Farmacêutica e médico acusados de burlarem o SNS em 100 mil euros

Agência Lusa , RL
4 abr, 11:07
Farmácia

Em causa está um esquema de receitas fraudulentas que utilizava dados dos pacientes

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi burlado em mais de 100 mil euros num esquema de receitas fraudulentas envolvendo uma farmacêutica de Santo Tirso e um médico, segundo uma acusação do Ministério Público.

Em causa está a alegada prática, em coautoria, de um crime de burla qualificada, dois de falsidade informática e um de falsificação.

Os factos do processo ocorrem durante mais de três anos e meio, de janeiro de 2012 a outubro de 2015, e centram-se na atividade farmacêutica que a arguida desenvolvia através de uma sociedade, em Vila das Aves, Santo Tirso, no distrito do Porto.

Segundo a acusação, o médico emitia receitas fraudulentas, que não correspondiam a qualquer prescrição real, “utilizando para isso dados dos seus próprios pacientes constantes de bases de dados a que tinha acesso”.

Prescrevia medicamentos “com custo de aquisição dispendioso e com elevada taxa de comparticipação do SNS”, indica o despacho do Ministério Público, citado em nota da Procuradoria-Geral Distrital do Porto.

As receitas eram depois entregues à farmacêutica, que as apresentava ao SNS para pagamento da comparticipação “como se tivessem sido efetivamente aviadas a cliente da farmácia”, no valor global de 100.813,35 euros.

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados