“A praia que era adorada até à morte”. Como o turismo matou a baía mais famosa da Tailândia. E como ela voltou à vida

CNN , Karla Cripps (Texto e imagens)
1 ago, 19:43
Maya Bay, Tailândia. A Baía Maia (imagens CNN)

Um filme de Hollywood provocou uma corrida tão desenfreada de turistas que a vida nesta baía ia acabando. Até que foi salva

Passa pouco das 7 da manhã de um dia de fevereiro em Maya Bay, várias semanas após as autoridades terem reaberto ao mundo esta que é uma das atrações turísticas mais populares da Tailândia. É a primeira vez desde junho de 2018, na sequência de um programa maciço de reabilitação.

Um turista solitário caminha ao longo da costa, os imponentes monólitos de pedra calcária parecem flutuar sobre a superfície da água, as suas bases corroídas por milhões de anos de lapidação de água salgada. Ao longe, os tubarões-de-pontas-negras nadam através da baía, com as suas barbatanas a quebrar a superfície.

É um cenário surreal, ter esta espetacular enseada em grande parte para si próprio.

Nas horas que se seguem, um lento mas constante movimento de pessoas que chegam torna-se num dilúvio, à medida que dezenas de turistas descem por um calçadão erguido recentemente, fazendo o caminho até à famosa praia de areia branca, agarrando os telefones à medida que se preparam para fotografar.

Aqueles que se aventuram mais do que alguns passos na água são recebidos com apitos altos de um funcionário de um parque com vista para a praia, a partir de uma torre de salva-vidas aninhada nas árvores a bordejar a areia; embora os visitantes possam dar alguns passos no mar, não é permitido nadar. Mas alguns turistas parecem ser incapazes de resistir às águas da baía e tentam forçar os limites. Um turista francês é multado em 5.000 baht (cerca de 137 euros) por ignorar repetidamente a regra.

No calçadão, uma mulher idosa fuma furtivamente um cigarro perto da entrada da praia - uma área estritamente interdita a fumadores. É desanimador, mas é também uma enorme melhoria em relação ao que os visitantes já aqui experimentaram.

A praia que era adorada até à morte

Localizada no Parque Nacional Thara-Mu Ko Phi Phi Noppharat Thara-Mu Ko Phi, na Tailândia, a Maya Bay [à letra: Baía Maia] faz parte da desabitada Phi Phi Leh, uma das duas principais ilhas Phi Phi, na província do Krabi.

Para as autoridades tailandesas, é um desafio permanente equilibrar a necessidade de ter viajantes - o turismo contribuía cerca de 20% no PIB da Tailândia antes da pandemia - com o apelo urgente para proteger os preciosos recursos naturais do parque.

"A melhor solução é ninguém vir", diz o biólogo marinho e professor Thon Thamrongnawasawat.

"Se me perguntar como cientista, mantenha a baía para os tubarões. Mas, como sabemos, a baía é um grande ponto turístico. Por isso, temos de encontrar um compromisso".

Maya Bay, o local do filme de 2000 "A Praia", protagonizado por Leonardo DiCaprio, tornou-se um ponto de atração turística. Em 2018, o governo tailandês fechou a baía e começou a restaurar o ecossistema que estava danificado. Agora, foi reaberta aos turistas.

É amplamente dado a Thon o crédito de ter convencido as autoridades a encerrar indefinidamente a baía há quatro anos - uma decisão na altura controversa.

À frente de uma equipa de cientistas marinhos, Thon trabalhou com o Ministério dos Recursos Naturais e Ambiente, juntamente com o sector privado - nomeadamente, o promotor imobiliário Singha Estates, que colocou a sustentabilidade na vanguarda das suas operações - no projeto de rejuvenescimento maciço que teve lugar na ausência de turistas.

"Há cerca de 40 anos, Maya Bay já era um destino turístico, mas (principalmente) apenas para turistas tailandeses - e não tantos porque na altura não se tinham lanchas rápidas", diz Thon.

"Vinha cada vez mais gente. E depois houve aquele filme de Hollywood".

"Aquele filme", claro, foi "A Praia", protagonizado por Leonardo DiCaprio. Lançado em 2000, o filme centrava-se num grupo de mochileiros que pretendiam criar a sua própria utopia privada numa ilha incrivelmente bela na Tailândia.

À medida que a popularidade do filme cresceu, também cresceu o desejo dos turistas de visitar o local onde grande parte do filme foi filmado – Maya Bay.

Ao longo dos anos, o número de turistas aumentou de menos de mil para até 7.000 ou 8.000 visitantes por dia no seu pico, diz Thon. Muitos eram viajantes de um dia que visitavam a Baía de Phuket, nas proximidades. Em média, cerca de 5.000 pessoas entravam todos os dias na baía.

"Havia muitos barcos a entrar", recorda. "Eu costumava confirmar verificar usando um drone e encontrei quase 100 barcos ao mesmo tempo".

