3 em cada 5 pais escolhem comida rápida e não saudável para os filhos 'esquisitos'. Isto é o que pode fazer

CNN , Madeline Holcombe
12 mai, 11:00
fast food (foto: marcel heil)

Cada um dos três filhos de Tara Marklin tem abordagens muito diferentes em relação à alimentação: o mais velho come a maior variedade de alimentos, o do meio gosta de legumes mas tem uma posição forte em relação a outros alimentos e o filho de 3 anos quer viver de oxigénio e macarrão com queijo, disse ela.

Com as complicações acrescidas das atividades pós-escolares e do horário de trabalho, é um esforço sério garantir que a sua família se possa reunir à volta da mesa e partilhar uma refeição nutritiva que todos apreciem, disse Marklin, que vive em Geórgia, EUA.

Ela faz uma refeição para todos, mas muitas pessoas lidam com o stress da hora do jantar de uma forma diferente, de acordo com um novo inquérito.

Se os seus filhos não gostarem do que os outros estão a comer, 3 em cada 5 pais preparam outra coisa para eles, de acordo com os dados da Sondagem Nacional sobre a Saúde Infantil do Hospital Pediátrico C.S. Mott da Universidade de Michigan.

“Isto é preocupante porque, normalmente, as opções alternativas não são tão saudáveis como as que estão a ser oferecidas como refeição familiar”, afirmou a Susan Woolford, codiretora do Mott Poll.

O inquérito abrangeu mais de mil pais de crianças com idades compreendidas entre os três e os 10 anos - fases importantes para o estabelecimento de padrões de alimentação saudável, afirmou Woolford, que é também pediatra e professora associada da Mott, especializada na prevenção e tratamento da obesidade infantil.

Uma refeição de substituição de nuggets de frango ou pizza pode ser tentadora para garantir que os seus filhos não passam fome, mas há melhores formas de alimentar as crianças, dando-lhes mais nutrientes, disse ela.

Como introduzir alimentos a pessoas mais exigentes

É natural que as crianças pequenas sejam resistentes a alimentos novos e desconhecidos, mas isso não significa que se deva desistir, disse Woolford.

“Só porque a criança ... parece não gostar de muitos vegetais, não significa que os vegetais não devam ser incorporados na refeição”, acrescentou. “Isto geralmente melhora com o tempo. É uma fase que acaba por passar”.

Os especialistas estimam que são necessárias cerca de 20 exposições para que uma criança deixe de se importar com um novo alimento, acrescentou Woolford. Este processo de familiarização significa que deve continuar a encorajá-los a experimentar alimentos diferentes - e não desanime quando eles fizerem uma careta.

Familiarize os seus filhos com novos alimentos, envolvendo os seus sentidos, disse Natalie Mokari, uma dietista em Charlotte, Carolina do Norte. A que é que cheira? Como é que se sente? De que cor é?

Depois, pode falar sobre as vitaminas e os minerais dos alimentos e sobre todas as coisas boas que podem fazer pelo corpo, acrescentou.

Embora possa não querer fazer uma refeição completamente diferente, Mokari recomenda ter opções de apoio saudáveis que sabe que eles gostam disponíveis depois de os seus filhos experimentarem algo novo.

A criança decide

Também é possível tornar as opções mais nutritivas mais apelativas, colocando algum controlo nas mãos das crianças, afirma Woolford.

“Há uma filosofia que é recomendada, segundo a qual os pais devem fornecer e depois a criança decide”, disse ela.

Talvez os seus filhos tenham experimentado as couves-de-bruxelas e não tenham ficado fãs, mas adoram salada - por isso podem optar por comê-la, sugeriu Woolford.

Também pode ser útil envolver os seus filhos na escolha dos legumes na mercearia e pedir-lhes que ajudem a preparar a refeição, disse ela. Dessa forma, eles podem ficar entusiasmados com a comida.

Vamos acabar com o clube do prato limpo

Se, em criança, teve de se sentar à hora do jantar a olhar para legumes frios que se recusava a comer e não podia sair da mesa enquanto não os comesse, sabe que isso não os torna mais apelativos para comer.

Embora seja importante que os seus filhos experimentem novos alimentos, também é crucial não os forçar a comer muito do que não gostam, disse Woolford. Essa abordagem pode realmente sair pela culatra.

Mokari acrescenta ainda que pressionar demasiado a comida pode criar uma relação em que os legumes são castigos e os alimentos mais tabu se tornam ainda mais valiosos.

E exigir um prato vazio pode ensinar as crianças a passar à frente e a começar a ignorar os seus sinais de fome e de saciedade, disse Woolford.

“Uma das coisas importantes sobre a nutrição é aprendermos a ouvir os sinais que o nosso corpo nos dá e sabermos quando precisamos de comer e quando é altura de parar”, afirmou.

O que fazer com a sobremesa

Assim como os legumes não devem ser um castigo, a sobremesa não deve ser uma recompensa - esse tipo de motivação muitas vezes não corre bem, dizem os especialistas.

“Estamos a criar uma espécie de ciclo negativo em que a criança prefere os alimentos de sobremesa e tem menos probabilidades de gostar de brócolos ou de legumes que se destinam a ser comidos para obter a recompensa”, acrescentou.

E se as crianças souberem que a sobremesa vem sempre a seguir ao jantar, podem aprender a comer as poucas dentadas de que precisam para se saciarem com o doce, diz Mokari.

Ela recomenda não comer a sobremesa todas as noites ou associá-la a um comportamento, mas como uma oferta ocasional. E em vez de ter sempre um doce açucarado depois do jantar, pode oferecer aos seus filhos uma sobremesa aleatória como um gelado a meio do dia.

Há muitas estratégias em torno da alimentação, mas com tantas coisas que causam stress quando se trata de criar três rapazes, Marklin diz que aprendeu a ficar menos obcecada e a fazer o melhor que pode para manter os seus filhos felizes, nutridos e alimentados.

“Para mim, tudo se resume a tentar ensiná-los a ouvir o seu corpo e a certificar-me de que estamos a alimentá-lo com algumas coisas que vão fornecer ao seu corpo uma boa energia”, disse ela. “Eles estão a crescer e estão felizes, e acho que são saudáveis. O pediatra deles acha que são saudáveis. Estou a tentar escolher as minhas batalhas”.

Relacionados

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados