Costuma deitar-se tarde? Então é melhor ler este artigo

CNN , Sandee LaMotte
24 set, 23:40
Dormir

Noctívagos têm elevado risco de certas doenças crónicas, diz um novo estudo

Se prefere ir para a cama e levantar-se mais tarde - um cronotipo de sono conhecido como “ave noturna” -, pode estar em maior risco de diabetes tipo 2 e de doenças cardíacas, apurou um novo estudo.

As aves noturnas são mais sedentárias, têm níveis de aptidão aeróbica mais baixos e queimam menos gordura em repouso e enquanto estão ativas do que as “aves” que se deitam cedo, segundo as observações realizadas no estudo. As aves noturnas são também mais suscetíveis de serem resistentes à insulina, o que significa que os seus músculos requerem mais insulina para poderem obter a energia de que necessitam, de acordo com o estudo publicado na segunda-feira na revista Experimental Physiology.

"A insulina diz aos músculos para serem uma esponja e absorverem a glicose no sangue", explica o autor sénior do estudo, Steven Malin, professor associado no departamento de cinesiologia e saúde da Universidade Rutgers em Nova Jersey, Estados Unidos.

“Pense nisso como a água de uma torneira: liga-se a água e uma gota toca na esponja e é imediatamente absorvida”, diz Malin. “Mas se não se estiver a exercitar, a envolver esses músculos, é como se essa esponja ficasse parada durante uns dias e ficasse dura como pedra. Uma gota de água não vai tornar a esponja mole novamente”.

Se o cronotipo do sono está a afetar a forma como os nossos corpos utilizam a insulina e o metabolismo, então saber que se é uma pessoa noctívaga pode ser útil para prever o risco de doença cardíaca e diabetes tipo 2, acrescenta Malin.

“O estudo acrescenta ao que sabemos”, explica. Phyllis Zee, diretora do Center for Circadian and Sleep Medicine na Northwestern University Feinberg School of Medicine, em Chicago, que não esteve envolvida na investigação.

“Há boas provas de que ser alguém que adormece tarde tem estado ligado a um risco mais elevado de doenças metabólicas e cardiovasculares", afirma Zee, que é também professora de neurologia. “Foram propostos vários mecanismos: perda de sono, desalinhamento circadiano, comer mais tarde durante o dia e estar exposto a menos luz matinal e mais luz noturna, que demonstraram afetar a sensibilidade insulínica".

Todos os seres humanos têm um ritmo circadiano - um relógio corporal interno de 24 horas que regula a libertação da melatonina hormonal para promover o sono, cessando a produção para que acordemos. O nosso relógio corporal também orienta quando temos fome, quando nos sentimos mais lentos, e quando nos sentimos suficientemente vivaços para fazer exercício, entre muitas outras funções corporais.

O relógio humano

Tradicionalmente, o nascer do sol e o cair da noite regulavam o ciclo humano sono-vigília. A luz do dia entra nos olhos, viaja para o cérebro e emite um sinal que suprime a produção de melatonina. Quando o sol se põe, o relógio do corpo volta a ligar a produção de melatonina, e algumas horas mais tarde chega o sono.

O seu cronotipo pessoal de sono, pensado para ser herdado, pode alterar esse ritmo natural. Se for uma “ave matinal”, o seu ritmo circadiano liberta a melatonina muito mais cedo do que a norma, energizando-o para tornar-se mais ativo pela manhã. No entanto, nas “aves noturnas”, o relógio interno do corpo segrega a melatonina muito mais tarde, tornando as manhãs mais lentas e empurrando o pico de atividade e o estado de alerta para a tarde e a noite.

O cronotipo do sono pode ter efeitos profundos na produtividade, desempenho escolar, funcionamento social e hábitos de vida, dizem os especialistas. As “aves matinais” tendem a ter um melhor desempenho na escola, e são mais ativas ao longo do dia, o que pode explicar em parte porque é que os estudos descobriram que elas têm menos risco de doenças cardiovasculares, explica Malin.

Os tipos noturnos podem correr mais riscos, consumir mais tabaco, álcool e cafeína, e são mais propensos a faltar ao pequeno-almoço e comer mais ao fim do dia. Além disso, a investigação sugere que “os cronotipos posteriores têm maior gordura corporal localizada no estômago ou na região abdominal, uma área que muitos profissionais de saúde acreditam ser pior para a nossa saúde”, diz Malin.

Os investigadores classificaram 51 adultos sem doenças cardíacas ou diabetes em cronotipos da manhã ou da noite, com base nas suas preferências naturais de sono e despertar. Durante o estudo, os participantes comeram uma dieta controlada e jejuaram durante a noite, enquanto os seus níveis de atividade foram monitorizados durante uma semana.

Gordura ou carboidratos?

A equipa de investigação determinou a massa corporal, composição corporal e nível de aptidão física de cada pessoa, e mediu os níveis de sensibilidade à insulina. Além disso, os investigadores analisaram a forma como o metabolismo de cada pessoa obteve a maior parte da sua energia, quer através da gordura ou dos hidratos de carbono.

“O metabolismo da gordura é importante porque pensamos que se se pode queimar gordura por energia, isso vai ajudar o músculo a ter a glicose de uma forma mais duradoura", diz Malin.

Queimar gordura pode promover a resistência e mais atividade física e mental ao longo do dia. Os hidratos de carbono, por outro lado, são o que o corpo utiliza para uma atividade física intensa. Os hidratos de carbono são queimados mais rapidamente, e é por isso que muitos atletas os tomam antes de uma corrida ou maratona.

Os resultados do teste mostraram que as “aves matinais” utilizavam mais gordura para energia, tanto em repouso como durante o exercício, do que as “aves noturnas” no estudo, que utilizavam mais carboidratos como fonte de combustível.

Há necessidade de mais investigação, defende Malin, para confirmar os resultados e determinar se as diferenças metabólicas se devem ao cronotipo ou a um potencial desalinhamento entre a preferência natural de uma “ave noturna” e a necessidade de acordar cedo devido às horas estabelecidas pela sociedade para o trabalho e a escola.

Diz-se que as pessoas que estão continuamente fora de sincronia com o seu relógio corporal inato estão em “jet lag social”.

“Isto estende-se para lá da simples diabetes ou doenças cardíacas”, diz Malin. “Pode apontar para uma questão social maior. Como estamos a ajudar as pessoas que possam estar em desalinhamento? Estaremos nós, como sociedade, a forçar as pessoas a comportarem-se de formas que possam estar realmente a colocá-las em risco?”

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados