Um dos cinco suspeitos de homicídio em bar de Setúbal está em fuga

Agência Lusa , MM
10 set, 13:55
Polícia Judiciária

Suspeitos, com idades entre os 19 e os 33 anos, terão agredido a vítima "com murros, pontapés e garrafas", esfaqueando-a depois

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou, este sábado, a detenção de cinco homens, entre os 19 e os 33 anos, sobre os quais recaem “fortes indícios” do crime de homicídio qualificado de outro homem, de 31 anos, em Setúbal. Entretanto um deles ficará a aguardar julgamento em prisão preventiva, enquanto outros três saíram em liberdade. Um quinto elemento está em fuga.

Em comunicado, a PJ indicou que os cinco suspeitos foram identificados, localizados e detidos, fora de flagrante delito, através do Departamento de Investigação Criminal de Setúbal, em colaboração com a Divisão Policial de Setúbal da PSP.

A polícia de investigação criminal disse existirem “fortes indícios”, acerca dos suspeitos, “da prática de um crime de homicídio qualificado, na forma consumada, de um homem 31 anos de idade”.

Segundo a PJ, “os factos foram praticados, pouco depois da 01:30” desta sexta-feira, “no interior de um espaço de diversão noturna da cidade de Setúbal”.

Neste local, “os agressores, num primeiro momento, agrediram a vítima com murros, pontapés e garrafas e, num segundo momento, esfaquearam-na no tórax e abdómen, causando-lhe a morte”, pode ler-se no comunicado.

Fonte policial contactada pela agência Lusa confirmou que os cinco homens detidos são os suspeitos do homicídio de um músico num bar de Setúbal, noticiado hoje pelo jornal Correio da Manhã.

Segundo o jornal, o músico “Fábio Abenta, 31 anos, vocalista de uma banda de metal, foi morto à facada ao tentar impedir abusos a mulher no bar onde trabalhava”.

A PJ revelou hoje, no comunicado, que os detidos pertencem todos à mesma família e, “ao que tudo indica, atuaram por motivos completamente fúteis e movidos por um espírito de vingança, sustentados na sua superioridade numérica e nos laços familiares que os unem”.

Medidas de coação

Os cinco homens foram presentes este sábado às autoridades judiciárias competentes, com vista à aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

O juiz de instrução criminal entendeu que um dos arguidos devia ficar em prisão preventiva, sendo aplicada aos restantes a apresentação periódica, a proibição de frequentar o bar onde terá ocorrido o homicídio. Ficam ainda proibidos de contactarem com os intervenientes no processo.

“As medidas de coação foram aplicadas por se ter entendido que se verificava uma situação de alarme social e de perturbação do inquérito”, justificou o juiz presidente do Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal em comunicado.

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados