TAP volta a registar instabilidade nos canais digitais

7 set, 13:15
Zona de chegada do aeroporto de Lisboa fechada para controlo de passageiros e testes à covid-19

Companhia sofreu, esta manhã, instabilidade na ligação à internet

A TAP Portugal, que foi alvo de um ciberataque no passado dia 25 de agosto, voltou a registar instabilidade nos seus canais digitais, esta manhã, causada por falhas na internet.

Em declarações à CNN Portugal, fonte da companhia aérea informa que "a ligação sofreu instabilidade na ligação à internet com impacto nos canais digitais".

"O problema já foi, entretanto, resolvido", garante a mesma fonte.

No entanto, a companhia não confirma se há ou não ligação com o ciberataque em que os piratas informáticos garantem ter roubado dados pessoais de mais de 400 mil clientes da TAP, informação que a empresa desmentiu em comunicado.

O grupo de piratas informáticos Ragnar Locker ameaçou então partilhar “uma gigantesca quantidade de provas irrefutáveis” que põem em causa o comunicado inicialmente publicado pela empresa, na sexta-feira, em que referia não ter sido apurado “qualquer facto que permita concluir ter havido acesso indevido a dados de clientes".

À data, a empresa garantia que os mecanismos de segurança tinham sido “prontamente acionados” e que a tentativa de acessos indevidos tinha sido bloqueada com sucesso.

Em declarações à CNN Portugal, a transportadora voltou a remeter para esse comunicado e garante estar a investigar a alegação.

O grupo alega que pode estar em causa “um dos maiores leaks [fugas] de informação” da história da indústria da aviação e que pode valer à companhia aérea uma pesada multa por parte do regulador, comparando a situação com o processo que envolve a easyJet. A companhia aérea low-cost enfrenta um processo judicial por uma fuga de dados pessoais de 400 mil clientes em 2020.

“Temos certeza de que entre nossos leitores e seguidores pode haver quem consiga passar a mensagem à gerência da TAP, que pelo leak de 'apenas' 400.000 dados pessoais de clientes, a easyJet enfrenta uma ação coletiva no valor de 180 milhões multa por perder os dados”, ameaça o grupo.

Numa outra imagem partilhada no blog do grupo, aparecem expostas várias informações potencialmente sensíveis que terão sido recolhidas do ataque, contendo nomes, endereços de email, datas de nascimento e outras informações pessoais. Estes dados aparentam dizer respeito a clientes da empresa.

A CNN Portugal não conseguiu verificar a veracidade destes dados.

Relacionados

Empresas

Mais Empresas

Patrocinados