Tabaco pode explicar envelhecimento prematuro do coração, diz estudo

Agência Lusa , CF
16 nov, 07:49
Segundo a Organização Mundial da Saúde, o tabaco mata mais de oito milhões de pessoas por ano (Unsplash)

Mesmo os fumadores com 20 anos apresentavam uma idade vascular semelhante a uma pessoa com o dobro da idade

Um estudo que juntou investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e da Universidade de Lorraine, em França, concluiu que o tabagismo pode ser responsável pelo envelhecimento do coração em cerca de 20 anos.

“A lesão celular induzida pelo cigarro e a resposta imune inflamatória são os dois prováveis mecanismos que explicam o envelhecimento prematuro [do coração] e o aumento da incidência de doenças crónicas em fumadores”, referiu o investigador da Unidade de Investigação Cardiovascular (UnIC) da FMUP.

Em declarações à agência Lusa, João Pedro Ferreira, que é um dos autores do estudo levado a cabo com cidadãos de Lorraine, explicou que se verificou que “os fumadores, mesmo que tivessem 20 anos, apresentavam uma idade vascular semelhante a uma pessoa de 35 ou 40 anos”.

“E tinham uma expressão de proteínas [conhecidas por iniciar e facilitar a progressão da lesão aterosclerótica] no sangue que mostrava que tinham uma ativação de inflamação de vias inflamatórias. Algumas proteínas que estão associadas à ocorrência de alguns cancros estavam ativadas. Portanto, conclui-se que o próprio tabaco cria um perfil inflamatório no sangue que pode levar à lesão dos vasos e criar outras doenças, porque vai fazendo pequenas lesões nas células ao longo o tempo”, desenvolveu.

O estudo consistiu na realização de exames junto de uma população de mais de 1.500 fumadores, antigos fumadores e pessoas que nunca fumaram.

A amostra incluiu pessoas com idades entre os 18 e os 70 anos, sendo que a maior parte eram adultos entre os 40 e os 50.

De acordo com informação enviada à Lusa pela FMUP, “os investigadores constataram que, apesar de serem cerca de 18 anos mais jovens, os fumadores atuais apresentavam níveis semelhantes de hipertensão, diabetes e lesão vascular [placas de colesterol e rigidez vascular] aos de pessoas mais velhas que nunca fumaram”.

João Pedro Ferreira apontou que foi comparado o dano cardiovascular e que, quando constatado que o vaso estava mais rígido, isso significa que esse tem menos elasticidade e está a funcionar pior.

“Estar mais rígido é como estar danificado, estar mais envelhecido”, resumiu.

O investigador salvaguardou que os casos estudados não foram “necessariamente” de doentes, tratando-se este de um estudo populacional em que se procurou saber os hábitos e estilos de vida.

“Este é um estudo observacional. Estamos a ver as características das pessoas comparadas com outras. Não podemos inferir que existe uma causalidade. Não podemos inferir que o tabaco causa diabetes. O que podemos dizer é que existe uma relação entre as pessoas que fumavam e algumas proteínas que parecem indicar alguma tolerância menor à glucose, ao açúcar”, exemplificou.

Deixar de fumar é "bom", mas não reverte o dano vascular já ocorrido

João Pedro Ferreira destacou, por fim, que “o grupo que já tinha deixado de fumar tinha uma atenuação dos efeitos, mas esses não estavam completamente revertidos”.

“Obviamente que é bom deixar de fumar o quanto antes, mas o estudo conclui que o dano vascular que já tinha ocorrido no passado regista melhorias, mas não reverteu”, concluiu, sublinhando que o estudo alerta que, “mesmo que a pessoa se sinta bem, há um dano que está a acontecer no corpo que é silencioso e que esse dano pode trazer consequências” como enfarte do miocárdio ou acidentes vasculares cerebrais, doença arterial periférica, bem como cancro do pulmão, garganta ou bexiga.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, o tabaco é responsável por mais de seis milhões de mortes em todo o mundo a cada ano.

Com o nome “Impact of smoking on cardiovascular risk and premature ageing: Findings from the STANISLAS cohort” (em português Impacto do tabagismo no risco cardiovascular e envelhecimento prematuro), este estudo junta João Pedro Ferreira aos investigadores Tripti Rastogi, Nicolas Girerd, Zohra Lamiral, Emmanuel Bresso, Erwan Bozec, Jean-Marc Boivin, Patrick Rossignol e Faiez Zannad.

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados