty Images

A taxa de juro dos contratos de crédito à habitação aumentaram em dezembro 30,1 pontos base, a maior subida de sempre, para 1,898%, a taxa mais elevado desde setembro de 2012

A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação foi de 1,898% em dezembro, o valor mais elevado desde setembro de 2012, como resultado de uma subida de 30,1 pontos base face a novembro (1,597%).

A informação foi avançada esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e revela ainda que de acordo com a série de dados disponível, que remonta a janeiro de 2009, foi a maior subida mensal do custo do crédito à habitação da história.

Fonte: INE. Valores em percentagem.

Há nove meses consecutivos que a taxa de juro do conjunto dos contratos de crédito à habitação não para de subir. É preciso recuar a 2010 para se assistir a um período com mais subidas mensais constantes.

De acordo com dados do INE, entre julho de 2010 e dezembro de 2011, a taxa de juro do crédito à habitação registou 18 subidas mensais consecutivas. Nessa altura, a taxa de juro aumentou 91,2 pontos base, passando de 1,817% para 2,729%.

As nove subidas das taxa de juro dos contratos de crédito à habitação contabilizadas desde abril do ano passado já provocaram um aumento de 110,4 pontos base no custo dos contratos, passando de 0,805% em abril de 2022 para 1,898% em dezembro, o valor mais elevado da última década.

A subida das taxa de juro no mercado monetário é particularmente sentida nos contratos realizados há pouco tempo. Segundo o INE, “nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro subiu de 2,365% em novembro para 2,715% em dezembro.”

Este incremento traduz-se numa subida de 35 pontos base da taxa de juros, o maior aumento mensal de sempre. Desde abril, a taxa de juro dos contratos de crédito à habitação realizados há três meses já aumentou 189 pontos base, passando de 0,83% em março de 2022 para 2,715% em dezembro.

O INE nota ainda que, no ano passado, “a taxa de juro média anual para o total do crédito à habitação fixou-se em 1,084%, valor superior em 24,2 pontos base ao do ano anterior”.

Quanto ao montante em dívida, o INE relata que em 2022 o capital médio em dívida nos contratos de crédito à habitação aumentou 3.833 euros para 60.142 euros, e a prestação média mensal aumentou 12,9% (cerca de 31 euros), para 268 euros.

Relacionados

Imobiliário

Mais Imobiliário

Patrocinados