Serra da Estrela. Frente de incêndio na Atalaia partiu-se em duas e está a ser combatida por mais 1.200 operacionais

CNN Portugal , AM com Lusa
17 ago, 07:12

Fogo deflagrou no dia 6 de agosto em Garrocho, no concelho da Covilhã, e foi dado como dominado no sábado, dia 13, mas sofreu uma reativação na segunda-feira

O incêndio que lavra na serra da Estrela estava a ser combatido por mais de 1.200 bombeiros às 07:00 desta quarta-feira, segundo o ‘site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Este fogo deflagrou no dia 6 de agosto em Garrocho, no concelho da Covilhã, e foi dado como dominado no sábado, dia 13, mas sofreu uma reativação na segunda-feira. Segundo o comandante Jorge Mendes, a frente de incêndio na Atalaia, na Covilhã, partiu-se em duas e os operacionais tentam agora controlar o avanço do fogo antes que o vento volte a complicar as operações.

Às 07:00, o combate ao único incêndio ativo em Portugal mobilizava 1.234 operacionais, apoiados por 401 viaturas, de acordo com o ‘site’ da ANEPC, consultado pela agência Lusa.

Na tarde de terça-feira, dois bombeiros ficaram feridos na sequência de um acidente rodoviário perto de Sarzedo, Covilhã, no distrito de Castelo Branco.

No entanto, a Proteção Civil espera ter o incêndio na Serra da Estrela dominado nos próximos dois dias, aproveitando a “janela de oportunidade” criada pelo desagravamento das condições meteorológicas, previsto a partir da próxima madrugada.

Além disso, o cheiro a queimado e o fumo resultantes fogo chegaram às regiões espanholas de Madrid e Castela e Leão, indicaram a imprensa e os serviços de emergência locais.

Risco máximo de incêndio

Cerca de 50 concelhos dos interior Norte e Centro, Alto Alentejo e Algarve estão hoje em risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com a informação disponível no ‘site’ do IPMA, os concelhos em risco máximo pertencem aos distritos de Bragança, Guarda, Castelo Branco, Leiria, Coimbra, Santarém, Portalegre e Faro.

O IPMA colocou ainda em risco muito elevado e elevado mais de 160 municípios do interior Norte e Centro do país, do litoral dos distritos de Aveiro, Leiria e Lisboa, assim como toda a região do Alentejo.

O risco de incêndio, determinado pelo IPMA, tem cinco níveis, que vão de ‘reduzido’ a ‘máximo’, e os cálculos são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Para hoje, as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera apontam para céu pouco nublado ou limpo, com mais nebulosidade no Norte e Centro até ao meio da tarde, e possibilidade de ocorrência de aguaceiros fracos no Norte e Centro.

O IPMA indica ainda que o vento vai soprar forte no litoral oeste e nas terras altas, com rajadas até 65-70 km/h.

As temperaturas mínimas vão oscilar entre os 10 graus Celsius (Guarda) e os 18º (Aveiro), e as máximas entre os 21º (Aveiro) e os 30º (Faro e Castelo Branco).

País

Mais País

Patrocinados