A próxima fronteira na batalha tecnológica entre os EUA e a China

CNN , Rishi Iyengar
10 ago, 16:59
Bosch investe no negócio de semicondutores

A batalha pela independência (ou pela não dependência) na produção de semicondutores pode ditar o vencedor na economia global do futuro

A corrida ao armamento tecnológico entre os Estados Unidos e a China tem atravessado tudo, desde smartphones e telemóveis até às redes sociais e inteligência artificial. Mas está a surgir um novo campo de batalha que vai a um nível mais profundo: aos componentes que alimentam os nossos smartphones, computadores, automóveis e eletrodomésticos.

O Presidente dos EUA, Joe Biden, assinou esta terça-feira nova legislação destinada a impulsionar a indústria de semicondutores dos EUA, numa tentativa de fazer face a uma longa escassez de chips informáticos e a reduzir a dependência de outros países, tais como a China, para a produção. Denominado CHIPS e Science Act, a lei dá incentivos à fabricação de semicondutores domésticos, bem como à investigação e desenvolvimento, incluindo mais de 50 mil milhões de dólares [48,4 mil milhões de euros] em financiamento e investimento adicional na Fundação Nacional de Ciência, no Departamento de Comércio e no Instituto Nacional de Normas e Tecnologia.

A China é há muito uma força dominante no fabrico de tecnologia, com empresas como a Apple, Google e Microsoft a dependerem significativamente do país para fabricar os seus dispositivos e as peças que os compõem. A China também ganhou rapidamente terreno no mercado de semicondutores, classificando-se em primeiro lugar a nível mundial na montagem, embalagem e testagem e em quarto - à frente dos Estados Unidos - na fabricação de wafers [produção de semicondutores através de repetição de processos sequenciais], de acordo com uma análise recente do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais dos EUA.

A crescente concentração da China no seu fabrico doméstico resulta provavelmente das restrições dos EUA a algumas das suas maiores empresas de semicondutores. As vendas de semicondutores da China cresceram mais de 30% em 2020, atingindo quase 40 mil milhões de dólares, de acordo com números da Associação da Indústria de Semicondutores (SIA), um agrupamento comercial cujos membros incluem a IBM, Intel, AMD, Qualcomm e Nvidia.

Mas a pandemia da Covid-19 causou um défice global no fornecimento de chips, com questões agravadas este ano pelos rigorosos confinamentos da China, que paralisaram fábricas e prejudicaram as cadeias de abastecimento. Várias regiões estão agora a repensar a sua abordagem à indústria, a fim de se tornarem mais autosuficientes e reduzirem a exposição à produção chinesa.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, tem repetidamente tocado na importância da "partilha entre amigos", ou da deslocação de cadeias de abastecimento através de aliados norte-americanos como a Coreia do Sul e o Japão, para isolar ainda mais a indústria tecnológica da China. Os legisladores europeus, entretanto, propuseram investimentos no valor de dezenas de milhares de milhões ao longo dos próximos anos para impulsionar a indústria de semicondutores do continente.

A China, por seu lado, continua a tentar fazer crescer a sua indústria de semicondutores como parte de um plano quinquenal anunciado no ano passado.

"Há um crescente reconhecimento global de que estas são as tecnologias que irão determinar quem 'vence' na futura economia global", disse Kenton Thibaut, do Laboratório de Investigação Forense Digital do Atlantic Council em Washington DC, à CNN. No entanto, acrescentou, ser completamente autossuficiente na produção de chips é mais fácil de dizer do que de fazer, devido às camadas de tecnologia e conhecimentos especializados envolvidos. "Não é realmente possível ganhar um lugar de topo na cadeia de fornecimento de semicondutores como um todo".

Complicando ainda mais a questão está Taiwan, a ilha autogovernada ao largo da costa da China que se tornou um ponto de calor diplomático e militar entre Washington e Pequim. As tensões em torno de Taiwan, que o Partido Comunista Chinês vê como o seu próprio território apesar de nunca ter controlado a ilha, aumentaram rapidamente após a visita do Presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan na semana passada.

