Porque não é só o amor que pode partir o seu coração

CNN , Sandee LaMotte
28 mai, 15:47
Síndrome de coração Partido

É raro, mas pode realmente morrer-se de um coração partido. Síndrome tem várias causas e nem sempre são tragédias emocionais

Outra tragédia ocorreu, no rescaldo do devastador massacre com armas desta terça-feira na Escola Primária Robb, em Uvalde, Texas, nos Estados Unidos.

Joe Garcia, o marido de Irma Garcia, uma das duas professores mortas na sala de aula, morreu em casa de ataque cardíaco, no que os membros da família dizem poder ser um caso de síndrome do coração partido. O casal deixa quatro filhos, de acordo com o website da escola primária.

"Acredito verdadeiramente que o Joe morreu de coração partido, e que perder o amor de mais de 25 anos foi demasiado para suportar", escreveu a prima de Irma Garcia Debra Austin numa publicação da família no site GoFundMe.

O que se sente com um coração partido

É raro, mas pode realmente morrer-se de um coração partido.

Um súbito golpe emocional, como a morte de um ente querido, pode produzir um choque no coração, que pode assumir uma forma oval invulgar, tornando-o incapaz de fazer o seu trabalho.

"Quando uma pessoa entra pela primeira vez, o coração pode parecer terrivelmente fraco. Pode estar a conseguir contrair-se apenas por um triz. Num caso grave, estaria na unidade de cuidados intensivos em choque, e sem cuidados médicos não sobreviveria", afirma Ilan Wittstein, professor assistente de medicina na Johns Hopkins Medicine, que publicou um dos primeiros artigos sobre a síndrome do coração partido, também chamado de cardiomiopatia de stress.

Mary Brittingham, com o seu cão Alfie, experimentou três episódios de síndrome do coração partido

No entanto, quando o coração de Mary Brittingham se partiu pela primeira vez, aos 53 anos, e depois novamente aos 56 e aos 69, isso nada teve a ver com a perda de alguém que lhe era próximo e querido.

"Não tive um episódio trágico de coração partido por causa de uma história de amor. A minha primeira vez foi causada por uma surpresa – ou um choque, de facto", disse Brittingham, uma antiga professora de direito da Faculdade de Direito de Georgetown. "A minha segunda vez foi de raiva, e a minha terceira vez foi de medo".

Foi em 2006. Tinha sido dito a Brittingham para preparar um brinde rápido a colegas que estavam a ser homenageados numa festa da faculdade de Georgetown. De repente, ela ouviu o anfitrião dizer: "Vamos ouvir três oradores esta noite, durante cerca de 15 minutos cada um. E a nossa primeira oradora é Mary Brittingham".

"Foi um momento total de O QUÊ?", recordou. "Fiquei completamente surpreendida". Era suposto levantar-me e ter um discurso pronto sobre os meus queridos colegas? Tudo o que tinha preparado eram duas linhas! E de repente senti uma espécie de pressão no peito que me esmagou. Foi muito doloroso, mas transferi-o para uma ansiedade".

Atordoada e magoada, Brittingham conseguiu chegar ao púlpito e falar durante alguns minutos: "Devo ter dito algumas coisas significativas porque recebi algumas gargalhadas ", conta com um sorriso.

Mas quando à medida que a noite avançava a dor não diminuiu, ela foi ao hospital, receando ter sofrido um ataque cardíaco.

"As minhas enzimas cardíacas estavam elevadas, por isso fizeram um exame, eu tinha entrado em insuficiência cardíaca", recorda. "O meu pai morreu de insuficiência cardíaca aos 36 anos de idade. Por isso pensei: "Oh meu, é isto". Mas afinal eu não tinha tido um ataque cardíaco ou insuficiência cardíaca, eu tinha síndrome do coração partido".

Um coração partido tem uma forma invulgar

Wittstein deparou-se pela primeira vez com cardiomiopatia de stress quando era ainda um jovem médico assistente numa unidade de cardiologia em 1998, quando teve três casos invulgares seguidos.

"Vi três pacientes do sexo feminino em fila que tinham todas vivido algum tipo de acontecimentos emocionalmente stressantes. O primeiro foi a morte da mãe, o segundo foi um assustador acidente de carro, e o terceiro foi uma reunião de surpresa. No entanto, cada uma delas chegou ao hospital com resultados de ecocardiograma muito semelhantes", conta Wittstein.

As imagens mostraram o ventrículo esquerdo de cada um dos seus corações - que é a principal câmara de bombeamento - inchado numa forma estranha que estranhamente lembra um takotsubo, um pote usado pelos pescadores japoneses para apanhar polvo.

Uma ilustração da cardiomiopatia de takotsubo, também conhecida como síndrome do coração partido. Tradução: à esquerda, forma normal de um ventrículo esquerdo depois de contrair; ao centro, a forma do ventrículo esquerdo num coração com cardiomiopatia "takotsubo"; à direita, a armadilha japonesa para polvos ("tako-tsubo")

O nome de cardiomiopatia "takotsubo" foi cristalizado quando foi identificado pela primeira vez no Japão em 1990, altura em que a síndrome não era bem conhecida nos Estados Unidos - e pode ter sido muitas vezes mal diagnosticada, sublinha Wittstein.

Sintomas como transpiração, dor no peito e falta de ar podem ser os mesmos que os de um ataque cardíaco, diz. Mas, ao contrário de um ataque cardíaco, que é tipicamente causado por artérias bloqueadas, estes primeiros pacientes tinham "artérias coronárias impecáveis e normais", com pouca ou nenhuma evidência de colesterol e placas.

Ainda mais estranho: apesar de as análises ao sangue demonstrarem lesões extensas, os músculos do coração das mulheres não ficaram permanentemente alterados ou danificados como num ataque cardíaco, diz Wittstein. Para muitos pacientes, a função voltou ao normal poucos dias ou semanas depois.

"Nos primeiros anos, ficámos surpreendidos com a rapidez com que voltaríamos a ver os corações a animarem-se de novo. Era quase como se estivessem a acordar", disse. "Lembro-me de pessoas que foram enviadas para o nosso centro porque pensavam que iriam precisar de um transplante de coração. E uma semana depois estavam em casa.

"Na altura isto era completamente novo, mas assim que se reconheceram as características clínicas da síndrome, ela começou a aparecer em todo o lado", diz.

Wittstein e a sua equipa começaram a estudar o fenómeno, publicando um de dois artigos seminais em 2005. "Demos-lhe o apelido de 'síndrome do coração partido' porque na altura ninguém na medicina acreditava que as emoções pudessem ter um impacto tão dramático no coração humano”, relata Wittstein. “Queríamos aumentar a consciencialização".

O que desencadeia um coração partido

Hoje em dia, a ciência ainda não sabe exactamente porque ocorre a síndrome do coração partido, ou porque é que algumas pessoas têm episódios repetidos, diz Wittstein. "Pensamos que tem a ver com uma disfunção de ‘lutar ou fugir’ do corpo, a libertação de químicos como a adrenalina, noradrenalina e dopamina que o corpo usa para nos preparar para fugir ou ficar de pé e combater", disse Wittstein.

Cerca de 2% das pessoas que são vistas na sala de urgências para um ataque cardíaco podem ter a síndrome, de acordo com estimativas, e um estudo de 2020 encontrou casos a aumentar, especialmente entre as mulheres. O aumento no diagnóstico pode ser simplesmente devido a uma maior consciencialização entre os médicos sobre a síndrome, diz Wittstein.

Quase todas as pessoas que têm episódios de síndrome do coração partido têm sido mulheres, acrescenta, especialmente mulheres na pós-menopausa que então carecem de estrogénio.

"Quando se injeta estrogénio num vaso sanguíneo, o vaso sanguíneo dilata-se, fica maior. Assim, o estrogénio é um mediador muito importante de como os vasos sanguíneos funcionam nas mulheres", explica Wittstein. "De facto, estudos demonstraram que o seu risco de síndrome do coração partido aumenta cinco vezes após os 55 anos de idade, se for mulher".

Hoje, os médicos sabem que apenas um terço de todos os casos está ligado a um choque emocional, disse Wittstein. Dois terços são causados por estímulos físicos, tais como dores fortes, ataques de asma, convulsões, AVC, febre alta, baixo nível de açúcar no sangue, cirurgia e pneumonia.

"Sabemos que, de todos os estímulos físicos que podem causar esta condição, a pneumonia é um dos mais potentes". Isso é uma preocupação durante a pandemia, acrescenta Wittstein, porque a Covid-19 danifica os pulmões e também provoca a função microvascular, onde em que os pequenos vasos sanguíneos do corpo não funcionam corretamente. Os danos nesses pequenos vasos sanguíneos à volta do coração são outra teoria para a doença.

"Quando estamos sob stress, queremos mais sangue a chegar ao nosso coração e a ajudar o corpo a reagir, certo?", realça Wittstein. "Mas com a síndrome do coração partido pensamos que a adrenalina está a provocar a contração de pequenos vasos sanguíneos no coração em vez de dilatar e reduzir temporariamente a quantidade de sangue que está a chegar ao coração".

Sobrevivendo à síndrome do coração partido

Quando Mary Brittingham sentiu uma dor conhecida em 2009, sabia que estava a ter outro ataque. Foi três anos depois do seu primeiro episódio, e desta vez ela estava no meio de uma discussão acalorada com outro advogado.

"Este é o meu sinal revelador, esta sensação esmagadora mesmo debaixo do meu esterno que irradia através do meu peito para o meu pescoço", conta. "E então eu sei: 'Meu Deus, isto não é ansiedade ou indigestão'. Isto é mesmo isto".

O terceiro episódio aconteceu uma década mais tarde, quando o seu amado rabisco Alfie foi ameaçado durante uma caminhada. "Durante cinco minutos, lidei com isso, e depois entrei em casa, fechei a porta, e o meu peito começou a desmoronar-se", recorda. "Tinha-me reformado e feito todo o tipo de coisas para reduzir o stress na minha vida. E pensei para comigo, tenho quase 70 anos - será que o próximo me vai matar?".

Por esta altura, Brittingham tinha procurado Wittstein como seu médico, e ela foi ter com ele com as suas preocupações. "Perguntei-lhe: 'Como explicar isto às pessoas que vão pensar que sou frágil? Realmente não sou. Na verdade, sinto-me bastante rija". Ele disse-me que ser frágil não tinha nada a ver com isto, e que uma mulher teve oito episódios sem morrer".

"A minha história favorita das que ele me contou para me fazer sentir melhor foi sobre uma mulher que acampava com o marido e decidiu pintar o cabelo enquanto ele estava tinha ido pescar", acrescenta. "Uma tenda começou a voar e ela teve de ir tratar disso antes de poder lavar a tintura. Ela só conseguia pensar na cor do seu cabelo". Wittstein retomou a história: "E ela teve um episódio de síndrome do coração partido".

"É estranho, quando começámos a descrever isto, pensámos que tinha de ser desencadeado por uma tragédia maciça, como a morte de um ente querido ou um acidente de carro quase fatal", diz. "O que temos visto ao longo dos anos é que isso não é realmente verdade. Alguns dos gatilhos podem parecer bastante suaves".

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados