Sri Lanka tem novo presidente, mas manifestantes mantêm protestos: "Não era isto que queríamos"

Agência Lusa , FMC
22 jul, 12:05
Milhares protestam nas ruas do Sri Lanka contra o governo e o presidente do país (Getty Images)

O novo presidente do país emitiu uma ordem às Forças Armadas para se "preparem para manter a ordem pública", que originou atos de violência contra manifestantes

Centenas de pessoas voltaram a manifestar-se esta sexta-feira na capital do Sri Lanka contra a ação das autoridades que desmantelaram de forma violenta um acampamento de protesto e a ocupação de edifícios governamentais. 

"Viemos protestar contra (o recém-nomeado presidente) Ranil Wickremesinghe e a presença dos militares. Não era isto que queríamos. Vamos manter o nosso protesto", disse à agência espanhola Efe um manifestante na cidade de Colombo que pediu anonimato. 

Durante a madrugada, centenas de agentes da Polícia e efetivos do exército do Sri Lanka desalojaram os manifestantes que se mantinham desde o dia 9 de julho no edifício onde funcionam os serviços da Presidência do país e que tinham sido ocupados.

As forças de segurança retiraram também as tendas que tinham sido montadas no centro da cidade pelos manifestantes contra o ex-chefe de Estado Gotabaya Rajapaksa, a figura central das críticas pela situação económica em que o país se encontra. 

De acordo com um outro manifestante, o acampamento de protesto foi cercado na quinta-feira por "500 ou mil efetivos" do exército e que prolongaram a operação durante a madrugada.

Segundo as fontes da Efe, 40 manifestantes ficaram feridos durante a intervenção das autoridades. 

Ranil Wickremesinghe emitiu durante a noite, após ter sido nomeado chefe de Estado pelos deputados (após escolha por voto secreto no Parlamento), uma ordem às Forças Armadas para se "prepararem para manterem a ordem pública" a partir desta sexta-feira. 

O novo presidente deu um prazo de 72 horas para que os vários acampamentos de protesto sejam desmantelados e que termine a ocupação dos edifícios governamentais.

Os atos de violência registados nas últimas horas foram condenados pela oposição e pelas organizações não-governamentais do Sri Lanka e entidades estrangeiras.

A polícia ainda não forneceu o número de feridos que resultaram na intervenção da última madrugada. 

A embaixadora norte-americana em Colombo, Julie Chung disse estar "profundamente preocupada" com a operação militar das últimas horas e apelou à contenção.

"Pedimos de imediato às autoridades para pararem e prestarem apoio médico aos feridos", disse a embaixadora dos Estados Unidos através de uma nota que difundiu através da rede social Twitter.  

O embaixador do Canadá tomou a mesma posição contra a "violência policial" e a Amnistia Internacional condenou a ação exortando as autoridades a respeitar os movimentos dissidentes.  

O Sri Lanka enfrenta uma séria escassez de alimentos, medicamentos e de combustível.

A crise económica foi desencadeada pelo endividamento, políticas erradas e o impacto de atentados ocorridos na Páscoa, além dos efeitos do confinamento contra a pandemia de covid-19 e que atingiu sobretudo o setor do turismo.

Em abril, o país entrou em incumprimento com as entidades credoras sendo que o novo governo deve agora iniciar negociações com o Fundo Monetário Internacional para que seja implementado um plano de resgate.

Os protestos intensificaram-se nas últimas semanas obrigando o anterior chefe de Estado a abandonar o cargo e o país.  

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados