Supertaça: FC Porto-Tondela, 3-0 (crónica)

Ricardo Jorge Castro , Estádio Municipal de Aveiro, Aveiro
30 jul, 22:46

SuperTa(remi)

Dois golos em três minutos na primeira parte permitiram ao FC Porto materializar a superioridade ante o Tondela e encaminhar a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira, no Estádio Municipal de Aveiro. É a 23.ª da história dos dragões, que reforçam o estatuto de maior vencedor na prova, depois do triunfo por 3-0.

A Supertaça foi de um “Super-Taremi”. O iraniano abriu e fechou o marcador e esteve, pelo meio, na origem do golo de Evanilson.

O FC Porto foi da teoria à prática no assumir da supremacia perante a equipa orientada por Tozé Marreco e fez por justificar o triunfo, numa noite em que teve uma grande - e agradável - surpresa no onze inicial, o inglês Danny Loader, que jogou perto dos autores dos golos num 4x3x3 dinâmico, variável e com riqueza tática. Uribe foi o homem mais recuado no terreno, apoiado mais à frente por Grujic e por um Pepê endiabrado e móvel, que várias vezes desequilibrou as marcações adversárias.

Já com o 2-0, o FC Porto aliou o resultado e o controlo no jogo a algum domínio na segunda parte, tornando o desfecho certo com o 3-0 a oito minutos dos 90. Ainda não está tudo bem, é certo. Porém, a equipa de Sérgio Conceição mostrou aspetos interessantes no seu futebol - sobretudo ofensivamente - no duelo que permitiu a primeira conquista de 2022/23, antes do início da defesa do título nacional ante o Marítimo, no Dragão, daqui a uma semana.

Já o Tondela, sem caras novas, teve um onze aproximado às principais referências da época passada e teve também coragem para olhar o jogo cara a cara com o FC Porto. Sai de pé, como provou a ovação dada pelos adeptos após o apito final e antes da entrada na II Liga. A equipa correu, batalhou, defendeu, teve Niasse inspirado na baliza mas, contas finais, acabou por sucumbir na estratégia do primeiro golo, nascido de um canto, bem como na vontade e crença de Evanilson que resultaram no segundo golo. Depois, já foi difícil recuperar no marcador, que nunca esteve verdadeiramente em causa, por mérito e competência do FC Porto.

Os primeiros minutos mostraram um Tondela com a certeza de querer lutar por um título inédito, tal como há dois meses no Jamor. Telmo Arcanjo deu um primeiro aviso, mas o duelo mais entusiasmante aconteceu, mais do que uma vez, na outra baliza. Danny Loader foi aparecendo para mostrar serviço e tentou o golo por três vezes até à meia-hora. Niasse, em duas delas, fez notáveis intervenções. Pelo meio, Evanilson e Uribe também viram o senegalês tornar-se um dos protagonistas.

E se em boa parte o 0-0 se mantinha até ao minuto 30 devido a Niasse, a dupla atacante que bem se entendeu em 2021/22 para ajudar o FC Porto à «dobradinha» apareceu num ápice para colocar o resultado em 2-0. Primeiro, após um canto na esquerda, Evanilson desviou de cabeça ao primeiro poste e Taremi encostou de pé direito ao segundo, sem marcação, para o 1-0. O 2-0 teve inversão de papéis: Taremi recebeu à entrada da área, “furou” entre três oponentes e desviou para o poste, com Evanilson a ser mais rápido do que Niasse para assinar o 2-0.

O brasileiro, contudo, saiu agarrado à perna direita e acabou rendido por Toni Martínez numa segunda parte em que o FC Porto, sem ser tão incisivo, acabou por ser superior perante um Tondela que teve outras coisas com a entrada de Rafael Barbosa, mas também um dragão competente a defender quando foi preciso. Exemplo disso foi o belo desenho após um canto de Barbosa, cortado por Pepe na sequência de um desvio de Daniel dos Anjos que levava a bola para um golo certo de Jota (56m).

Já com Eustáquio e Galeno em campo e sem Grujic e Loader, o FC Porto sentenciou a Supertaça com o bis de Taremi, num lance bem combinado com Toni Martínez, que arrastou um defesa enquanto Taremi passou no meio de dois adversários para ficar com espaço na cara de Niasse.

Relacionados

Patrocinados