Talibãs consideram ilegal decisão dos EUA de transferir reservas para a Suíça

Agência Lusa , AM
16 set, 08:39
Talibãs

Ministério defendeu que a transferência demonstra "a má-fé [dos Estados Unidos] para minar a estabilidade económica e o bem-estar dos afegãos”

O Governo talibã qualificou de “ilegal” a decisão dos Estados Unidos de transferir 3,5 mil milhões de dólares (cerca de 3,5 mil milhões de euros) de reservas do Banco Central afegão para um fundo suíço.

A criação do fundo "sem qualquer consulta com o Afeganistão é inaceitável e uma violação das normas internacionais", disse na quinta-feira à noite o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Num comunicado, o ministério defendeu que a transferência demonstra "a má-fé [dos Estados Unidos] para minar a estabilidade económica e o bem-estar dos afegãos”.

A Administração Biden anunciou na quarta-feira a criação do fundo, que será mantido no Banco de Compensações Internacionais (BIS) na Suíça.

Em fevereiro, o Presidente norte-americano, Joe Biden, tinha emitido uma ordem executiva que exigia que os bancos fornecessem 3,5 mil milhões de euros do dinheiro congelado a um fundo fiduciário para distribuição através de grupos humanitários para apoiar o Afeganistão.

"Desembolsar essas reservas para outros fins sem o acordo específico do povo afegão é um passo negativo contra a estabilidade económica do Afeganistão tomada pelos Estados Unidos", disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros talibã.

Os talibãs avisaram que "serão obrigados a impor" sanções contra "indivíduos, instituições e empresas que facilitem esta iniciativa ilegal e procuram desperdiçar as reservas do DAB [Da Afghanistan Bank, o Banco Central do Afeganistão] para fins humanitários ou de outro tipo".

Na semana passada, o DAB tinha pedido aos Estados Unidos que "reconsiderassem" a transferência das reservas, "usadas para vigiar a estabilidade" e "reforçar o sistema financeiro", além de pedir o fim de todas as sanções.

O DAB, que em fevereiro tinha sete mil milhões de dólares (cerca de sete milhões de euros) em fundo congelados, “deve demonstrar que tem experiência, capacidade e independência para desempenhar com responsabilidade as funções de um banco central”, disseram os departamentos do Tesouro e de Estado dos Estados Unidos numa declaração conjunta, na quarta-feira.

“Proteções robustas foram postas em prática para evitar que os fundos sejam usados para atividades ilícitas”, adiantaram.

O financiamento internacional para o Afeganistão foi suspenso e milhares de milhões de dólares dos ativos do país no estrangeiro, principalmente nos Estados Unidos, foram congelados depois de os talibãs terem assumido o controlo do país em agosto de 2021, após a retirada dos militares dos Estados Unidos.

De acordo com o Banco Mundial, a renda e a produção económica na Afeganistão caíram entre 20% e 30% e as importações caíram aproximadamente 40% e cerca de 70% das famílias afegãs, não conseguindo atender plenamente às necessidades básicas de alimentação.

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados