Dois abalos sentidos pela população em São Jorge nas últimas 24 horas

Agência Lusa , PF/AM notícia atualizada às 15:30
10 abr, 12:20
São Jorge, Açores (EPA/ Tiago Petinga)

Desde o início da crise sismovulcânica, a 19 de março, foram identificados, até ao momento, "cerca de 240 sismos sentidos pela população", segundo o CIVISA

O Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) registou, nas últimas 24 horas, dois sismos sentidos pela população na ilha de São Jorge, onde se regista desde 19 de março uma crise sismovulcânica.

De acordo com um comunicado do CIVISA, para ponto da situação às 10:00 locais (11:00 em Lisboa), um dos abalos foi sentido às 22:21 de sábado e teve magnitude 2,2 na escala de Richter e foi sentido pela população com intensidade III na escala de Mercalli Modificada.

O outro abalo sentido foi às 04:43 deste domingo e teve magnitude 1,4 na escala de Richter e foi sentido pela população com intensidade III na escala de Mercalli Modificada.

240 sismos sentidos

O CIVISA registou, desde 19 de março, quando se iniciou a crise sismovulcânica em São Jorge, 28.152 sismos, dos quais 240 sentidos pela população da ilha que se mantém em nível de alerta V4 (ameaça de erupção).

A informação foi avançada hoje pela coordenadora das operações do Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) na ilha de São Jorge, Fátima Viveiros, no ‘briefing’ diário para atualização da crise sismovulcância naquela ilha açoriana.

Segundo Fátima Viveiros, o gabinete de crise do CIVISA, que integra 10 investigadores de várias áreas de monitorização e com várias especialidades, reúne-se diariamente, tendo decidido, no sábado, manter hoje o nível de alerta V4 (ameaça de erupção) de um total de sete, em que V0 significa “estado de repouso” e V6 “erupção em curso”.

"O nível de alerta V4 é decidido pelo gabinete de crise e, portanto, é a analise integrada não só da sismicidade, mas de todos os parâmetros e daquilo que se pensa ser a compreensão do sistema que nos faz manter ou atribuir o nível V4 neste momento. Hoje à noite vamos voltar a reunir[-nos]", explicou.

Condições meteorológicas podem influenciar registos

A coordenadora das operações do CIVISA em São Jorge salientou que “a diminuição significativa” de sismos “pode também estar a ser mascarada", pelo menos nalgum número de eventos que "não esteja a ser visualizado”, devido às condições meteorológicas.

O CIVISA reiterou hoje que as condições meteorológicas - chuva e, principalmente, o vento - podem estar a influenciar o registo sísmico.

"Podem ocorrer abalos de uma magnitude muito baixa que acabam por não ser detetados pelos operadores. Quando as condições meteorológicas assim o permitem, mesmo os sismos de uma magnitude muito inferior conseguem ser detetados pelos nossos operadores", explicou.

Com a melhoria das condições meteorológicas, é esperado que "o sinal seja mais limpo" para "detetar todos os eventos" e ter "o cálculo mais real possível", acrescentou.

Fátima Viveiros disse que é preciso encarar esta crise sismovulcânica em São Jorge com cautelas, justificando que ter um reduzido número de eventos não significa que tudo tenha terminado.

"Portanto, temos que ir acompanhando e hoje vamos voltar a reunir, ver os dados que estão a ser adquiridos ao longo do dia e amanhã será dito qual o nível de alerta decidido", referiu.

A coordenadora das operações do CIVISA em São Jorge lembrou que muitas vezes estes sistemas podem reativar.

"Nós, para compreender o melhor possível este sistema, que durante 30 anos esteve no silêncio, mesmo que agora a certa altura o nível de alerta diminua, vamos continuar a monitorizar e a acompanhar todas as variações que vão acontecer nos próximos meses. Tudo se vai manter", disse.

Fátima Viveiros lembrou o que aconteceu na crise sismovulcânica do Vulcão do Fogo, na ilha de São Miguel, onde ocorreu um período inicial com atividade, uma acalmia posterior e "passados uns meses um novo incremento da atividade".

"Isso é aquilo que pode ser possível dentro destes sistemas naturais com as suas incógnitas. Muitas vezes estes sistemas podem reativar e até escalar em pouco tempo. Muitas vezes podem parar e ficar assim ou então podem ter oscilações em que temos períodos de maior atividade e períodos de menor atividade", sublinhou.

Meteorologia

Mais Meteorologia

Patrocinados