As hélices dos barcos atiravam areia para cima dos corais, as suas âncoras batiam no delicado fundo do mar. Os turistas que chegavam caminhavam sobre o recife, a maioria desconhecendo os danos que estavam a causar.

Thon diz que verificaram pela primeira vez os corais há cerca de 30 anos, e 70 a 80% do recife da baía estava intacto.

Anos depois, permaneciam menos de 8%.

Além das preocupações ecológicas, a experiência turística também não foi positiva. As vistas panorâmicas da bela baía foram bloqueadas pela longa linha de barcos ancorados ao longo da costa.

Desde o encerramento da baía em 2018, Thon e uma equipa de colegas peritos e voluntários marinhos replantaram mais de 30.000 pedaços de coral, grande parte dos quais cresceu ao largo da costa de uma ilha próxima, Koh Yung.

Cerca de 50% do coral replantado sobreviveu - houve alguma descoloração - e agora começa a crescer e a espalhar-se por si só. Como diz Thon, "a mãe natureza está a fazer o trabalho".

Sem o processo de transplante, diz, levaria 30 a 50 anos para que o recife se regenerasse naturalmente.

Entretanto, a vida selvagem também regressou e tem vindo a prosperar. Entre os animais que atualmente habitam a baía encontram-se peixes-palhaços, lagostas e tubarões de ponta negra, que são inofensivos para os humanos.

"Quando fechámos a baía, após apenas três meses os tubarões de ponta negra voltaram, continuam a acasalar, alguns deles dão à luz... há muitas coisas a acontecer na Maya Bay, e não apenas no recife de coral".

A baía ressuscitada fecha novamente

Agora, apenas sete meses após a reabertura, as autoridades tailandesas estão de novo a fechar a baía de Maya.

Desta vez, contudo, o encerramento durará apenas dois meses, de 1 de Agosto a 30 de setembro, durante a época das monções.

As autoridades dizem à CNN que querem melhorar ainda mais as infraestruturas da ilha e dar à área protegida uma pausa em relação às massas de turistas que já regressaram às suas deslumbrantes costas.

O encerramento vem como um lembrete de que foi feito um grande esforço para reabilitar esta maltratada atração, e as autoridades querem garantir que os esforços não foram em vão.

Suthep Chaikaow, atual chefe do parque nacional Maya Bay, recorda a atmosfera antes do encerramento do parque em 2018.

"Tudo o que posso dizer é que foi terrível", diz à CNN. "No passado, quando os turistas tentavam tirar fotografias, tudo o que podiam ver era a baía inundada de barcos ancorados. As vistas não eram bonitas. E a praia também estava cheia de turistas".

Para remediar a situação, o Departamento de Parques Nacionais limitou o número de visitantes a não mais de 4.125 pessoas por dia, repartidas em faixas horárias de uma hora. O primeiro horário é às 7 da manhã e cada horário não pode exceder 375 pessoas.

Os barcos já não podem entrar na baía. Em vez disso, os condutores têm de deixar os passageiros num molhe recém-construído, situado no fundo da ilha, longe da famosa enseada - tudo parte do programa de rejuvenescimento concebido para evitar problemas do passado.

Uma nova passadeira que sai da doca corta a floresta, oferecendo uma agradável caminhada de cinco minutos através da floresta até à praia do outro lado da ilha estreita.

E a proibição de nadar? O diretor do parque diz que há algumas razões para manter os turistas fora da água. Uma é de que eles irão perturbar os tubarões. Além disso, diz, alguns turistas não são bons a nadar, e podem pisar os corais que os cientistas trabalharam tão arduamente para que voltassem a crescer. "Os corais podem ser partidos, os nossos recursos naturais podem voltar a desaparecer", diz.

A configuração atual é um compromisso suficiente.

"Sinto-me muito feliz quando vejo que os visitantes estão felizes. O antes e o depois de (Maya Bay) são tão diferentes... que nos encoraja a preservar esta área".

Os turistas com quem a CNN falou parecem concordar.

"É como o paraíso", diz Nicole, uma viajante alemã que visita a baía Maya pela primeira vez. "É uma coisa muito boa a fazer", diz um turista tailandês de Banguecoque sobre as novas regras. "Para aqueles que não foram, recomendo como uma coisa que se vê uma vez na vida".

Quanto às críticas que o governo enfrentou quando fechou a baía há quatro anos, num movimento que esvaziou os bolsos dos muitos operadores turísticos que organizaram viagens à baía, o chefe do parque Suthep diz que a maior parte deles já se instalou.

"O único pensamento dos operadores de negócios era ter o máximo de turistas possível", recorda. "Mas após o encerramento, enviaram representantes para testemunhar a zona. Foi muito surpreendente para eles, disseram que se soubessem que isto iria acontecer desta forma, já o devíamos ter feito há muito tempo. Têm sido cooperantes".

