Coreia do Sul lança a primeira sonda lunar (e pretende enviar uma nave espacial à Lua até 2030)

Agência Lusa , CF
5 ago, 13:05
Sonda lunar Danuri (Photo by Jung Yeon-je / AFP)

Batizada de Danuri, a sonda assume-se como "um passo muito importante na história da exploração espacial coreana" e estabelece objetivos ainda mais ambiciosos: "poderemos chegar a Marte, a asteróides, num futuro próximo", assegurou o Presidente do Korea Aerospace Research Institute (KARI)

A primeira sonda lunar da Coreia do Sul partiu na madrugada desta sexta-feira de Cabo Canaveral, na Florida, constituindo um marco nas ambições espaciais de Seul, que pretende enviar uma nave espacial à Lua até 2030.

Batizada de Danuri – uma junção de "Dal", que significa Lua, e "Nuri", que significa desfrutar -, a primeira sonda lunar sul-coreana descolou às 00:08 GMT (01:08 em Lisboa) a bordo de um foguete SpaceX Falcon 9, afirmou o ministério da Ciência da Coreia do Sul, que acrescentando que a nave deverá entrar na órbita da Lua em dezembro.

Segundo o ministro-adjunto da Ciência, Oh Tae-sok, a missão está a decorrer sem problemas e os investigadores estão a comunicar com Danuri através da antena espacial da agência espacial norte-americana (NASA) sediada em Canberra, Austrália.

“A análise da informação recebida via satélite confirmou que a matriz solar da Danuri estava devidamente desdobrada para começar a gerar energia”, afirmou à imprensa.

Num vídeo divulgado antes do lançamento da sonda, o presidente do Korea Aerospace Research Institute (KARI), Lee Sang-ryool, assegurou que “Danuri é apenas o começo”.

“Se continuarmos ainda mais determinados e empenhados no desenvolvimento de tecnologias para viagens espaciais, poderemos chegar a Marte, a asteróides, num futuro próximo”, disse Sang-ryool, que saudou o lançamento da sonda como “um passo muito importante na história da exploração espacial coreana”.

Durante a sua missão, que deverá levar um ano, a Danuri utilizará seis instrumentos diferentes, entre eles, uma câmara ultrassensível fornecida pela NASA, usada para estudar a superfície do solo a fim de identificar locais de alunagem para futuras missões.

Objetivos ambiciosos: imagens do lado escuro da lua, Internet sem fios e K-pop no espaço 

A Danuri testará também um novo sistema de comunicações espaciais em rede resistente a perturbações, que será uma estreia mundial, avançou o Governo sul-coreano.

Os investigadores pretendem inclusive criar um ambiente de Internet sem fios com a sonda, de forma a ligar-se a satélites ou veículos de exploração. Para testar essa ligação sem fios no espaço, a sonda vai tentar transmitir a canção “Dynamite” do grupo de K-pop sul-coreano BTS.

Gravará também imagens de áreas do lado escuro da Lua, onde os cientistas esperam encontrar fontes escondidas de água e gelo.

“Se a missão tiver êxito, a Coreia do Sul tornar-se-á o sétimo país do mundo a ter lançado uma sonda não tripulada à Lua”, comentou um responsável da KARI à agência noticiosa AFP.

De acordo com os cientistas sul-coreanos, a sonda Danuri, que levou sete anos a ser construída, abrirá o caminho para objetivos mais ambiciosos.

Como 12.ª maior economia do mundo e um dos países mais avançados a nível tecnológico, a Coreia do Sul tem ficado até agora para trás na exploração espacial em comparação com outras nações da Ásia, como a China, o Japão e a Índia.

Ainda assim, a Coreia do Sul conseguiu lançar, em junho, o seu primeiro foguetão, o Nuri, concebido a nível nacional, colocando vários satélites em órbita, depois de uma tentativa falhada em outubro passado.

A Coreia do Norte reclama também o seu lugar no clube de países com a sua própria capacidade de lançamento de satélites e alegou em 2012 ter colocado um deles em órbita, através de um foguete que Seul e Washington encararam como um míssil balístico disfarçado.

Tecnologia

Mais Tecnologia

Patrocinados