Taiwan é fundamental para a indústria global de semicondutores, com vários dos principais fabricantes mundiais sediados no país, incluindo fornecedores da Apple, a Foxconn e a Pegatron. O maior desses fabricantes, a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC), é responsável por cerca de 90% dos chips de computador superavançados do mundo.

"Ninguém pode controlar a TSMC pela força", disse o presidente da empresa, Mark Liu, numa entrevista recente à CNN. "Se tivermos uma força militar ou invasão, tornaremos a fábrica da TSMC inoperante, porque esta é uma instalação de fabrico tão sofisticada [que] depende da ligação em tempo real com o mundo exterior - com a Europa, com o Japão, com os EUA".

Um empurrão para reforçar a produção dos EUA

A TSMC já se comprometeu com construir uma fábrica de semicondutores no Arizona, nos EUA, no valor de pelo menos 12 mil milhões de dólares, estando o início da produção previsto para 2024. Outro fabricante de Taiwan, a GlobalWafers, prometeu recentemente cinco mil milhões de dólares para a construção de uma fábrica de placas de silício no Texas, e os conglomerados sul-coreanos Samsung e SK Group apresentaram no início deste ano planos de dezenas de milhares de milhões de dólares para aumentar a sua presença no fabrico de tecnologia nos EUA.

O investimento da TSMC é anterior ao CHIPS e ao Science Act, mas é provável que a legislação estimule mais empresas a trazerem fábricas para os Estados Unidos, segundo Zachary Collier, professor assistente de gestão na Universidade de Radford, na Virgínia, especializado em análise de risco.

"É um processo muito capital-intensivo construir uma grande fábrica como esta, e qualquer coisa que retire alguns desses custos incentiva as empresas a trazerem essas coisas para terra", disse. A legislação destina quase 53 mil milhões de dólares nos próximos cinco anos para expandir a fabricação de semicondutores nos EUA, incluindo 1,5 mil milhões de dólares para empresas de telecomunicações que competem com empresas chinesas como a Huawei. As empresas que investem na fabricação de semicondutores também receberão um crédito fiscal de 25%.

Mesmo além dos incentivos a curto prazo, as empresas podem estar desejosas de estabelecer uma presença no fabrico dos EUA devido à relativa estabilidade, segurança, classe trabalhadora altamente instruída e, talvez o mais importante, à enorme procura do país. Collier estima que os Estados Unidos são responsáveis por um quarto da procura global de semicondutores, mas apenas 12% da indústria transformadora. E a TSMC diz que a América do Norte, em geral, representa 65% das suas receitas, com a China e o Japão a representarem 10% e 5%, respetivamente.

As empresas "tentariam apressar-se e satisfazer essa procura", disse Collier. Mas substituir a China de um dia para o outro - ou talvez de todo - não será fácil.

"Neste momento, a China tem a vantagem de ter uma estratégia concertada em torno da introdução das suas tecnologias e do fornecimento de infraestruturas críticas aos países que delas necessitam", disse Thibaut. "Os EUA e outras democracias precisam também de desenvolver uma estratégia em torno da tecnologia que não se concentre apenas em competir com a China, mas que seja também pró-activa no fornecimento de soluções reais para as necessidades reais".

Não importa o quanto os países tentem apoiar as suas bases de produção local, será provavelmente praticamente impossível dissociar da cadeia de fornecimento global, particularmente para produtos tão integrais e intrincados como os semicondutores. A conceção, fabrico, produção e mesmo as matérias-primas para chips são distribuídas por vários países e regiões diferentes.

"É realmente uma teia enorme", disse Collier, acrescentando que por muito que os países tentem localizar a produção, um grau de interdependência é inevitável. "É global, de uma forma ou de outra".

Tecnologia

Mais Tecnologia

Patrocinados