Covid-19: professores querem prioridade no reforço da vacinação e reuniões online

Agência Lusa , DCT
15 dez 2021, 16:16
Regresso às aulas em Vila Nova de Gaia
Regresso às aulas em Vila Nova de Gaia

Manifestando preocupação com a atual situação epidemiológica, a Associação Sindical de Professores Licenciados (ASPL) e o Sindicato de Todos os Professores (STOP) defendem medidas para salvaguardar os profissionais

PUB

Sindicatos de professores defenderam esta quarta-feira a integração destes profissionais nos grupos prioritários para a dose de reforço da vacina contra a covid-19 e pediram que as reuniões de avaliação do Natal sejam online evitando “riscos desnecessários”.

Em comunicado, a Associação Sindical de Professores Licenciados (ASPL)  pede que os docentes também sejam integrados na lista de prioritários para receber a dose de reforço da vacina contra a covid-19, à semelhança do que aconteceu em março e abril, quando foi administrada aos profissionais das escolas a primeira dose.

PUB

No entender da associação, o processo deveria decorrer durante a interrupção letiva, a partir do final desta semana e até dia 9 de janeiro.

Professores pedem reuniões de avaliação online

Por outro lado, defendem que as reuniões de avaliação do primeiro período devem ser 'online', de forma a evitar “riscos desnecessários” e a salvaguardar tanto a saúde pública como os professores mais vulneráveis.

Segundo a ASPL, apesar de o Governo ter decidido adiar em uma semana o regresso às aulas face ao agravamento da pandemia, algumas escolas continuam a preferir realizar reuniões presenciais.

PUB
PUB
PUB

Também o Sindicato de Todos os Professores (STOP) alertou para essa situação, apresentando em comunicado uma lista de 51 escolas que continuam a convocar os docentes para reuniões presenciais.

Apesar dos benefícios da vacinação para a saúde pública, não é responsável “facilitar”, tendo em consideração a evolução da pandemia nos últimos tempos e as novas estirpes do vírus que estão a alertar a comunidade científica”, escreve o sindicato.

Afirmando que já comunicou a situação ao Governo e às autoridades de saúde, o STOP afirma que se as escolas não forem pressionadas a realizar as reuniões em regime online e mantiverem a opção original, haverá casos de desigualdade em que alguns professores se reúnem à distância e na escola ao lado não.

Nessas reuniões participam muitos profissionais de educação (docente e não docentes) e em particular na véspera de encontros familiares do Natal”, acrescentam.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Educação

Mais Educação

Patrocinados