“Quase morri depois de dar à luz a minha filha, Olympia”, por Serena Williams

CNN , Por Serena Williams
9 ago, 19:27
Serena Williams e a filha Alexis Olympia

No dia em que a tenista de 41 anos anunciou para breve o adeus ao ténis, republicamos um texto de 2018 assinado por Serena Williams: “O que a minha experiência de parto me ensinou sobre dar à luz”. Serena Williams é considerada por muitos a melhor tenista de todos os tempos.

Quase morri depois de dar à luz a minha filha, Olympia.

No entanto, considero-me afortunada.

Tive uma gravidez bastante fácil, mas a minha filha nasceu numa cesariana de emergência, após o seu ritmo cardíaco ter baixado drasticamente durante as contrações. A cirurgia correu suavemente. Antes que eu desse por isso, Olympia estava nos meus braços. Foi a sensação mais espantosa que alguma vez tive na minha vida. Mas o que se seguiu apenas 24 horas depois de dar à luz foram seis dias de incerteza.

13 de setembro de 2017: Serena Williams publica na sua conta do Instagram uma fotografia da sua filha então recém-nascida. 

Começou com uma embolia pulmonar, uma condição em que uma ou mais artérias dos pulmões ficam bloqueadas por um coágulo de sangue. Devido à minha história médica com este problema, vivo com medo desta situação. Assim, quando fiquei com falta de ar, não esperei um segundo para alertar as enfermeiras.

Isto provocou uma série de complicações de saúde, a que tive a sorte de ter sobrevivido. Primeiro, a minha cicatriz da cesariana abriu-se, devido à tosse intensa que sofri em resultado da embolia. Regressei à maca da cirurgia, onde os médicos encontraram no meu abdómen um grande hematoma, um inchaço de sangue coagulado. E depois voltei à sala de operações para um procedimento que impede os coágulos de viajarem para os meus pulmões. Quando finalmente cheguei a casa da minha família, tive de passar as primeiras seis semanas de maternidade na cama.

Estou tão grata por ter tido acesso a uma equipa médica tão incrível de médicos e enfermeiros num hospital com equipamento de última geração. Eles sabiam exatamente como lidar com esta complicada reviravolta dos acontecimentos. Se não fosse pelos seus cuidados profissionais, eu não estaria aqui hoje.

De acordo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças, as mulheres negras nos Estados Unidos têm mais de três vezes probabilidades maiores de morrer de causas relacionadas com a gravidez ou com o parto. Mas isto não é apenas um desafio nos Estados Unidos. Em todo o mundo, milhares de mulheres lutam para dar à luz nos países mais pobres. Quando têm complicações como a minha, muitas vezes não há medicamentos, instalações de saúde ou médicos para as salvar. Se não quiserem dar à luz em casa, têm de percorrer grandes distâncias no auge da gravidez. Antes mesmo de trazerem uma nova vida a este mundo, as cartas já estão empilhadas contra elas.

Aqui está a realidade de uma mulher, tal como documentado pela UNICEF. No Malawi, Mary James caminhou horas para chegar ao centro de saúde mais próximo, enquanto estava em trabalho de parto. Exausta, ela conseguiu chegar às instalações e deu à luz, mas para perder o seu filho nesse dia mais tarde. Ela escolheu um nome para ele, mas ele nunca abriu os olhos. Ele nunca chorou. Ela guardou o nome para si própria. Infelizmente, o filho sem nome de Maria não era o único. Nesse mesmo dia, cerca de 2.600 bebés morreram no seu primeiro dia de vida.

Segundo a UNICEF, 2,6 milhões de recém-nascidos morrem todos os anos, tragicamente antes mesmo de as suas vidas realmente começarem. Mais de 80% morrem de causas evitáveis. Sabemos que existem soluções simples, como o acesso a parteiras e instalações de saúde funcionais, juntamente com a amamentação, contacto pele-com-pele, água limpa, medicamentos básicos e uma boa nutrição. No entanto, não estamos a fazer a nossa parte. Não estamos à altura do desafio de ajudar as mulheres do mundo.

O bebé de Mary morreu porque não havia médicos ou enfermeiras em número suficiente para o salvar. Este é um problema crónico que atormenta os países mais pobres. Mas e se vivêssemos num mundo em que houvesse assistentes de parto em número suficiente? Onde não houvesse falta de acesso a instalações de saúde nas proximidades? Onde os medicamentos que salvam vidas e a água potável estivessem facilmente disponíveis para todos? Onde as parteiras poderiam ajudar e aconselhar as mães após o nascimento? E se vivêssemos num mundo em que todas as mães e recém-nascidos pudessem receber cuidados de saúde acessíveis e prosperar nas suas vidas?

Esse mundo é possível. E temos de ousar sonhar com ele para cada mulher negra, para cada mulher no Malawi, e para cada mãe que ande por aí.

Em todo o mundo, organizações como a UNICEF estão empenhadas em dar soluções simples em nome de cada mãe e recém-nascido. Estas soluções incluem o recrutamento e formação de mais médicos e parteiras, garantindo instalações de saúde limpas e funcionais, disponibilizando os dez melhores medicamentos e equipamentos salva-vidas, e o mais importante, capacitando as raparigas adolescentes para exigir cuidados de qualidade.

Todas as mães, independentemente da raça ou origem, merecem ter uma gravidez e um parto saudáveis. E você pode ajudar a tornar isto uma realidade.

Como? Pode exigir aos governos, empresas e prestadores de cuidados de saúde que façam mais para salvar estas vidas preciosas. Pode doar à UNICEF e a outras organizações em todo o mundo que trabalham para fazer a diferença para mães e bebés necessitados. Ao fazê-lo, torna-se parte desta história - assegurando que um dia, quem você é ou de onde é não decidem se o seu bebé vai viver ou morrer.

Juntos, podemos fazer esta mudança. Juntos, podemos ser a mudança.

Artigo originalmente publicado na CNN a 20 de fevereiro de 2018

Leia também:

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados