Apneia do sono e ressonar: 8 sinais de alerta a ter em conta

CNN , Sandee LaMotte
10 jun 2023, 17:00
Dormir

Se não for tratada, a apneia obstrutiva do sono coloca-o em risco elevado de hipertensão, doença cardíaca, diabetes tipo 2 ou depressão, ou mesmo de morte prematura

A apneia obstrutiva do sono é uma perturbação grave do sono em que as pessoas deixam de respirar durante 10 segundos ou mais de cada vez. 

O ressonar pode ser um indicador relevante da apneia obstrutiva do sono – mas todos nós ressonamos em algum momento das nossas vidas. Uma constipação ou alergia pode obstruir as passagens nasais, umas bebidas demasiado perto da hora de dormir relaxam automaticamente os músculos da língua, do palato e da garganta e, quando damos por isso, estamos inconscientemente a forçar o ar a passar pelos tecidos moles, provocando vibrações que se manifestam sob a forma de ressonar. 

"Ressonar pode ser normal e não é algo com que se deva preocupar", afirma a especialista do sono Rebecca Robbins, instrutora na área de medicina do sono da Escola de Medicina de Harvard. "Quando o ressonar é alto e estridente, ou é interrompido por pausas na respiração, é aí que devemos começar a ficar preocupados." 

Estima-se que pelo menos 25 milhões de adultos americanos e 936 milhões de adultos com idades compreendidas entre os 30 e os 69 anos em todo o mundo possam sofrer de apneia obstrutiva do sono, havendo muitas mais pessoas sem diagnóstico. 

"Pode ser muito, muito assustador"

Chama-se apneia "obstrutiva" do sono porque, ao contrário da apneia central do sono – em que o cérebro ocasionalmente não diz ao corpo para respirar – a apneia obstrutiva do sono deve-se a um bloqueio das vias respiratórias por tecidos moles fracos, pesados ou relaxados. 

"Está a fazer um esforço com a barriga e o peito para tentar fazer entrar e sair o ar, mas devido à obstrução das vias respiratórias superiores, não consegue. Muitas vezes não nos apercebemos desta luta, mas ela pode ser muito, muito assustadora para quem a observa", afirma o especialista em sono Raj Dasgupta, professor associado de medicina clínica na Escola de Medicina Keck da Universidade da Califórnia do Sul. 

Se não for tratada, a apneia obstrutiva do sono coloca-o em risco elevado de hipertensão, doença cardíaca, diabetes tipo 2 ou depressão, ou mesmo de morte prematura, de acordo com a Academia Americana de Medicina do Sono. 

Como é que se pode saber se o ressonar se tornou perigoso para a saúde? Os especialistas do sono utilizam um questionário do sono com um acrónimo fácil de seguir: STOP BANG. 

S de “Snoring” (ressonar, em português) 

O ressonar é um indicador-chave, pelo que é óbvio que encabeça a lista de potenciais sinais de alerta. Mas não se trata de um ressonar levezinho e tímido, e muito menos de um ressonar a que alguém possa chamar "fofo". 

"Estamos a falar de um ressonar alto e desagradável, do tipo que abafa as conversas ou é ouvido através de portas fechadas", afirma Dasgupta. 

T de “Tired” (cansado) 

Estar muito cansado durante o dia é um indicador importante de um sono deficiente. Combinado com o ressonar, pode ser um sintoma revelador de apneia do sono. 

"Adormecer sempre que tiver um momento – sentar-se para uma pausa depois do almoço, num cinema – são sintomas característicos, juntamente com a fadiga e o ressonar", afirma Robbins, coautor do livro Sleep for Success! Tudo o que tem de saber sobre o sono mas está demasiado cansado para perguntar. 

O de “observado” 

Muitas pessoas – se não a maioria – não fazem ideia de que ressonam durante a noite. Nem sabem que deixam de respirar durante a noite – a não ser que o bloqueio seja tão grave que acordam a arfar e asfixiadas. 

"O «O» é de apneia observada, e isso é realmente pior do que apenas ressonar", diz Dasgupta. "Uma apneia significa que não há fluxo de ar – não há entrada nem saída de ar. A pessoa não está a respirar. A apneia observada é realmente uma bandeira vermelha." 

Os parceiros são muitas vezes fundamentais para a identificação da apneia obstrutiva do sono. 

"Observar o seu parceiro a parar de respirar, ressonar, tossir ou ofegar por ar são sinais de que o ressonar pode não ser normal, e então é algo que merece a atenção de um especialista do sono", diz Robbins. 

P de “pressure” (tensão) – tensão arterial elevada 

A apneia obstrutiva do sono pode levar à hipertensão. Sempre que uma pessoa pára de respirar durante alguns segundos, o sistema nervoso simpático do corpo entra em ação e aumenta a pressão arterial. Além disso, o corpo liberta hormonas de stress chamadas catecolaminas, que também podem aumentar a pressão arterial ao longo do tempo. 

Embora a hipertensão, por si só, não seja um sinal de perturbação do sono, pode ser um sinal de alerta quando combinado com outros sinais reveladores. Felizmente, os tratamentos para a apneia obstrutiva do sono, como a pressão positiva contínua nas vias respiratórias, ou a terapia CPAP, não só demonstraram ajudar na apneia do sono, como também reduzem a tensão arterial. 

B de BMI (Body Mass Index ou Índice de Massa Corporal) 

O índice de massa corporal é uma classificação normalmente utilizada para indicar os níveis de peso. Para medir o IMC, os profissionais de saúde utilizam dados de altura e peso para registar as alterações de peso em relação à altura. O seu peso é considerado normal se o seu IMC se situar entre 18,5 e 24,9. Considera-se que tem excesso de peso quando o seu IMC se situa entre 25 e 29,9 - e um IMC de 30 ou mais indica que é obeso. 

