Freire: «Nunca fomos inferiores, mas a estrelinha não esteve presente»

André Cruz , Estádio dos Arcos, Vila do Conde
12 jan, 22:19
Rio Ave-Tondela (Rui Manuel Farinha/Lusa)

Rio Ave-Tondela, 0-1 (a.p.) (reportagem)

Luís Freire, treinador do Rio Ave, na sala de imprensa do Estádio dos Arcos, após a derrota frente ao Tondela, por 1-0, no prolongamento, que ditou a eliminação da Taça de Portugal:

«[Equilíbrio no jogo apesar da expulsão] Estávamos num contexto complicado com algumas ausências, entramos muito bem no jogo, bem com bola e com agressividade. O Tondela depois dos 15 minutos conseguiu sair [para o ataque], mas o jogo estava muito equilibrado até ao intervalo. Na segunda parte entramos melhor. O lance da expulsão acaba por desequilibrar, fechámos bem o jogo em 5-3-1 e construímos a jogada que esbarra na trave e o golo anulado. Penso que se entra íamos ser uns justos vencedores. Nunca nos encolhemos com bola, só sem bola. No prolongamento, estávamos a lidar com muitas dificuldades, com jogadores a quebrar muito fisicamente. Sofremos um golo num lance em que tínhamos de ser mais espertos, é um lance evitável. A estrelinha não esteve presente no jogo. Se empatássemos o jogo ninguém diria que era injusto, nunca fomos inferiores contra onze, apesar do ascendente com bola do Tondela. Fomos muito guerreiros, lutadores e tivemos uma excelente prestação na Taça.

[Rio Ave é equipa de I Liga?] Para ser de primeira tem de estar na primeira. Temos que subir de divisão, é uma guerra muito grande e o nosso principal objetivo. Tenho jogadores tristes, mas é porque chegaram aqui com mérito. Hoje não fomos inferiores.»

Relacionados

Patrocinados