Lucro do Santander Totta sobe 38% para 334 milhões no primeiro semestre

ECO - Parceiro CNN Portugal , Alberto Teixeira
28 jul, 13:36
Concentração de trabalhadores do Banco Santander Totta

"São muito positivos. Não fogem à regra do que tem sido apresentado pelos bancos no mundo inteiro, particularmente na Europa", disse o CEO Pedro Castro e Almeida.

O lucro do Santander Totta aumentou 38% para 334 milhões de euros no primeiro semestre, impulsionado pelo aumento das taxas de juro. “São [resultados] muito positivos. Não fogem à regra do que tem sido apresentado pelos bancos no mundo inteiro, particularmente na Europa”, disse o CEO Pedro Castro e Almeida na apresentação dos resultados.

“Além da margem, o que tem melhorado [nos resultados] foi a transformação que fizemos. Mas o principal driver foi a margem financeira”, destacou o gestor máximo do banco português que se prepara para liderar o negócio do grupo na Europa.

margem financeira — a diferença entre os juros pagos nos depósitos e os juros cobrados nos empréstimos — ascendeu a 586,5 milhões de euros, mais 58,4% em relação ao mesmo período do ano passado. As comissões líquidas tiveram um decréscimo de 3,5% para 231,2 milhões.

Como tem acontecido com os outros bancos, o volume de negócios também caiu. Em termos de crédito a clientes, o Santander Totta registou um decréscimo de 4% ara 41,9 mil milhões. O administrador financeiro Manuel Preto explicou que há dois fatores que explicam esta evolução: as amortizações antecipadas no crédito à habitação nas famílias e a redução da procura por parte das empresas, que estão a gerar cash flows suficientes para evitar o recurso ao financiamento bancário.

Quanto aos recursos de clientes, deu-se uma quebra de 7,2% para 44,3 mil milhões de euros. Além da amortização dos empréstimos com recurso aos depósitos, outra boa parte da fuga das poupanças teve como destino os Certificados de Aforro.

Castro e Almeida prevê que o volume de negócios dos bancos continue a contrair nos próximos anos: “Vai continuar a haver um decréscimo [no crédito e nos depósitos] enquanto estivermos nesta situação de crescimento económico muito baixo ou de recessão, no caso da Europa”.

Banif? “Não nos passa pela cabeça que contrato não seja cumprido”

Santander Totta está a reclamar quase 160 milhões de euros ao Estado por conta de uma disputa relacionada com impostos diferidos do Banif, adquirido em 2015, que a Autoridade Tributária recusou pagar.

“Mais do que uma disputa, é um tema com a Autoridade Tributária. O Banco de Portugal não tem dúvida dos acordos assinados com o Santander naquele fim de semana. O Banco de Portugal tem reiterado que estes prejuízos fiscais foram transmitidos para o Santander Totta”, disse Manuel Preto.

“Aquilo que o banco espera é o cumprimento do que foi negociado durante o fim de semana [da compra do Banif]. Não nos passa pela cabeça que os contratos não seja cumpridos”, acrescentou o administrador financeiro.

Questionado sobre o desfecho deste caso, Manuel Preto avançou que “há várias formas de garantir que esses contratos sejam cumpridos”.

Neste ponto, Castro e Almeida referiu que “se tiver se ser o tribunal a dirimir, não há drama nenhum”. “Os DTA faziam parte dos ativos. Se há uma interpretação da Autoridade Tributária que tenha de ser dirimida pelo tribunal, seja”, disse.

(Notícia atualizada às 10h52)

Empresas

Mais Empresas

Patrocinados