Proteção através da educação

A apenas 15 minutos de lancha rápida da baía Maya, na vizinha Phi Phi Don, fica o Saii Phi Phi Island Village Resort. Propriedade de Singha Estates, os seus cientistas marinhos trabalharam de perto com Thon no projeto de restauração da baía Maya - tudo parte de um objetivo mais amplo de iniciar uma nova era de turismo sustentável na Tailândia.

Entre eles está o biólogo marinho Kullawit Limchularat, gestor de desenvolvimento sustentável para Singha Estates. Ele diz que o projecto da baía Maya é a parte mais visível dos seus esforços para proteger e reanimar toda a preciosa vida subaquática da área, mas que também estão motivados para outras obras importantes para melhorar a região.

Um desses projetos que lhe é caro é o programa de criação de tubarões-bambu, chamado "SOS (Save Our Sharks)" [à letra: Salvem os Nossos Tubarões”], que é gerido através do Centro de Descoberta Marinha do resort. Foi concebida uma instalação grande e bem planeada para ensinar turistas, bem como residentes de comunidades vizinhas, sobre a vida marinha e os ecossistemas do parque nacional, cultivando a consciência ambiental.

"A comunidade local é aquela que vive aqui. Eles precisam de saber o que tinham e como é importante proteger", diz Kullawit.

Como parte do programa SOS, a equipa gere cada fase do desenvolvimento dos tubarões-bambu. Primeiro, os embriões juvenis são trazidos para o centro a partir do Centro de Biologia Marinha de Phuket. Os embriões demoram cerca de 90 dias a eclodir. Quando atingem 30 centímetros, são levados para um tanque maior, onde viverão mais três meses antes de serem libertados no oceano.

O centro também cria e solta um peixe muito mais familiar, que faz a sua casa em águas tailandesas -- o peixe-palhaço, ou simplesmente "o peixe Nemo", como a maioria dos tailandeses se refere coloquialmente a eles, graças à popularidade do "à Procura de Nemo" da Disney.

Kullawit diz que os peixe-palhaço criados em cativeiro nos tanques do centro serão libertados se as populações locais se esgotarem.

A CNN juntou-se a Kullawit e a outros funcionários da estância numa expedição para libertar os últimos tubarões bambu totalmente cultivados no início deste ano. De acordo com as leis tailandesas, os tubarões não podem ser libertados nas águas dos parques marinhos nacionais, uma vez que foram criados em cativeiro, diz Kullawit. Em vez disso, a equipa deve fazer um cruzeiro de várias horas para águas fora da área protegida para um pequeno afloramento rochoso conhecido como Koh Mah -- ou Ilha do Cão.

"Descobrimos que em redor desta área existe muito coral, e este é um local perfeito para o tubarão-bambu, porque este tubarão é a espécie do recife, mas eles ficam no fundo", diz o cientista marinho, enquanto se prepara para libertar vários dos tubarões criados no centro.

Levados até à sua nova casa por uma equipa de mergulhadores, os tubarões são tímidos no início, e relutantes em deixar as cestas coloridas. Lentamente, acabam por nadar para longe.

"O tubarão-bambu é uma espécie pequena", diz Kullawit. "Eles não são agressivos e desempenham um papel importante no ambiente, porque são um predador. Eles controlarão as presas fracas como polvos fracos, peixes pequenos e fracos... o ambiente do recife de coral será mais forte".

O número de tubarões bambu diminuiu nos últimos anos devido a práticas de pesca e destruição do habitat, colocando recifes como este em perigo.

"Se não tivermos tubarões, a ecologia do recife será destruída. Quando os libertamos, sentimos que damos algo em troca à natureza".

"Vou ficar de olho em Maya Bay"

Os barcos já não podem entrar na baía. Em vez disso, os condutores têm de deixar os passageiros neste cais flutuante recém-construído, situado na parte de trás da ilha. Karla Cripps/CNN

De acordo com um relatório recente do Banco Mundial, espera-se que as chegadas de turistas internacionais à Tailândia atinjam 24 milhões até 2024, ou cerca de 60% dos níveis pré-pandémicos.

Por enquanto, a peça que falta no puzzle de recuperação turística da Tailândia é a China, que continua a desencorajar os seus cidadãos de viajar internacionalmente, impondo longas restrições de quarentena ao regresso. Antes da pandemia, os viajantes chineses eram a maior fonte de mercado para a indústria turística tailandesa.

Quando as massas de turistas globais acabarem por regressar a níveis pré-pandémicos, o compromisso dos funcionários do parque com a sustentabilidade será posto à prova. Mas Thon está confiante de que o sucesso da baía Maya pode servir de modelo para outros destinos turísticos em risco.

"Isto irá mudar a imagem do turismo tailandês, partilhar a imagem de que não somos apenas um país louco por dinheiro", diz.

"Gostaríamos de salvar o nosso mar. E podemos: se conseguirmos fazê-lo no ponto mais intenso de turismo de massas no mar tailandês, podemos consegui-lo em todo o lado. O projeto da baía Maia é um dos maiores projetos em toda a minha vida. Por isso, enquanto viver, vou ficar de olho em Maya Bay".

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados