Falta de trabalhadores pode levar ao encerramento de serviços de finanças no interior

Agência Lusa , DCT
14 dez 2021, 19:03
Computador
Computador

Para o Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos o recente anúncio do recrutamento de 200 trabalhadores para a AT é “uma medida avulsa por parte da tutela”

PUB

O Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI) alertou esta terça-feira que alguns serviços de finanças do interior do país podem fechar por falta de trabalhadores, considerando que o recrutamento de 200 trabalhadores para a AT é uma “medida avulsa”.

Quando se anuncia que o objetivo é o reforço dos serviços centrais, informática e Unidade de Grandes Contribuintes [UCG], o Governo demonstra que não vê como prioridade agilizar o apoio ao cidadão nos serviços locais de finanças e aduaneiros, altamente carenciados de meios humanos, quer nos serviços urbanos, quer sobretudo nos serviços do interior do País, onde se receia que muitos possam fechar portas por falta de pessoal”, refere o STI em comunicado.

PUB

Para o STI o recente anúncio do recrutamento de 200 trabalhadores para a AT é “uma medida avulsa por parte da tutela” e uma “gota de água num enorme oceano e carências”.

Sublinhando que tem “consecutivamente alertado” para a “urgente” necessidade de rejuvenescer e reforçar os quadros da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), o sindicato liderado por Ana Gamboa diz ainda que se trata de uma medida contrária à adoção de soluções “sérias e lúcidas que impeçam a inevitável degradação da AT”, afetada pela saída de milhares de trabalhadores para a aposentação nos últimos anos.

PUB
PUB
PUB

Neste contexto, assinala ainda não compreender a falta de investimento num setor em que a tónica deve passar também pelo reforço dos recursos para o apoio e serviço de proximidade ao cidadão, como são os serviços locais de finanças e aduaneiros.

Os serviços locais resolvem as grandes dificuldades que uma importante fatia da população tem em recorrer aos canais alternativos de atendimento”, refere o STI, acentuando que esta é uma função “crucial para garantir maior eficácia no cumprimento voluntário das obrigações fiscais e aduaneiras mas, pelos vistos, desprezada pela tutela”.

O STI lamenta, por isso, que o Governo não tenha respondido a um seu pedido no sentido de proceder a um recrutamento externo para um maior número de trabalhadores e de se aprovarem os regulamentos com vista à progressão de carreiras na AT.

“Em vez disso surge a referida medida avulsa, desenquadrada e que, assim, não corresponde a uma verdadeira solução”, afirma o STI.

Segundo o relatório da atividades da AT de 2020, a Autoridade Tributária e Aduaneira fechou esse ano com 11.021 trabalhadores, menos 222 do que no final de 2019.

PUB
PUB
PUB

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Negócios

Mais Negócios

Patrocinados