Reino Unido: Penny Mordaunt desiste da corrida à liderança dos Conservadores, Rishi Sunak será o novo primeiro-ministro

24 out, 14:02

Mordaunt não conseguiu reunir o apoio de, pelo menos, 100 deputados da Câmara dos Comuns. No Twitter, agradeceu a todos os que a apoiaram e disse estar "orgulhosa" da campanha que protagonizou.

Penny Mordaunt desistiu da corrida à liderança do Partido Conservador do Reino Unido. A informação foi avançada pela própria nas redes sociais.

Como consequência, o ex-ministro das Finanças Rishi Sunak será o novo primeiro-ministro do país, em virtude de ser o único candidato à liderança dos Tories.

Mordaunt não conseguiu reunir o apoio de, pelo menos, 100 deputados da Câmara dos Comuns. No Twitter, agradeceu a todos os que a apoiaram e disse estar "orgulhosa" da campanha que protagonizou.

"Estes são tempos sem precedentes. Apesar do calendário apertado para a corrida à liderança, é claro que os colegas sentem que precisamos de certezas já hoje. Tomaram esta decisão de boa-fé para o bem do país", escreveu Mordaunt, que declarou que Sunak terá o seu "total apoio".

"Agora, escolhemos o nosso primeiro-ministro. Esta decisão é histórica e mostra, mais uma vez, a diversidade e talento do nosso partido. O Rishi tem o meu total apoio", declarou.

"Pelo país, por cada um de nós e pelo Rishi, devemos unir-nos e trabalhar juntos para o bem da nação. Há muito trabalho a fazer", conclui Penny Mordaunt.

Como foi previamente referido, Rishi Sunak será o próximo primeiro-ministro do Reino Unido, após ser indigitado pelo rei Carlos III. Descendente de indianos e nascido em Southampton, no sul do país, foi ministro das Finanças de Boris Johnson, tendo a sua demissão precipitado a queda do governo do antigo presidente da câmara de Londres. Depois, foi a vez de Sunak concorrer à liderança dos Tories contra Liz Truss. Durante a campanha, alertou para as potenciais consequências do choque fiscal que a primeira-ministra demissionária prometeu e acabou por implementar, o que levou à desvalorização da libra e obrigou o Banco de Inglaterra a injetar 60 mil milhões de libras para manter a economia britânica estável. Truss acabou por apresentar a demissão após apenas 45 dias no poder, o mandato mais curto da história do país, precisamente devido às consequências daquilo que definiu como "mini-orçamento".

Com formação académica feita em Oxford e na Universidade de Stanford, Sunak trabalhou no banco Goldman Sachs antes de enveredar pela vida política. Chegou à Câmara dos Comuns pela primeira vez em 2015, e foi também um forte apoiante do Brexit durante a campanha para o referendo de 2016.

Como número dois do executivo britânico, Sunak foi o principal responsável por orientar a resposta económica à pandemia de covid-19, período também marcado pelas inúmeras violações das normas anticovid por parte de membros do governo. Sunak não escapou à tendência e, em abril deste ano, foi multado por participar numa festa de aniversário ilegal à luz das normas que o executivo de que fazia parte definiu.

Sunak é também um multimilionário, casado com a filha do fundador da multinacional de tecnologias de informação Infosys, Akshata Murty. A fortuna do casal situa-se nos 730 milhões de libras, colocando-os, de acordo com o Times, no 222.º lugar na lista dos mais ricos do Reino Unido.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados