Pandemia "desmascarou sintomas" de doença mental em crianças e adolescentes. Saiba como prevenir e detetar

CNN , John Duffy
5 jun, 15:00
Saúde mental

Há uma crise na saúde mental adolescente, sugerindo um aumento acentuado de doenças mentais, tristeza e desespero, de acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA. Estas descobertas deixam muitos especialistas a perguntar-se se a pandemia impulsionou um aumento de distúrbios de saúde mental diagnosticáveis em adolescentes ou se o impacto da covid-19 exacerbou os sintomas de adolescentes já com dificuldades emocionais.

Como psicóloga com experiência em tratar adolescentes e pré-adolescentes, vi mais crianças no meu gabinete a dizer que os seus problemas de ansiedade, depressão e concentração estavam a piorar significativamente. Perguntei-me se a minha experiência era típica, por isso recorri a John Walkup, chefe de psiquiatria infantil e adolescente da Northwestern University Feinberg School of Medicine e chefe do Departamento de Psiquiatria e Saúde Comportamental no Ann & Robert H. Lurie Children's Hospital of Chicago.

Walkup disse que acredita que a pandemia não impulsionou um aumento da incidência de doença mental entre os adolescentes -- mas tem "desmascarado sintomas" que de outra forma poderiam ter sido geridos.

Falei com Walkup para discutir os resultados da sua investigação e abordar o que os pais e os cuidadores podem fazer para ajudar os seus filhos neste momento.

CNN: Diz que não estamos a assistir a muitas novas doenças mentais em crianças nos últimos dois anos, que o que estamos a ver são dificuldades que foram exacerbadas pela pandemia, correto?

John Walkup: Sim, em média, 20% das crianças nos Estados Unidos têm um problema de saúde mental antes de terminarem o liceu. Apenas metade dessas crianças recebe algum tipo de avaliação ou tratamento, e desta população apenas cerca de 40% recebem benefícios clinicamente significativos. São cerca de 15% das crianças que têm problemas de saúde mental a receber ajuda. Depois tira-se a escola, a família, o apoio dos pares e o desporto, e obrigamo-las a ficar em casa. É óbvio que esses miúdos não se vão sair bem com o tempo.

Há provavelmente um pequeno grupo de crianças que teve covid prolongada e das quais se pode dizer que há algum impacto direto do vírus da covid no cérebro, mas isso é um grupo muito pequeno de crianças. Mas, no geral, quando pensamos no que a covid fez, ela destruiu realmente a infraestrutura para crianças com problemas de saúde mental. Se pensarmos nisso de uma forma um pouco mais profunda, temos vindo a defender a saúde mental das crianças há muito tempo. As famílias e as escolas estão mais cientes dos problemas de saúde mental, por isso temos agora este tipo de tempestade perfeita de maior sensibilização e maior defesa, resultando numa necessidade acrescida de cuidados. E a estrutura para esse cuidado foi desaparecendo nos últimos dois anos.

CNN: Tendo em conta estes números, sente que a pandemia vai realçar as necessidades de saúde mental das crianças, o que não teríamos visto sem esta crise?

Walkup: Acho que teríamos visto um aumento da consciencialização de qualquer forma porque os esforços de defesa estão lá. Agora temos tratamentos eficazes para todas as grandes perturbações psiquiátricas em crianças, e os tratamentos são bons. Uma vez tendo tratamentos, é possível defender eficazmente, certo? Então, antes da pandemia, cada vez mais crianças vinham receber cuidados, bons cuidados. Mas quando se tiram todas as infraestruturas de apoio (escola, atividades, etc.), essas crianças vão tornar-se sintomáticas muito mais depressa. Sem essa infraestrutura, assistimos a um aumento drástico e inesperado da patologia.

CNN: Destacou uma distinção entre doença mental e angústia. Qual é a diferença?

Walkup: Ansiedade e tristeza são emoções humanas normais. A ansiedade ajuda-nos a preparar-nos para resultados difíceis, e a tristeza ajuda-nos a aproximarmo-nos das pessoas. O que trabalhamos em termos de doença mental são formas patológicas de ansiedade ou tristeza. Isso é a depressão clínica e os distúrbios de ansiedade, e essas coisas são qualitativamente diferentes da tristeza humana normal ou ansiedade normal, expectável e proporcional.

Durante a covid-19, quando as crianças não sabiam o que esperar, terão aumentado as taxas de ansiedade e angústia normais porque não estão com os amigos e não estão na escola. Têm perguntas sobre o seu futuro. Mas não é patológico. É expectável, proporcional e compreensível, e vai desaparecer quando as coisas normalizarem.

CNN: Também sugere que a pandemia exerceu um maior impacto nas raparigas e na comunidade LGBT. Alguma ideia do motivo?

Walkup: Quando a pandemia surgiu, mais crianças que não tinham recebido tratamento ou que tinham tido um tratamento deficiente começaram a apresentar-se para receber cuidados. A prevalência de ansiedade e depressão nas raparigas é maior do que nos rapazes, o que pode explicar a procura de tratamento desproporcionado. Mais raparigas precisaram de ajuda que não existiu nos últimos dois anos.

Na comunidade LGBT, esses jovens sentem dificuldades. É difícil ser diferente quando se é jovem. Este grupo também revela taxas mais elevadas de bullying. Muitos sentem que não se enquadram necessariamente, mesmo dentro das suas próprias famílias. Por isso, seria de esperar que esses jovens sentissem dificuldades durante este período de tempo, e assim foi.

CNN: Que fatores de risco devem os pais e os cuidadores procurar agora?

Walkup: Isto é muito importante. Os pais deviam ver o historial familiar. Se houver um distúrbio psiquiátrico algures no historial da família, saiba que essas coisas são genéticas. Passam de uma geração para a seguinte. Também é importante que os pais compreendam que estas perturbações psiquiátricas surgem em momentos muito previsíveis no desenvolvimento. Crianças com Perturbação de Hiperatividade/Défice de Atenção (PHDA) apresentam-nas entre os 4 e os 7 anos. Crianças com distúrbios de ansiedade apresentam-nas entre os 6 e os 12 anos, e as crianças apresentam-se pela primeira vez com distúrbios depressivos em meados da adolescência.

Então, se tiver um historial familiar de PHDA, deve procurar sintomas de PHDA nas suas crianças de 3, 4 e 5 anos. Se tem um distúrbio de ansiedade no seu historial familiar, deve procurar ansiedade entre os 6 e os 12 anos e, da mesma forma, para a depressão. Partilhe essa informação com o seu pediatra. O seu pediatra sabe como estes sintomas se apresentam para que possa atuar desde cedo.

CNN: Está a dizer para não esperar que o perfil de um sintoma se apresente no seu filho? Para se ser pró-ativo?

Walkup: Certo. Se tiver historial familiar da PHDA e tiver uma criança de 2 ou 3 anos, aperfeiçoe as suas técnicas enquanto progenitor, porque estes miúdos são difíceis de criar. Se tiver um historial familiar de distúrbio de ansiedade, a mãe e o pai devem certificar-se de que ambos estão em boa forma emocional. Tem de te tornar destemido porque sabemos que o tratamento para a ansiedade consiste em enfrentar aquelas coisas que são assustadoras ou desafiadoras. Também sabemos que, em famílias onde há um forte historial de depressão, ser fisicamente ativo e estar envolvido no mundo é o melhor tratamento comportamental.

Se conhece o seu historial familiar, sabe a idade do risco inicial, sabe que coisas pode fazer para mitigar esse risco assim que a condição surgir. O seu filho vai estar em muito melhor forma e será mais fácil de tratar se todo esse trabalho tiver sido feito antes de os sintomas se manifestarem.

CNN: O que podem os pais ou cuidadores fazer agora para ajudar os seus filhos a mitigar quaisquer dificuldades emocionais resultantes da pandemia da covid-19?

Walkup: Analise profundamente o historial da sua família e não atribua todos os sintomas à covid. Se tem um historial familiar forte e vê sintomas no seu filho, não os descarte. Leve-os a sério. Aprenda, leia e fale com o seu pediatra, porque eles conhecem estas condições. Vão começar a preparar as bases para a intervenção. Se não precisa de intervenção agora, lançar as bases e estar preparado é muito melhor do que ser surpreendido por uma condição mais tarde.

As famílias contratam frequentemente um consultor financeiro ou um consultor jurídico. Porque não ter um conselheiro de saúde mental, se tem um historial familiar de distúrbios psiquiátricos? Faça com que o consultor de saúde mental trabalhe consigo cedo em torno da prevenção e intervenção precoce. Se começar a cuidar destas condições mais cedo, pode minimizar o seu impacto. Se não o fizer, arrisca-se a sentir o máximo impacto a longo prazo.

CNN: Sente-se esperançoso com o bem-estar mental e emocional das nossas crianças, daqui para a frente?

Walkup: Acho que temos ótimos tratamentos e, se conseguirmos levar as crianças ao tratamento, vamos ficar bem. Temos muito sentimento de "anti-tratamento" nos EUA e muito desprezo pela pandemia de saúde mental. Não a levamos suficientemente a sério, por isso, tenho um misto de sentimentos. Se fizermos com que as crianças recebam cuidados, os resultados são muito bons. Elas reagem bem e melhoram. Por outro lado, há tantos obstáculos que as famílias têm de superar para receber cuidados, hoje em dia. Isto pode dificultar as crianças a terem os cuidados de que precisam.

No geral, assistiremos a uma enorme diminuição do fardo com a saúde mental das crianças simplesmente porque os pais e cuidadores vão descobrir como se podem antecipar às dificuldades emocionais. Essa liderança parental no seio de uma família pode atenuar muitos desgostos.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Saúde Mental

Mais Saúde Mental

Patrocinados