As pessoas obesas ou extremamente obesas – com um IMC igual ou superior a 35 – sofrem frequentemente de apneia obstrutiva do sono, porque o peso extra na boca, língua e pescoço faz colapsar esses tecidos moles, tornando mais difícil respirar facilmente sem ressonar. 

"A perda de peso pode ser uma parte significativa das recomendações de um profissional de saúde para tratar a apneia do sono", diz Robbins. 

A apneia obstrutiva do sono tem vindo a aumentar em todo o mundo à medida que a obesidade atinge proporções epidémicas, mas não era vista com tanta frequência antes da década de 1970, acrescenta. 

A de “Age” (idade)

O tónus muscular enfraquece à medida que envelhecemos, incluindo no palato mole e no pescoço. Por isso, ter mais de 50 anos é outro sinal potencial de que o ressonar pode ser – ou transformar-se em – apneia obstrutiva do sono. 

Há boas notícias: os estudos estão a começar a descobrir que a apneia do sono nos idosos tende a ser do tipo ligeiro a moderado, sendo que os casos mais graves ocorrem em idades mais jovens. 

Ter um grande perímetro do pescoço, devido ao excesso de peso ou à genética, é também um indicador importante de uma potencial apneia obstrutiva do sono. 

"Agora não quer ser um esquisito e começar a medir o pescoço do seu ente querido à noite", diz Dasgupta. "A regra geral é que um tamanho de colarinho superior a 43 centímetros para um homem e superior a 40,6 centímetros para uma mulher vai colocá-los em maior risco de apneia do sono. " 

É homem? Então, infelizmente, isso também o coloca com um risco acrescido de apneia obstrutiva do sono. Algumas das razões podem ser o facto de os homens tenderem a ter uma língua mais gorda e transportarem mais gordura na parte superior do corpo do que as mulheres, especialmente no pescoço. Os homens também tendem a ter mais "gordura na barriga", o que pode dificultar a respiração em geral. 

"No entanto, vemos definitivamente muito mais apneia obstrutiva do sono em mulheres após a menopausa", diz Dasgupta. 

Um alto risco precisa de avaliação 

Agora é altura de avaliar o seu risco. Atribua a si próprio um ponto por cada resposta "sim". Se a sua pontuação for entre 5 e 8, tem um risco elevado de ter apneia obstrutiva do sono e deve ser avaliado por um especialista do sono. 

Atribua a si próprio um ponto por cada resposta "sim" a estas perguntas: Ressona? Sente-se cansado durante o dia? O seu parceiro vê-o a ressonar? Tem tensão arterial elevada? Tem excesso de peso? É mais velho? Tem um perímetro do pescoço maior? É homem? 

Se obteve uma pontuação entre 5 e 8, corre um risco elevado de ter apneia obstrutiva do sono e deve ser avaliado por um especialista do sono. 

"Hoje em dia, é muito mais fácil fazer testes do sono do que em anos anteriores, quando só era possível indo a um laboratório do sono", afirma Dasgupta. "Não é preciso ficar preso no laboratório com todos aqueles fios em cima de si, parecendo o Frankenstein. Pode fazer um teste do sono em casa, na sua própria cama, o que é ótimo." 

Mas não ignore os seus sintomas, pois os efeitos negativos para a saúde não devem ser ignorados, diz a Academia Americana de Medicina do Sono. "Tal como um alarme de incêndio, o ressonar é um aviso de perigo que exige a sua atenção." 

Se a sua pontuação se situar entre 0 e 2, o seu risco é obviamente baixo, pelo que o ressonar não deverá ser uma grande preocupação para a sua saúde. Uma pontuação entre 3 e 4 coloca-o num risco intermédio, mas isso não significa que deva ignorar os seus sintomas, especialmente se partilhar a cama com outra pessoa, diz Dasgupta. 

"É sempre bom ser uma pessoa simpática e, se isso afetar o seu parceiro, penso que vale a pena ser avaliado", afirma. "Se o seu companheiro é acordado várias vezes durante a noite pelo seu ressonar ou não consegue adormecer por causa dos seus roncos, então esse companheiro vai ficar privado de sono, e isso não é bom para a sua saúde. Por isso, nem sempre se trata de nós próprios." 

Tratamentos 

O tratamento de eleição para a apneia do sono é a utilização de uma pressão positiva contínua nas vias respiratórias, ou a terapia CPAP. Ao empurrar o ar para os pulmões através de uma máscara nasal, o dispositivo ajuda a manter as vias respiratórias desobstruídas durante toda a noite. 

A perda de peso pode diminuir significativamente – ou mesmo eliminar – a apneia obstrutiva do sono, uma vez que a perda de massa de tecido na boca, língua e pescoço alivia a pressão sobre as vias respiratórias. Os médicos podem também prescrever um aparelho oral concebido para alargar as vias respiratórias, deslocando a língua ou o maxilar para a frente. 

Se questões anatómicas, como pólipos nasais, amígdalas ou adenoides aumentadas ou um desvio do septo, estiverem a contribuir para a apneia, pode ser recomendada a cirurgia. 

Os casos ligeiros de apneia do sono podem responder à "terapia posicional", uma forma elegante de dizer que manter as pessoas a dormir de lado e não de costas durante o sono pode melhorar o fluxo das vias respiratórias e reduzir o ressonar. 

"Sou um grande adepto de soluções simples e caseiras, como coser bolas de ténis na parte de trás do pijama para evitar que as pessoas se virem de costas", afirma Dasgupta. 

"É possível ser ainda mais criativo colocando um sutiã em alguém ao contrário e depois colocando bolas de ténis nas copas", sugere Robbins.

Saúde

Mais Saúde

Mais Lidas

Patrocinados