"Estratégia da defesa". Filha do casal suspeito de matar menina de 3 anos em Setúbal fica em silêncio

Agência Lusa | Conceição Queiroz , HCL
25 jun, 10:37

Três arguidos foram detidos pela Polícia Judiciária por suspeita de homicídio qualificado, rapto, extorsão e ofensas à integridade física

A suspeita mais nova do homicídio da criança que morreu na segunda-feira em Setúbal não prestou declarações perante o juiz de instrução criminal na sexta-feira, ao contrário dos outros arguidos, por “estratégia da defesa”, afirmou o advogado da mulher.

Armindo Silva falava aos jornalistas, numa curta declaração, à entrada do Tribunal de Setúbal, onde prosseguem os trabalhos do primeiro inquérito judicial do processo e onde os suspeitos estiveram já na sexta-feira à tarde.

Os advogados dos outros dois arguidos também já chegaram esta manhã ao tribunal, sem prestar declarações.

Os trabalhos deverão ser interrompidos para almoço por volta das 12:00 e a presença dos três suspeitos está prevista apenas para a tarde.

As medidas de coação deverão ser conhecidas pelas 15:00, segundo o Conselho Superior de Magistratura.

Os três arguidos foram detidos pela Polícia Judiciária por suspeita de homicídio qualificado, rapto, extorsão e ofensas à integridade física.

A morte da menina ocorreu na segunda-feira, depois de a mãe ter ido buscá-la a casa de uma mulher que identificou às autoridades como ama da criança.

De acordo com a mãe, a menina esteve cinco dias ao cuidado da mulher e tinha sinais evidentes de maus-tratos, como hematomas, pelo que foi chamada a emergência médica.

A criança foi assistida na casa da mãe e transportada ao Hospital de São Bernardo, onde foi sujeita a manobras de reanimação, mas não sobreviveu aos ferimentos.

Na quinta-feira, a Polícia Judiciária revelou que deteve três pessoas por suspeita do homicídio: uma mulher de 52 anos a quem a mãe da criança devia dinheiro, inicialmente identificada como ama, o seu marido, com 58 anos, e a filha, de 27 anos.

À Lusa, o coordenador da Polícia Judiciária (PJ) de Setúbal, João Bugia, adiantou que a mãe da menina e o padrasto foram também ouvidos durante a noite de quarta-feira na PJ, mas não foram constituídos arguidos.

Segundo João Bugia, a mãe da menina foi “ardilosamente enganada” e levada a entregar a filha por conta de uma dívida de 400 euros que tinha para com a suspeita.

Nos cinco dias em que permaneceu na casa dos detidos, a criança terá sofrido maus-tratos severos.

João Bugia revelou ainda que, apesar de haver algumas suspeitas iniciais de eventuais agressões sexuais contra a criança, esses indícios não foram confirmados na autópsia realizada na quarta-feira.

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados