opinião
Diretor executivo CNN Portugal

Quem não matou Rio tornou-o mais forte

27 nov 2021, 23:21

O “voto livre” lançou para as legislativas o homem que não representa o sistema mas representa o regime. Barões e tubarões do PSD: tomem pastilhas para a azia, deixem de atrapalhar e deixem-no trabalhar. E nós, cá fora, olhamos para as propostas para o país do homem que teve razão nesta campanha. Já Rangel desceu no elevador social… democrata. Dois anos depois do confronto Costa-Rio, a política roda 360 graus para um confronto… Costa-Rio

PUB

Rui Rio transformou um obstáculo num trampolim. Aqueles que quiseram derrubá-lo com uma fisga acabam de dar-lhe o elástico da catapulta para as legislativas de 30 de janeiro. Rio vence contra tudo e contra todos, vence os barões que há quase quatro anos tentem aniquilá-lo, vence depois de derrotas eleitorais - e vence o sistema mesmo se quer preservar o regime.

Não é uma contradição. Rio representa o regime quando defende abertamente acordos com o PS para mudanças ao centro, que outra coisa não farão do que mudar o regime para preservá-lo nos termos em que ele governa há décadas. Mas Rio tem tido o sistema contra ele, o sistema das elites e o sistema mediático que tem embalado contra ele, enganando-se aliás sempre na antecipação de derrotas de que ele faz vitórias.

PUB

E Rio venceu também, este domingo, a vertigem do seu partido para a autocombustão. Foi a quarta (quarta!) vitória do Rio no partido, depois da vitória inicial contra Santana Lopes, de dois desafios de Luís Montenegro e desta corrida em cima das legislativas de Paulo Rangel. Muitos barões do PSD não podem com Rio nem com molho de tomate, mas Rio venceu todos com sumo de laranja. Rio teve uma vitória grandiosa no plano simbólico: não fez campanha virada para dentro, não seduziu o aparelho, disse acreditar no voto livre, falou como primeiro-ministro, colocando-se com inteligência acima da disputa interna e dinamitando o caciquismo. Enquanto Rangel se fechou, provavelmente com excesso de confiança de uma vitória antecipada, Rio abriu-se, deu entrevistas claras e afirmou-se como candidato a primeiro-ministro.

PUB
PUB
PUB

Se nada une mais um partido do que o poder, nada convence mais um partido do que a expectativa de ganhar o poder. E Rio foi quem mais mostrou capacidade de ganhar as próximas eleições. É tão simples quanto isso.

Costa, tens aí a tua gente?

Mas o que está em causa não é apenas a vitória de Rio contra a deprimência no seu partido. É o lance do PSD para as legislativas. E é o novo desafio contra António Costa. O regime manteve-se exatamente igual, a política rodou 360 graus, ficou na mesma. Dois anos depois do embate eleitoral Costa-Rio, teremos um embate eleitoral… Costa-Rio. Não é falta de imaginação, é mesmo conservação. E faz perguntar sobre a utilidade da dissolução do Parlamento e das próximas eleições. Os personagens são os mesmos. Os partidos menores atrevem-se a ficar maiores, e os maiores arriscam-se a ficar menores. E assim, a única utilidade aparente é de poder legitimar politicamente a viragem ao centro depois de se ter esgotado a forma ou plataforma de esquerda.

Rui Rio quer o centro. Quer acordos com o PS, que nunca escondeu, para reformar a segurança social e a administração pública, para impor a sua obsessão com (contra?) a justiça, sobretudo contra a Ministério Público, mas também contra o Tribunal de Contas e contra os jornalistas. E é bem possível que seja isso que o país queira: um novo Cavaco Silva. Seco, sério, de vistas curtas e com pulso forte. Um chefe que ponha esta casa “em ordem”.

PUB
PUB
PUB

Depois da noite vitoriosa nas autárquicas e de voltar a ganhar o PSD, Rio Rio é um fortíssimo candidato nas legislativas. António Costa tem de estar ralado, até porque as dinâmicas de um de outro são contrárias – e há uma quinta vaga da pandemia pelo meio. Se Costa ganhar, Rio estará disponível para acordos. Mas se Rio ganhar, Costa demite-se e pode seguir-se no PS Pedro Nuno Santos, que não alinhará com o PSD. Não é um pântano, é um delta de Nilo, que se bifurca em muitas possibilidades.

A perceção de ingovernabilidade pode ajudar Rio Rio, que iniciará imediatamente a campanha eleitoral, beneficiando desta galvanização oferecida por aqueles que o quiserem defenestrar. Rangel tanto defendeu a subida no elevador social para os portugueses que acabou ele a descer o elevador social-democrata. E Rio é hoje um vencedor, um vencedor justamente inchado, um vencedor contra o sistema que se une contra ele, um vencedor não das elites mas do povo do seu partido. O que mais poderia ele querer? O que quer agora: ser primeiro-ministro.

PUB
PUB
PUB

Nunca esteve tão perto.  

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Colunistas

Mais Colunistas

Patrocinados