Rússia alerta para perigo de nova "crise de mísseis" na Europa

Agência Lusa , PF
10 dez 2021, 17:11
Sergei Ryabkov (AP)
Sergei Ryabkov (AP)

Aviso feito pelo "número dois" da diplomacia russa, Sergei Ryabkov

PUB

A Rússia alertou esta sexta-feira para o perigo de uma nova "crise de mísseis" na Europa com a instalação de armamento de curto e médio alcance nos países-vizinhos, enquanto persistem tensões devido à concentração de tropas russas perto da Ucrânia.

“É necessário, antes que seja tarde, evitar uma nova crise de mísseis na Europa. O surgimento de armamento de curto e médio alcance nesses territórios é inaceitável”, frisou o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Ryabkov, citado pela agência noticiosa oficial Novosti, numa alusão à presença da NATO.

PUB

Além das garantias de segurança que a Rússia pede à Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) para que não se aproxime das suas fronteiras e não coloque armas modernas na Ucrânia, Moscovo reiterou esta sexta-feira o pedido ao Ocidente, defendendo que seja introduzida uma moratória “verificável” sobre o envio de mísseis na Europa.

“De qualquer forma, colegas, países da NATO, vamos abordar seriamente a questão de como tornar bilateral, mútua e verificável a atual moratória unilateral da Rússia sobre a implantação de tais sistemas [de mísseis]. As nossas propostas estão sobre a mesa. Não devem ignorá-las”, afirmou Ryabkov. 

PUB
PUB
PUB

Já na quinta-feira, Ryabkov, “número dois” da diplomacia russa, atrás de Serguei Lavrov, tinha feito um alerta semelhante, ao não descartar uma repetição da crise dos mísseis cubanos de 1962. 

“Se, como dizem, os camaradas do outro lado [Estados Unidos e NATO] não entenderem e tudo continuar como está, é possível que, de acordo com a lógica do desenrolar dos acontecimentos, acordemos repentinamente e nos encontremos numa situação algo semelhante”, afirmou. 

"Seria um fracasso da diplomacia em geral, um fracasso da política externa, mas ainda há tempo para tentar chegar a um acordo em bases sólidas”, acrescentou Ryabkov, referindo-se às garantias de segurança que o Presidente russo, Vladimir Putin, propôs ao homólogo norte-americano, Joe Biden, na cimeira virtual de dia 7 deste mês.

Biden disse que espera anunciar uma série de reuniões de alto nível com os seus principais aliados na NATO e com a Rússia para “acalmar a tensão” entre as partes, mas garantiu que está a preparar, paralelamente, graves sanções caso Moscovo decida invadir a Ucrânia. 

PUB
PUB
PUB

Os Estados Unidos e a Ucrânia acreditam que a Rússia está a preparar uma incursão no território ucraniano que poderá ocorrer no início de 2022, depois de ter destacado entre 70 mil e 94 mil soldados para a fronteira com o país vizinho, segundo estimativas da inteligência de Washington e Kiev.

Ryabkov garantiu que a Rússia encontrará maneiras de responder às novas sanções dos Estados Unidos e à ameaça de desligar o país do sistema de transferência de dados bancários SWIFT.

Relacionados

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados