Tripulantes da TAP desconvocam greve de sete dias

23 jan, 16:15
Nova polémica no Grupo TAP: diretor da Cateringpor contratou 34 cargos de chefia considerados "amigos"

Assembleia geral do sindicato dos tripulantes aprovou a proposta melhorada feita pela TAP. Greve de sete dias, agendada para 25 a 31 de janeiro, já não avança

Os associados do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) aprovaram a proposta melhorada apresentada pela TAP, apurou o ECO. Greve de sete dias cancelada após “derradeiro esforço” feito pela companhia aérea.

Os tripulantes reuniram-se em assembleia geral esta manhã na Ordem dos Contabilistas Certificados, em Lisboa, para debater e votar a última versão da proposta laboral da TAP, com melhorias face à que foi chumbada na quinta-feiraO avanço nas negociações deu frutos, sendo aprovada pelos associados do SNPVAC. Cai assim a paralisação agendada para 25 a 31 de janeiro, que seria a segunda em menos de dois meses, depois da paragem a 8 e 9 de dezembro.

A transportadora aérea já tinha cedido em 12 das 14 exigências dos tripulantes de cabine. Num comunicado interno enviado à Lusa, a administração congratulou-se “com o avanço construtivo e muito significativo nas conversas tidas com o SNPVAC nas últimas 24 horas”. O presidente do sindicato, Ricardo Penarróias, disse à agência que a proposta apresentada pela TAP “teve melhorias”, sem adiantar pormenores.

Na proposta precedente tinha ficado de fora “o reconhecimento dos níveis de entrada e respetivos pagamentos (processo CAB0 – CAB1)”, que não foi aceite por o “tema estar atualmente a ser tratado em tribunal, havendo alguns casos já decididos a favor da TAP”. Também não foi aceite a pretensão de ter mais um chefe de cabina nos aviões de longa distância (Airbus A330), informou a semana passada a companhia aérea.

A TAP previa que a paralisação de sete dias afetasse 1.316 voos e 156 mil passageirosA companhia aérea calculava “um custo total direto estimado de 48 milhões de euros”, dos quais 29,3 milhões em receitas perdidas e 18,7 milhões em indemnizações aos passageiros. “Prevêem-se também perdas de 20 milhões adicionais devido ao impacto potencial nas vendas para outros dias e à sub-optimização de outros voos, com passageiros reacomodados”, acrescenta.

A desconvocação da greve vai ao encontro que era esperado também pelo ministro das Infraestruturas, que na quinta-feira passada esteve reunido com o presidente do SNPVAC, Ricardo Penarroias, antes da assembleia geral. “Perante a informação prestada pela direção do sindicato sobre o acordo alcançado, o ministro está convicto de que a Assembleia Geral do SNPVAC dará um passo decisivo para a melhoria da situação dos trabalhadores e da companhia aérea, permitindo evitar uma greve de 7 dias que causaria um grave dano à empresa”, dizia uma nota divulgada pelo ministério de João Galamba após o encontro.

País

Mais País

Patrocinados