Como a China poderá isolar Taiwan

CNN , Brad Lendon
8 ago, 16:25
Exercícios militares em Taiwan (AP Photo)

ANÁLISE. Os exercícios militares da China mostram que Pequim está a desenvolver a capacidade de estrangular Taiwan, dizem especialistas

Os exercícios militares da China mostram que Pequim não precisa de invadir Taiwan para a controlar - em vez disso, pode estrangular a ilha autogovernada, cortando-a do mundo exterior, dizem analistas chineses e americanos.

Os exercícios do Exército de Libertação do Povo (ELP), que começaram oficialmente na quinta-feira passada, concentraram-se em seis zonas que essencialmente circundavam Taiwan, restringindo o acesso a navios e aviões civis naquela área, à medida que as forças conduziam exercícios de fogo-vivo e lançamentos de mísseis.

Meng Xiangqing, professor na Universidade Nacional de Defesa do PLA, afirmou que as seis zonas foram escolhidas para mostrar como a China poderá cortar os portos de Taiwan, atacar as suas instalações militares mais importantes, e cortar o acesso às forças estrangeiras que poderão vir em auxílio de Taiwan.

"Ligar as seis áreas numa linha, como um laço, com o nó do laço mesmo na direção sudoeste", afirmou Meng numa entrevista com a empresa estatal de televisão CCTV.

O Partido Comunista Chinês vê Taiwan democrático como território seu - apesar de nunca o ter controlado. Unir Taiwan ao continente é uma pedra angular da política chinesa e o Presidente Xi Jinping não excluiu o uso da força para colocar a ilha sob o controlo de Pequim.

Meng observou que as áreas de exercício do norte tinham “afastado” com sucesso Taiwan de Okinawa, a ilha onde tanto o Japão como os Estados Unidos baseiam ativos militares substanciais. Nas áreas do sul, o ELP mostrou que podia controlar o Canal de Bashi, "a única forma de entrar e sair do Mar do Sul da China", notou. E nas zonas orientais, as forças chinesas mostraram que o fogo preciso de mísseis chineses pode forçar navios de guerra estrangeiros a afastarem-se das águas de Taiwan, acrescentou.

"Este é um cerco sem precedentes da ilha de Taiwan", disse Meng.

Na segunda-feira, a China emitiu uma nota dizendo que os exercícios prosseguiriam.

Exercícios militares da China em torno de Taiwan

Legenda

Um gatilho para exercícios há muito planeados

Os exercícios arrancaram depois de a Presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, ter irritado Pequim ao visitar Taipé na semana passada, para mostrar o seu apoio à democracia na ilha.

Pequim inundou os mares e os céus à volta de Taiwan com navios e jatos - cerca de 80 aviões de guerra e navios chineses foram detetados no domingo do Estreito de Taiwan, de acordo com o Ministério da Defesa de Taiwan.

Nos dias anteriores, o PLA também disparou mísseis em direção a pequenas ilhas controladas por Taiwan perto do continente, e lançou mísseis balísticos mais longe, com alguns a sobrevoar Taiwan e a cair no oceano a leste da ilha. Cinco caíram “salpicando” a Zona Económica Exclusiva do Japão - uma mensagem para um dos principais apoiantes de Taiwan, bem como para o governo de Taipé.

Um mapa das seis áreas de exercício chinesas "traça claramente onde os chineses pensam que são as áreas-chave de operação para a sua estratégia de intimidação de Taiwan", escreveu no Twitter Mick Ryan, um adjunto do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais e ex-general do Exército Australiano.

Os navios e aviões comerciais foram avisados para se manterem afastados das zonas de exercício, forçando as empresas de navegação marítima e as companhias aéreas a organizar rotas alternativas.

Carl Schuster, antigo diretor de operações do Centro Conjunto de Informações do Comando do Pacífico dos EUA no Hawai, disse que o bloqueio de seis zonas mostrou que qualquer tomada de Taiwan poderá começar com uma estratégia de isolamento.

"O exercício demonstrou que o bloqueio num conflito não necessita de uma presença naval constante no mar, antes a navegação e o tráfego aéreo podem ser dissuadidos por ameaças aéreas e de mísseis em apoio a um bloqueio marítimo", disse Schuster.

"O exercício... sugere que Pequim irá primeiro isolar Taiwan e recorrer a ataques aéreos e de mísseis na esperança de quebrar a vontade política de Taipé. Uma invasão dispendiosa é provavelmente um último recurso", disse Schuster.

Nesta imagem, tirada de reportagens em vídeo no CCTV da China, um projétil é lançado a partir de um local não especificado na China, na quinta-feira, 4 de agosto de 2022.

O que poderá vir a seguir

Schuster afirmou que grande parte do que Pequim demonstrou esteve muito tempo a ser preparado. As simulações coincidiram com exercícios militares padrão no calendário de treino do PLA, mas, segundo ele, a visita de Pelosi permitiu à China fazer uma afirmação maior.

"A dimensão, extensão geográfica e complexidade do exercício refletiu meses de planeamento", disse. "Este exercício marca a mais recente escalada no exercício militar em expansão da China e na campanha de intimidação de Taiwan".

Schuster espera que o PLA continue a exercer pressão sobre Taiwan, e que poderá também enviar uma mensagem ao Japão com mais exercícios ao norte da ilha.

Novos exercícios são também prováveis no Mar do Sul da China, os cerca de dois milhões de quilómetros de água, quase todos reclamados pela China como seu território soberano, onde Pequim construiu fortificações militares em ilhas disputadas, disse Schuster.

Embora os exercícios contínuos permitam ao PLA aperfeiçoar as suas táticas e operações, também podem proporcionar uma oportunidade para os adversários fazerem uma aprendizagem sobre os militares chineses modernos, dizem especialistas.

"Nada proporciona melhores conhecimentos sobre a capacidade real de uma estrutura militar do que vê-los serem destacados", escreveu Ryan, antigo general do exército australiano, no Twitter.

Com os exercícios da semana passada, Xi teve de demonstrar que não vacilaria no seu empenho em colocar Taiwan sob o controlo de Pequim, disse Schuster. A visita de Pelosi à ilha representou uma ameaça direta a isso, ao apresentar uma visão alternativa da democracia.

"(Pelosi) lidera o ramo democraticamente eleito que dá origem ao financiamento e às políticas económicas do governo americano. A sua posição e o seu papel tornam o seu empenhamento na segurança de Taiwan particularmente significativo", disse Schuster.

"Incapaz de a intimidar, Xi teve de demonstrar o poder da China - diplomático, económico e militar", comentou.

Ao mesmo tempo que os exercícios militares deram a Xi fortes imagens apoiando a sua determinação, a China também atingiu Pelosi e o governo dos EUA com uma série de sanções.

As medidas incluem o cancelamento de futuras discussões telefónicas e reuniões entre líderes militares chineses e americanos, e a suspensão da cooperação em assuntos como o repatriamento de imigrantes ilegais, assistência jurídica em assuntos criminais e o combate aos crimes transnacionais. Foram também suspensas as conversações sobre alterações climáticas.

Pequim anunciou igualmente medidas dirigidas a Pelosi e aos membros da sua família próxima.

"O objetivo é a intimidação através da aplicação de todos os elementos do poder chinês", concluiu Schuster.

 

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados