"Desculpem". Rishi Sunak anuncia duas demissões de uma só vez

5 jul, 10:49

Saída do Partido Conservador só se vai formalizar quando houver um sucessor escolhido. Saída como primeiro-ministro vai ser comunicada ao rei

O primeiro-ministro britânico anunciou que vai demitir-se do cargo de líder do Partido Conservador, depois de uma noite eleitoral terrível que acabou com 14 anos do partido no poder, dando uma maioria absoluta esmagadora ao Partido Trabalhista.

Rishi Sunak avisou, no entanto, que só vai sair quando for encontrado um sucessor. A confirmação foi dada numa pequena declaração à porta de Downing Street, na qual o ainda líder dos conservadores também disse que vai apresentar a demissão do cargo de primeiro-ministro ao rei Carlos III.

Num discurso em que tinha a mulher atrás, com a residência oficial do primeiro-ministro em pano de fundo, Rishi Sunak pediu desculpa aos britânicos - "desculpem, disse apenas -, garantindo que fez "tudo" pelos eleitores, que escolheram enviar um "sinal claro de que o governo do Reino Unido deve mudar".

É precisamente por ter ouvido a "raiva" e "desapontamento" dos eleitores que o líder dos conservadores entende ser necessário assumir a responsabilidade e sair do cargo.

As desculpas, para lá dos britânicos, estenderam-se também aos candidatos do Partido Conservador e a todos os colaboradores da campanha. "Lamento que não tenhamos conseguido atingir o que os nosso esforços mereciam", disse.

Um homem espirituoso

No número 10 de Downing Street segue-se Keir Starmer, líder do Partido Trabalhista. Rishi Sunak vê no seu sucessor um homem "espirituoso" a quem deseja muita sorte no cargo.

"Independentemente dos nossos desentendimentos na campanha, é um homem decente, com espírito público, que respeito", afirmou.

Uma mensagem extensível à família do próximo primeiro-ministro, que vai entrar numa fase de "enorme transição nas suas vidas", nomeadamente pela mudança para a residência oficial do chefe do governo.

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados