Primeira-ministra da Suécia anuncia demissão após vitória da direita

14 set, 18:54
Magdalena Andersson (AP Photo)

"É uma pequena maioria, mas é uma maioria, então vou pedir a demissão de primeira-ministra e das minhas responsabilidades", afirmou, numa conferência de imprensa

A primeira-ministra da Suécia, Magdalena Andersson anunciou esta quarta-feira que vai pedir a demissão do cargo, depois de os resultados das eleições legislativas terem dado a maioria aos partidos de direita.

Com a decisão da governante a responsabilidade do processo eleitoral vai passar para o presidente do Parlamento.

"É uma pequena maioria, mas é uma maioria, então vou pedir a demissão de primeira-ministra e das minhas responsabilidades", afirmou, numa conferência de imprensa.

Ressalvando que o seu partido, os Sociais Democratas, ganhou votos no último sufrágio, Andersson afirmou, contudo, que a próxima legislatura será "dura e complicada". "Mas o governo que vai dirigir a Suécia tem um bom ponto de partida".

Com apenas 20 distritos por apurar, a direita, liderada por Ulf Kristersson, dos Moderados, tem 176 lugares no parlamento, o que daria uma maioria no parlamento sueco, onde se sentam 349 deputados. Os Moderados são apoiados pelos Democratas Suecos, partido de extrema-direita em segundo lugar na contagem provisória, e pelos Democratas Cristãos.

O líder dos Democratas Suecos, Jimmie Akesson, congratulou-se com este desfecho. "Agora podemos pôr fim às políticas social-democratas falhadas, que continuaram a conduzir o governo na direção errada durante oito anos. É tempo de começar a reconstruir a segurança pública, o bem-estar, e a unidade. Chegou a altura de colocar a Suécia em primeiro lugar. Os Democratas Suecos vão ser um poder construtivo e poderoso neste trabalho", escreveu no Facebook o líder da extrema-direita do país nórdico.

Europa

Mais Europa

Patrocinados