O testemunho de Olena Zelenska sobre a guerra na Ucrânia: "Apesar de todo este horror, os ucranianos não desistem"

9 mar, 07:29
Olena Zelensky (Associated Press)

Primeira-dama ucraniana escreveu uma carta aberta onde relata o que aconteceu no país desde a invasão russa. Na missiva, Olena fala de "assassinato em massa de civis ucranianos", nomeia as crianças que morreram na guerra e elogia a coragem dos ucranianos

A primeira-dama ucraniana, Olena Zelenska, publicou nas suas redes sociais, na noite de terça-feira, uma carta aberta para dar resposta a todos os pedidos de entrevista de que tem sido alvo desde o início da guerra na Ucrânia.

Numa longa carta aberta, publicada no Facebook, a mulher que tem sido o apoio do presidente da Ucrânia escreve, na primeira pessoa, o seu testemunho do que se passa na Ucrânia.

Olena Zelenska começa por dizer que o que aconteceu a 24 de fevereiro "era impensável" e que, ao contrário do que o Kremlin lhe chama, o que está em curso não é uma "operação especial", mas sim "o assassinato em massa de civis".

"Talvez o mais aterrorizante e devastador dessa invasão sejam as mortes das crianças", lembra a primeira-dama ucraniana, que nomeia as crianças que morreram nos bombardeamentos da guerra e garante que vai lembrar o nome delas sempre que a Rússia afirmar que "não está a fazer uma guerra contra civis".

Ao longo de vários parágrafos, Olena elogia a bravura do povo e agradece ainda ao mundo que se uniu para ajudar os ucranianos que viram as suas casas destruídas e as suas vidas desaparecerem numa madrugada. E, por isso, faz o mesmo apelo que o marido, o presidente Volodymyr Zelensky: "Precisamos que quem tem poder feche os nossos céus! Fechem os nossos céus e nós lidaremos com a guerra na terra."

A primeira-dama ucraniana termina a carta lembrando que esta é uma guerra às portas da União Europeia e que, se Putin não for parado, "não vai restar nenhum lugar seguro no mundo para nenhum de nós."

"A guerra na Ucrânia não é "algures por aí". Esta é uma guerra na Europa e nas fronteiras da União Europeia. A Ucrânia está a parar uma potência que pode invadir agressivamente as vossas cidades amanhã sob o pretexto de salvar civis. Na semana passada, para mim e para as minhas pessoas, isto teria parecido um exagero, mas agora é a realidade que estamos a viver. E não sabemos por quanto tempo vai durar. Se não pararmos Putin, que ameaça começar uma guerra nuclear, não vai restar nenhum lugar seguro no mundo para nenhum de nós."

Leia a carta na íntegra

"Eu testemunho..." - uma carta aberta para a imprensa global por Olena Zelenska, primeira-dama da Ucrânia

"O que aconteceu há pouco mais de uma semana, era impensável. O nosso país era pacífico, as nossas cidades, vilas e aldeias estavam cheias de vida. A 24 de fevereiro, acordámos todos com o anúncio da invasão russa. Tanques cruzaram a fronteira ucraniana, aviões entraram no nosso espaço aéreo, lançadores de mísseis cercaram as cidades.

Apesar das garantias dos meios de propaganda apoiados pelo Kremlin, que chamam isso de "operação especial", é, na realidade, o assassinato em massa de civis ucranianos.

Talvez o mais aterrorizante e devastador dessa invasão sejam as mortes das crianças. Alice, de oito anos, que morreu nas ruas de Okhtyrka enquanto o avô tentava protegê-la. Ou Polina de Kiev, que morreu no bombardeamento com os pais. Arseniy, de 14 anos, foi atingido na cabeça por destroços e não pôde ser salvo porque a ambulância não conseguiu chegar a tempo por causa dos intensos incêndios.

Quando a Rússia afirma que 'não está a fazer uma guerra contra civis', eu lembro os nomes das crianças que morreram.

As nossas mulheres e crianças vivem agora em abrigos antiaéreos e porões. Provavelmente já viram essas imagens das estações de metro de Kiev e Kharkiv, onde as pessoas se deitam no chão com os filhos e animais de estimação – presos debaixo do solo. Estas são apenas consequências da guerra para alguns, para os ucranianos é agora uma realidade horrível. Em algumas cidades, as famílias não podem sair dos abrigos antiaéreos durante vários dias seguidos por causa dos bombardeamentos indiscriminados e deliberados e que atingem infraestruturas civis.

O primeiro recém-nascido da guerra, viu o teto de cimento da cave, a primeira respiração foi o ar acre do subsolo, e foram recebidos por uma comunidade encurralada e aterrorizada. Neste momento, existem várias dezenas de crianças que nunca conheceram a paz em suas vidas.

A guerra está a ser feita contra a população civil e não só através de bombardeamentos. 

Algumas pessoas precisam de cuidados intensivos e tratamento contínuo, que não podem receber agora. Quão fácil é injetar insulina no porão? Ou obter medicação para asma sob fogo pesado? Sem mencionar os milhares de pacientes com cancro cujo acesso essencial à quimioterapia e ao tratamento com radiação foi adiado indefinidamente.

As comunidades locais nas redes sociais estão inundadas de desespero. Muitas pessoas, incluindo idosos, gravemente doentes, e pessoas com deficiência, estão debilitadas, longe das famílias e sem qualquer apoio. A guerra contra as pessoas inocentes é um crime duplo.

As nossas estradas estão cheias de refugiados. Olhem nos olhos dessas mulheres e crianças cansadas que carregam consigo a dor e a mágoa de deixar para trás os entes queridos e a vida como a conheciam. Os homens que os trazem para as fronteiras derramando lágrimas por se separarem das suas famílias, mas que voltam corajosamente para lutar pela nossa liberdade. Afinal, apesar de todo este horror, os ucranianos não desistem.

O agressor, Putin, pensou que lançaria uma guerra-relâmpago na Ucrânia. Mas subestimou o nosso país, o nosso povo e o nosso patriotismo. Os ucranianos, independentemente de opiniões políticas, língua nativa, crenças e nacionalidades, mantêm uma união incomparável.

Enquanto os propagandistas do Kremlin se gabavam de que os ucranianos os iriam receber com flores como salvadores, eles foram afastados com cocktails molotov.

Agradeço aos civis das cidades atacadas, que se coordenaram para ajudar quem precisava. Aqueles que continuaram a trabalhar - nas farmácias, lojas, transportes públicos, serviços sociais - mostrando que, na Ucrânia, a vida vence.

Reconheço todos os que forneceram ajuda humanitária aos nossos cidadãos e agradeço o seu apoio contínuo. E aos nossos vizinhos que generosamente abriram suas fronteiras para abrigar nossas mulheres e crianças, obrigado por os manterem seguros, quando o agressor nos impossibilitou de fazê-lo.

A todas as pessoas pelo mundo que se unem para apoiar a Ucrânia. Nós vemos! Estamos a ver e agradecemos o vosso apoio.

A Ucrânia precisa de paz. Mas a Ucrânia vai defender as suas fronteiras, vai defender a sua identidade. Disso, nunca vai ceder.

Nas cidades onde os bombardeamentos persistem, onde as pessoas se encontram debaixo de escombros, incapazes de sair dos abrigos por dias, precisamos de corredores humanitários e de retirar civis com segurança. Precisamos que quem tem poder feche os nossos céus!

Fechem os nossos céus e nós lidaremos com a guerra na terra.

Faço-vos um apelo queridos meios de comunicação: continuem a mostrar o que está a acontecer aqui e continuem a mostrar a verdade. Na guerra de informação travada pela Federação Russa, todas as provas são cruciais.

E com esta carta, eu testemunho para o mundo: a guerra na Ucrânia não é uma guerra "algures por aí". É uma guerra na Europa, próxima às fronteiras da União Europeia. A Ucrânia está a parar a força que amanhã pode entrar agressivamente nas vossas cidades sob o pretexto de salvar civis.

Na semana passada, para mim e para as minhas pessoas, isto teria parecido um exagero, mas agora é a realidade que estamos a viver. E não sabemos por quanto tempo vai durar. Se não pararmos Putin, que ameaça começar uma guerra nuclear, não vai restar nenhum lugar seguro no mundo para nenhum de nós.

Vamos vencer. Por causa da nossa união. União pelo amor à Ucrânia. Glória à Ucrânia!"

Europa

Mais Europa

Patrocinados